2 Pilares da Boa Saúde Emocional

Aqui vou explicar os dois principais pilares de uma boa saúde emocional. O objetivo é manter a boa saúde emocional ao curar as feridas que chegam e evitar criar feridas de forma desnecessária. Vamos falar da importância da cura emocional diária e de evitar pessoas tóxicas.

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

Ter uma boa saúde emocional é de enorme importância para se viver bem. Primeiro, nossas emoções dominam nossa mente. Quando estamos tentando lidar com feridas emocionais perdemos nosso bom-senso e ficamos com a mente enuviada. Ficamos sem clareza mental. E a falta de clareza mental nos leva a tomar más decisões, que então nos trazem ainda mais problemas.

O Primeiro Pilar: Manter Sua Cura Emocional Diária

O primeiro pilar é levar sua saúde emocional muito a sério, tirando tempo, todos os dias, para investigar se houve feridas emocionais novas e verificar se estamos com alguma ferida mais antiga ainda nos perturbando.

Neste artigo e vídeo eu entrei fundo nessa tema.

O processo começa com a busca pelo olhar interno, que é a condição básica inicial do caminho do despertar. Entenda a diferença do olhar interno e olhar externo aqui. 

Em essência, vamos criar momentos de contemplação e silêncio diariamente para observamos atentamente nosso estado emocional, trazendo luz e cura quando haver feridas, usando as muitas técnicas de cura que existem, como essas que passo no Caminho 3T.

O Segundo Pilar: Evitar Pessoas Tóxicas

O segundo pilar é evitar a ferida emocional. Dá muito trabalho lidar com feridas emocionais, portanto a melhor cura é a prevenção.

Temos que ser práticos. Pense em termos de ferida físicas. Claro, você pode curar suas feridas físicas. E, claro também, não pode evitar de se machucar totalmente. Mas se fica se ferindo no mesmo lugar repetidas vezes, o que você faz? Você evita o lugar, muda a coisa, não é?

Se sua coluna está ruim porque tem uma cadeira de escritório ruim, o que faz? Fica apenas tomando remédio, indo no médico? Não. Você muda a cadeira!

Pessoas tóxicas são aquelas que não conseguem viver sem ferir os outros. Suas mentes estão dominadas pela mágoa, ódio, inveja, raiva e frustração. Há muita escuridão. Não souberam lidar com isso. Não sabem viver bem. Então, a escuridão vaza, principalmente pela boca.

Essas pessoas sempre ferem os outros. Nem adianta pensar se é de propósito, ou não. Uma coisa é certa: não é pessoal. Não é com você. Se você anda debaixo de um coqueiro e um coco cai na sua cabeça, você sabe que não foi pessoal. É assim com pessoas tóxicas também.

As pessoas costumam cometer dois enganos em relação as pessoas tóxicas.

Primeiro, elas acham que podem curar a pessoa. Acham que tem um dever de ficar lá, aguentando, para ajudar a curar a pessoa. Isso é loucura. Para começar, ninguém cura outra pessoa. Cada um precisa se curar. E só pode se curar quando QUER se curar. Ou seja, a cura tem que partir de nós. Temos que querer.

Segundo, elas acham que se tem alguém tóxico na vida, é seu carma, e precisam tolerar isso, para aprender, para evoluir. O conceito que nosso carma nos obriga a voluntariamente nos submeter a sofrimento é simplesmente errado. Carma significa aprendizado. Nosso dharma diante de um carma ruim não é sofrer e aguentar de indefinidamente. É reconhecer o aprendizado e nos livrar do sofrimento.

Algo ruim acontece, aí você sim aceita e tira o aprendizado. “OK. Doeu, mas não adiante reclamar. Já aconteceu. O que posso aprender com isso? Como posso evoluir com este aprendizado?”.

Mas, ao mesmo tempo, você tem o dharma de se cuidar. “Como faço para evitar este tipo de sofrimento? Qual foi minha responsabilidade em ter me colocado nesta situação ruim? Como posso corrigir meu erro agora?”

A pessoa sábia trilha os dois caminhos ao mesmo tempo: 1) aceitação e aprendizado e 2) solução prática para evitar mais sofrimento.

Mas e quando é a mãe ou pai, marido ou esposa, filho ou filha? Não interessa! Nenhum vínculo emocional lhe obriga a ser torturado emocionalmente.

Alguém pode pensar, “ah, mas estou sendo egoísta se me afastar do parente tóxico”. Mas, não. Você está sendo amoroso. Amoroso consigo mesmo e com a pessoa tóxica. Como assim?

Amoroso com você pela razão óbvia que você entende que sua vida é importante e que você não merece ser machucado.

E amoroso com a pessoa tóxica porque seu afastamento trará, possivelmente, um despertar na pessoa. Ela pode pensar, “puxa, ninguém fica perto de mim, todos se afastam, o que será que está acontecendo?”. Nesse momento, talvez caia a ficha. “Ah, ninguém me ficar perto porque sou uma pessoa horrível. Será que preciso ser assim, ou posso me curar?”.

Então, você se ajuda e ajuda a pessoa. É bom para todo mundo.

Afaste-se de pessoas tóxicas. Crie distância. Não ataque. Não tente ensinar. Mas crie espaço. Se preserve. Você merece.

Com estes dois pilares da boa saúde emocional, você conseguirá pensar melhor, escolher melhor e viver melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *