Vício na Visão do Yoga

Como é visto o vício na visão do yoga, da espiritualidade? Aqui vamos ver as respostas a 5 perguntas recebidas sobre o tema de vício.

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

  • Porque as pessoas estão buscando anestesiar seus problemas nas drogas?

Quando não estamos satisfeitos com nosso estado de consciência, temos duas opções. Podemos elevar a consciência, ou podemos baixa-la. Elevar a consciência é o caminho correto, mas 1) dá trabalho, 2) poucos sabem como fazer e 3) leva tempo. Então, é mais comum, infelizmente, buscar a segunda opção que é baixar a consciência, anestesiando a mente com drogas ou algum outro vício.

E porque não estamos satisfeitos? Há muitas razões para isso. O yoga ensina que estamos mesmo no lugar errado—aqui não é nosso lar. E através de decisões erradas nos encontramos com as pessoas erradas, no emprego errado vivendo a vida errada. Falei sobre isso neste vídeo:

Então, buscar a mudança é necessário. Perfeitamente compreensível. O que não podemos é buscar de forma errada, embaralhando a mente, pois isso só tornará tudo ainda pior.

 

  • O aumento do uso de drogas por pessoas de todas idades tem a ver com uma pressão social para que as pessoas se enquadrem ao sistema ao invés de buscar seus próprios caminhos?

Sim, com certeza. O jogo social de ser guiado pela opinião dos outros nos empurra a viver uma vida errada, longe de nosso dharma, de nossa essência. Quanto mais nos afastamos de nossa essência, menos alegria há na vida, pois nossas atividades deixam de fazer sentido. Perdemos motivação e ficamos frustrados. Nesse estado, o uso de drogas e a prática de outros vícios pode parecer a única saída para tolerar a vida. Mas na verdade, a solução está em buscar nossos dharmas, buscar propósito e ser guiado por nossos valores.

 

  • Sabendo que o vazio existencial é uma das causas, como nós poderíamos tentar de uma forma mais efetiva evitar que as pessoas busquem essas compulsões?

Temos que ser humildes e entender que todos nós estamos sujeitos ao desespero existencial. Por isso devemos agora mesmo buscar aprimorar nossa vida. Devemos seriamente priorizar a busca por um processo de autoconhecimento, ajustando, passinho por passinho, nossa vida ao ponto de poder encontrar significado em tudo que fazemos.

Devemos sempre nos perguntar: estou vivendo o paradigma da fantasia? Estou agindo só para obter algo no futuro que acho que será bom para mim? Ou estou vivendo o paradigma da realidade, sabendo ficar com minha mente no aqui e agora, vivendo cada ação por vibrar com minha essência?

 

  • Existe uma abordagem dizendo que a dependência química e o alcoolismo são doenças como no AA e NA. Por outro lado, o espiritismo e outras doutrinas colocam isso como influencias espirituais negativas. Isso seria uma forma de tirar a responsabilidade do indivíduo?

Essas teorias são perigosas. Nem que sejam verdade, não devem ser consideradas. Elas geram a mentalidade de vitimismo. Este tipo de ideia tira o poder do indivíduo.

Não interessa se é o DNA ou esse ou aquele fantasminha lhe perturbando. A vida é sua. Você está no poder. Assuma comando de sua vida. Eu recomendo o mantra: “A vida que vivo fui eu que fiz”. Você chegou aqui. Você vai daqui em diante também. Para onde quiser.

 

  • Finalmente, quando a pessoa está enredada nos vícios, se trata de karma ou distância de Deus?

Se tratam de ambos. Karma é o resultado de afastamento de Deus. E é pelo karma que você pode hoje se encontrar numa vida propícia ao vício, com um círculo social que compartilha do vício, com acesso aquilo que causa o vício.

Podemos ver que a devoção, bhakti, é um elemento de grande poder nos processos de vencer o vício. Bhakti é o aspecto mais elevado do yoga, a parte mais nobre da autorrealização. Bhakti é poderoso. Bhakti lhe dá um sentimento profundo de propósito, de conexão—é o amor transcendental, o encontro com sua mais profunda natureza.

Na visão do yoga este afastamento de Deus é a raiz de todo sofrimento. Afinal, é o afastamento de sua raiz, da essência de sua essência. E, dessa forma, bhakti é fundamental para reencontrar seu propósito último.

Nunca se acha acima desses perigos. No caminho do yoga, a prática de sobriedade é essencial. Não interessa se teve abuso ou não. Neste caminho é uma questão de princípio ter zero consumo de drogas e álcool. Até de cafeína! Este é o caminho mais seguro. Ninguém precisa desse tipo de veneno na vida. Pesquisas mostram que só o álcool é responsável por 2,8 milhões de mortes anuais. 100 mil só aqui no Brasil. Fique longe disso. Se não por você, para ajudar o mundo a ser um lugar melhor.

Não precisa esperar um obstáculo tão grande como o vício para buscar soluções. Devemos hoje mesmo começar a tentar viver melhor. Não importa como está, experimente a enorme gama de técnicas e os conhecimentos para viver melhor no livro “O Caminho 3T” (www.3T.org.br).

 

Veja o que estão falando do livro “O Caminho 3T”: “As portas da felicidade se abriram, num lindo e espontâneo movimento. Foi e está sendo uma experiência incrível! Tenho muita gratidão por ter encontrado seu livro e seus ensinamentos. Você faz um trabalho lindo, que seja sempre abençoado!” – Natália Arnold

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *