O Não Positivo – A Arte de Dizer Não

Aprenda a dizer não. Isso pode mudar sua vida. Temos que aprender que é importante não aceitar tudo que pedem para fazermos e também como dizer não de uma forma positiva, sem gerar conflitos. Aqui vamos abordar a técnica do “não positivo”.

Dizer não é importante por que você é limitado. Dizer não permite que você diga sim ao que realmente importa para você, que vai construir sua vida de acordo com seu propósito.

Você tem seu propósito, tem que viver seu dharma. No livro, “O Caminho 3T” (www.3T.org.br) eu explico em detalhes o conceito de dharma e como isso é uma peça essencial para viver a vida bem e até mesmo buscar a autorrealização. Seu dharma é sua essência. Viver seu dharma é cumprir seu propósito, e ser você. É sua essência em ação.

Você só deve, portanto, fazer aquilo que está dentro de seu dharma. Se você aceitar fazer uma coisa fora do seu dharma, estará se violando, deixando de fazer algo que precisa, que era o correto e necessário para sua missão. Portanto, é essencial, para ter o sim, dizer o não.

O pesquisador, William Ury, cofundador do programa de negociações da Universidade de Harvard, desenvolveu o conceito do não positivo. O não, diz ele, que leva ao sim. Afinal, se alguém pede algo de nós, está se abrindo para a gente. Esta abertura, este pedido de ajuda, não pode ser ignorado ou maltratado. O não deve ser feito de forma a não gerar conflito ou mágoa. Afinal, é um não iluminado, com razão. Você não está dizendo não por maldade ou preguiça, mas sim porque sincera e verdadeiramente tem um outro uso mais importante de seu tempo e sua energia.

O não positivo funciona assim:

  1. Valorize a pessoa e o que ela está fazendo. Quando alguém lhe pede algo, entenda seriamente o que quer e o que ela está querendo realizar. Comunique a ela sua apreciação do que ela está fazendo. Faça a conexão real, do coração. Este seu entusiasmo e apreciação do trabalho dela já é, por si só, uma luz no dia da pessoa.
  2. Valorize sua história explicando o que você está fazendo, o seu propósito. Agora, explique o que você está fazendo e valorize seu trabalho. Afinal, é uma expressão da sua pessoa, de quem realmente é. Transmita isso em poucas palavras, mas com intenção e clareza. Tem gente que lhe pede as coisas por que simplesmente não está nem aí do que você é, nem do que está fazendo. Tem gente que só vê você como uma peça para auxiliar a vida dela, não sua. Explicando sua missão, você dissipa este erro.
  3. Por causa do item 2, você explica que está ocupado naquilo, por isso não posso ajudar. O fato que tem uma missão explica por que não pode fazer outra coisa. Você já tem algo que fazer, por isso não pode fazer a outra coisa. É lógico. Não é pessoal. Não é uma afronta. São os fatos da vida.
  4. Fecha com um sim. Tendo explicado que não pode fazer o que a pessoa pede, você pergunta como pode ajudar de outra forma, dentro de seu dharma. Talvez possa encontrar alguém que faz o que ela precisa, ou possa dar uma dica. Você mostra que se preocupa e que quer dar apoio a pessoa.

Ajudar os demais é tudo de bom. Queremos servir e ser útil. Queremos ver os outros felizes. Mas temos que fazer isso dentro do dharma, de acordo com nossa natureza e dentro dos limites que a realidade nos impõe. O não positivo lhe dará a ferramenta para negociar este momento muitas vezes delicado de manter sua firmeza, sem faltar com gentileza e de demonstrar carinho com quem lhe procura, sem faltar carinho por você mesmo.

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

 

Veja o que estão falando do livro “O Caminho 3T”: “Mais do que uma leitura, é uma experiência transformadora de vida” – Grady Harp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *