FILHOS QUE NÃO AMAM OS PAIS

Um dos temas mais comuns de perguntas e comentários que recebo é de pessoas reclamando do tanto que sofrem com seus pais, e ocasionalmente de pais reclamando que seus filhos não os amam. Não era para filhos terem um amor natural por seus pais? É pecado não gostar da mãe?

AGORA SE VOCÊ É A MÃE OU PAI QUE ESTÁ SOFRENDO POR SEUS FILHOS NÃO LHE AMAREM, CLIQUE AQUI E VEJA ESTE OUTRO ARTIGO E VÍDEO

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

Tem gente me escrevendo falando que só de pensar na mãe, já sente dor nas costas. Outros relatam como a mãe os deixa sem paz. Uns dizem que em casa sofrem de abusos psicológicos. E há também pais escrevendo reclamando que seus filhos não querem saber deles. O que está acontecendo?

Afinal, nossos pais nos deram tudo! Nosso corpo, comida, casa, carinho, tempo, dinheiro… a lista não acaba. Quem tem filhos sabe muito bem. Naturalmente deveríamos amar nossos pais, mesmo com suas falhas.

É um ponto tão profundo que vemos isso nas tradições religiosas. Krishna diz que é uma obrigação cuidar e respeitar os pais. A Bíblia também decreta isso.

Parece uma tremenda e vergonhosa falta de gratidão não amar seus pais depois do tanto que fizeram por você.

Mas amor é do coração. Ter razão para amar, não significa que você vai sentir amor.

Então, vamos falar de forma franca. Dívidas, feitos do passado, etc. não mudam o fato que todo relacionamento tem que ser trabalhado. Tem que trazer um “saldo positivo” hoje.

Alguém pode ter movido montanhas para você, mas se lhe trata de forma irritante, fica cobrando, se metendo onde não deve… fica ruim. Fica impossível tolerar. Torna-se uma realidade psicológica insuportável e não há como dizer que nesta situação você vai ter “prazer” em ficar perto da pessoa. Que vai experimentar amor quando perto da pessoa.

Aí, naturalmente, há um afastamento necessário para preservar a paz interior, a saúde emocional. O fato que se trata de mãe ou pai não muda o fato que o afastamento é a única saída para preservar o bem-estar.

Se você é mãe ou pai e está chateado que seus filhos não lhe procuram, ou estão afastados, fica a pergunta óbvia: você tem um papel nisso? Ou vai mesmo só culpar eles? Acha mesmo que seria natural alguém se afastar de uma pessoa que traz coisas positivas para sua vida, que traz alegria? Ou será que as pessoas se afastam daqueles que as machucam?

Egoísmo existe. Ingratidão também. Mas ainda assim as pessoas naturalmente querem a companhia e contato com aqueles que lhe fazem sentir bem, que acrescentam coisas boas em suas vidas.

Sim, fica o amor no sentido de dever. Os filhos que não zelam por seus pais, pelo bem-estar físico deles, aí realmente é vergonhoso. Pois não se trata de algo emocional, e sim um simples dever, um dharma, óbvio. É uma reciprocidade gritante pelos cuidados que eles tiveram com você durante sua infância.

Diferente do que podemos fazer com outras pessoas, com os pais podemos nos afastar para preservar nosso bem-estar emocional, mas nunca ao ponto de deixar de cumprir nossos deveres de ajuda-los em termos práticos. Salvo, eu diria, em casos onde houve verdadeiro abuso físico e negligência. Nesses casos, a lei da reciprocidade diz que devemos deixa-los de tudo.

E se você quer ver seus filhos mais próximos novamente, então trabalhe o relacionamento. Não se sinta “no direito”. Conquiste o amor com carinho, paciência, serviço… como temos que fazer para qualquer relacionamento dar certo. Sabendo flexibilizar, ajustar e mudar para melhor fluir o relacionamento.

Desenterre seus traumas e limpe seu inconsciente. No livro “O Caminho 3T” (www.3T.org.br) um das seções principais é o tema de “Paz Interior”, onde apresentamos técnicas e fatos para lhe ajudar nesta importante tarefa para uma vida melhor.

237 ideias sobre “FILHOS QUE NÃO AMAM OS PAIS

  • 01/04/2019 às 17:35
    Permalink

    Lindo o texto, mais já fiz de tudo pelo meu filho. Hoje tenho 51 e ele 23.
    Já o chamei várias vezes para conversarmos moramos juntos eu e ele somente, e muitas vezes passa dias fora sem mesmo me ligar para saber se estou bem. Aqui me sinto só uma empregada. A última vez que chamei para conversar, falei para ele que o que eu queria era só um pouco da atenção, um abraço, respeito , podemos almoçar um dia juntos. E sabe qual foi a resposta dele? Vai viver sua vida eu tenho meu namorado e tenho meus compromissos não tenho tempo para você.
    Minha última opção é ir embora e deixar elr

    Responder
    • 25/04/2019 às 21:23
      Permalink

      Como é triste, não é, tenho 41 e um filho de 22, que não gosta de mim. Como ele é filho único, me sinto bem triste, mas estou começando a aceitar esta realidade. Estive pensando, eu sofri tanto para criar este filho, abri mão de tantas coisas, passei tanto perrengue, fui humilhada e tudo mais, eu tinha esperança de quando ele crescesse fosse meu amigo, mas após fazer 15 anos foi piorando. Eu não corro mais atrás.

      Responder
      • 03/05/2019 às 14:33
        Permalink

        É… temos que aceitar o caminho dos outros. O seu amor, seu sacrifício… isso está gravado. É seu mérito. Deus sabe o que fez, mesmo que ninguém reconheça.

        Responder
        • 07/11/2019 às 18:02
          Permalink

          Me fez bem ler seu post.
          Me sentia a pior das pessoas e quando criança eu vivia feliz em qualquer lugar onde meus pais não estivesse.
          Agora consegui entender de onde veio tanta dor e vontade de sumir.
          Eles são tóxicos.
          Quando eles não estão por perto eu quero viver,mas quando eles chegam perto nem levantar da cama consigo.

          Responder
          • 16/11/2019 às 20:24
            Permalink

            Ingratidão é o nome disso.

          • 19/01/2020 às 03:38
            Permalink

            Eu sinto a mesma coisa… E o nome não é ingratidão. É mágoa.

          • 20/01/2020 às 15:42
            Permalink

            Eu tbm sou assim! Tava me sentindo um monstro antes de ler o texto…

          • 06/02/2020 às 13:43
            Permalink

            Lixo de. Filho , tente conversar com seus pais , existe alguma dúvida no seu coração que eles não estão sofrendo por você ser essa pessoa tão ingrata ?

      • 09/05/2019 às 13:04
        Permalink

        Ola td bem?? Sei bem o que o voce esta dizendo! Eu tenho 41, filha de 41 anos, uma rebeldia apos meu divorcio, saiu de casa pra morar com pai, nao deu certo foi na casa da minha mae, completando 18 anos, me agrediu e no inicio deste ano veio me pressionando pra eu sair da minha casa, ou que pagasse aluguel pra ela, e entaoo muita pressao psicologica, decidi nao mais discutir, ela foi morar com o namorado, e estamos ha praticamente 45 dias sem uma procurar a outra. Fiz tanto por ela e hoje vejo ingratidão, muito dificil pra gente que é mae, ter um filho unico, sofremos sim! Hoje me faço de forte, mas quem sofre sou e minha mãe, pois é facil pessoas falarem ate mesmo dos nossos erros, mas como sempre pensei. O Amor a gente nao obriga deles, mas sim o respeito, ne! Caso precisar conversar estarei aqui, anote meu e-mail rosaponci@yahoo.com.br

        Responder
        • 09/05/2019 às 13:42
          Permalink

          Difícil mesmo. Deixe os ânimos acalmarem depois tente conversar com ela com paciência e amor. E, enquanto isso, fique tranquilo, feliz em saber que fez seu dever, que cumpriu seu dharma de mãe. Entenda que fez isso para Deus, e não para sua filha, nem para si mesmo. Ato feito, ato entregue. E a vida segue.

          Responder
          • 22/09/2019 às 10:09
            Permalink

            Pelo que vejo a maioria dos comentários são de mães de filhos únicos. Tambem sou filha única, hj com 38 anos me sinto presa por ter que cuidar da minha mãe que ja esta doente a muito tempo, meu pai também além de idoso tambem esta doente. Me lembro bem como eles eram super protectores. Na infância era ótimo mas quando adolescente me sentia sufocada, houve uma época que eu ja adulta não parava em casa, ja trabalhava e tinha um namorado, detestava ficar em casa e air com meus pais, pq fui obrigada a isso durante anos. Hj faço o que posso por eles, nao tenho condições de ajudar financeiramente mas meu tempo é de casa para p trabalho, do trabalho para casa, pq sei que é minha obrigação, mas me sinto péssima por nao ter minha vida, não poder fazer o que gosto, abrir mão de relacionamentos por não poder deixá-los. E ainda ver meu pai achar que o que faço é pouco, sempre dizendo que filhos não cuidam dis pais. Ele simplesmente nao enxerga que eu estou deixando de viver por causa deles. Tenho raiva e sou infeliz.

          • 24/09/2019 às 10:50
            Permalink

            Belas palavras amei valeu…

        • 12/09/2019 às 10:22
          Permalink

          Bom dia Rosa Maria, não saia da sua casa de jeito nenhum. Se for o unico imovel que vc tem o direito de moradia é todo seu

          Responder
          • 15/09/2020 às 00:59
            Permalink

            Eu tenho 2 filhos 1 de 10 e a outra de 4 anos brigam a todo momento nao tive um casamento nunca pode sair da minha casa pra viver um casamento por que tambem tenho que cuidar da minha mae que tem muitos problemas de saude mas tudo bem tenho um lugar pra morar com os meus filhos e a casa da família o problema que sou massacrada pela minha mae com ofensas com desprezo humilhacoes quase todos os dias da minha vida tenho um irmão mas o mérito e todo dele ela me julga por nao ter tido um casamento certo e de dinheiro agora minha vida esta sendo um inferno nessa casa com os meus filhos estou sendo pessima mae para eles nao aguento mais preciso de ajuda

          • 02/05/2020 às 22:11
            Permalink

            Concordo plenamente, minha mae criou 3 ela so olhava pra gente. o recado tava dado . hoje os pais por pena fazem de tudo . entregam a alma . e filho preciso de um nao. o carater de um crianca se molda ate os 5 anos. se conaeguir impor limites ai . muita coosa pode ser diferente. .Acordem pais . uma hora eles se arrependem podem passar anos . mais se arrependem . Foqiem em vcs. fechem as carteiras. acabem com as mamatas . e aprendam qie dizer nao e uma forma de dizer eu te amo. tbm . beijos e abracos

          • 11/05/2020 às 00:48
            Permalink

            Coitado dos filhos de voces, tenho pena. Deles e de vocês.
            Pobres de coração.
            Procurem terapia.

      • 12/05/2019 às 21:06
        Permalink

        Eu também abri e ainda abro mão de muita coisa por ele que tem 22 anos e eu 47. Coincidentemente após 15, 16 anos ele também foi piorando. Sempre fui amiga, filho único também. Toda vez que quer desabafar ele me chama. Mas quando chamo para ver um filme (uma vez por ano) ele diz que não é do interesse dele. Não quer fazer nada junto, nem de vez em quando. Até hoje ele não sabe o dia certo do meu aniversário!!! Me sinto muito triste.

        Responder
        • 02/01/2020 às 06:04
          Permalink

          Eu já sofri muito por causa dos meus pais, meu pai principalmente eu sou super grata por tudo que eles fizeram por mim, mais não consigo mais sentir amor por eles, não considero eles como meus pais faz tempo eu considero os meus avós, mas não eles, 2019 eu sofri muito pelas palavras ofensiva deles para mim principalmente meu pai, já me chamou de várias coisas, já falou que se arrepende por eu ter nascido, 2019 foi o pior ano da minha vida por mais que eles nunca deixaram de faltar nada pra mim mas ele joga na Minha cara sempre que pode eu tenho 15 anos como é difícil eu estava até começando em um início de uma depressão mais tudo deu certo eu não fiquei então me afasto dele sempre que eu posso não gosto de sair com ele me sinto
          desconfortável e estou e tento evitar ao máximo de chamar ele de pai pois eu não consigo mais.

          Responder
        • 15/10/2020 às 20:49
          Permalink

          Só tomar conta da própria vida, meu único filho tá problemático agora que tem um filho que não esperava… A ex namorada desequilíbrio e ele não quer filhos… daí desconta em mim, mas eu entendo ele, pois está cansado estou sem trabalhar 4 anos ele se vira pra cuidar da casa e depois tem pensão pra pagar na verdade quer ter a vida sem problema de antes eu trabalhando e ele curtindo, mas eu compreendo a tristeza dele… As vezes ele chora e chora está perdido, mas não quer meu conselho eu fico na minha…a vida pra mim é simples e pra ele complicada… Mas uma coisa posso falar filhos criados?! Eles que cuidem de si mesmos, ainda mais se for ingrato (a) arrume as malas e vai se aventurar pela vida pense você está só sem filhos com o mundo na sua frente vai curtir e viver que o tempo voa…

          Responder
      • 08/07/2019 às 05:47
        Permalink

        Eu tb estou passando.por isso estou acabada ,destruída nossa nunca imaginei viver o que estou vivendo
        Meu único filho minha vida!
        Uma tristeza sem fim!
        Lutei tanto por ele ,pra ele e hj tem 30 dias que saiu de casa e nem manda um oi .
        Muito triste

        Responder
        • 29/09/2019 às 20:00
          Permalink

          Triste mesmo passo por isso com meu fiilho preciso conversar que esteja passando pela mesma situação … meu filho me rejeita não liga pra saber como estou me despreza

          Responder
          • 21/10/2019 às 11:55
            Permalink

            Solange se quiser conversar eu passo até por pior situação no momento. Meu email é: mirandagoncales@yahoo.com.br
            Quem mais pode me enviar email…uma conversa sempre é bom.

          • 22/04/2020 às 18:56
            Permalink

            Eu também, tenho dois filhos adultos, quando crianças e adolescentes fiz das tripas ao coração. Um deles foi usuário de drogas e o pai na época só passou a mão na cabeça. Era agressivo comigo, a minha filha me dava bem até um tempo. Depois me separei, por que a convivência chegou a agressões de todos aspectos. E meu ex marido tinha amantes e tudo mais enquanto casado comigo. Nunca falei pra minha família, tento me reaproximar mas, está cada dia mais difícil. Hoje minha filha disse que não será uma mãe como eu.. Estou em prantos porque gostaria de reagir pois ela só me procura quando precisa. O pai mesmo eles sendo adultos dá todo suporte financeiro e me sinto um lixo! Não sei o que fazer para me aceitarem. As pessoas dizem para eu não os procurar mas, fico com o coração na mão. Mas, estou cansada de mendigar migalhas de atenção e amor. Preciso tomar vergonha na cara é seguir em frente, mas quando ela liga, acabo por cair mais uma vez e volta o sofrimento. Cansada de viver…

          • 08/06/2020 às 00:35
            Permalink

            Ser ignorada pelo nosso próprio filho é uma dor horrível. Choro. Não durmo. Já fui muito humilhada por ele. Me ajudem a superar essa dor.

          • 12/06/2020 às 10:44
            Permalink

            Olhe, amiga vou ser muito sincero consigo. Primeiro, eu sei que é mãe, mas tente ser menos sensivel. Quero dizer, ele estâ vivo e bem, não está? Portanto, já não necessita de cuidados como uma criança. Depis vem a parte da humilhação. Isso geralmente acontece com conflitos de opinião ou ideias. Respeite-o como adulto e as suas opiniões modernas. Não tente impor os seus padrões. Ele cresceu num mundo diferente do seu. Trate-o bem mas de-lhe espaço. Crie uma certa distancia, mas sem ressentimento. Vai ver que devagar e sem puxa saco ou drama, ele é que se vai apriximar de si.
            Não o culpe de nao telefonar todos os dias. Acredite que ele a ama e se preocupa consigo, mas como todos os filhos especialmente homens, não querem se sentir afogados. Se ele não telefona, faça-o você, mas não em horas inapropriadas. Não diga: – Nunca telefonas a saber de mim! Isso é faze-lo sentir-se culpado, e ele não vai telefonar nunca. Diga antes: Só uma chamada rápida para saber se está bem.
            Deixe a mentalidade de vitima e fortaleça-se, e limpe a culpa e o ressentimento do seu coração. Vai sentir-se mais leve.
            Desculpe se pareço duri, mas a realidade é dura e por vezes temos de ser estriros para viver bem. Um abraço forte de quem tem uma mãe como você, mas nos damos bem agora.

          • 18/07/2020 às 21:27
            Permalink

            Procure mais ele, ele precisa de atenção TB. Amor é igual planta precisa ser regada. Seja agradável, feliz, evite reclamar, ser chata, uma relação saudável…

        • 02/10/2019 às 12:40
          Permalink

          Carla, primeiro vc acalma seu coração e confia nas promessas de Deus . Os filhos adolescentes hj em dia estão muito focados no mundo ..tudo distrai.. não sabem o q é prioridade.. estão muito perdidos isso é geral. Quando ele estiver namorando firme principalmente depois de casar e ter filho s ele vai repensar como é bom ter uma família. Estamos passando momentos difíceis no mundo mas vc mande uma msg dizendo q está c sdd..q qd quiser ele pode aparecer ..sem sufocar a situação..e diz q vc o ama. Espera em Deus .

          Responder
          • 14/10/2020 às 18:57
            Permalink

            Melhor resposta ate agora

        • 16/10/2019 às 12:22
          Permalink

          E lindo tudo isso mas no meu caso meus filhos tem apenas 12 é outro de 11 eles me rejeitar como mãe e diz que a madrasta é a mãe sendo que eles estão 1ano é meio com ela é o pai deles fico muito triste com depressão queria até desisti da vida mas a pedagogia entrou na minha vida e estou aprendendo a lidar com minha dor de viver sem eles porque nós dia de visitas só da pra ver eles do portão eles nunca veio comigo eu apenas do abençoa sem abraço sem contato sem diálogo em fim e triste mas que procuro superar não vão ser criança pra sempre

          Responder
          • 09/12/2019 às 07:10
            Permalink

            Passo por uma situação bem parecida. Minha filha de 10 não quer me ver de jeito nenhum , prefere a Vó Paterna e morar com ela e com o pai. Agora nem de final de semana não quer vir mais , como pode um ser que geramos com tanto amor e carinho fazer isso .Dói demais mesmo eu estou passando os piores dias da minha vida que é ter que viver sem minha filha . Todo aquele amor de mãe não tenho como dar pra ela porque ela não quer .

        • 01/04/2020 às 12:31
          Permalink

          Eu também tenho um filho de 38 anos ,eu 61 e esse filho é como se eu não existisse , já faz quase 1 ano que ele não liga e se quer procura saber se preciso de alguma coisa ou não! Não preciso de nada material graças a Deus ,o quê me incomoda é o carinho ,o afeto que não existe ! É triste ,sempre ajudei ,sempre tratei bem ,mas tudo que faço é pouco! Cansei , agora já não ligo e nem procuro mais !

          Responder
        • 27/07/2020 às 23:36
          Permalink

          Sim sei bem oque é dor na alma, vou fazer 60 anos, sou viúva há mais de de 10anos tenho 5 filhos todos casados…no começo eu sentia a atenção de meus filhos o carinho…mas depois de um tempo, tudo mudou, eles se afastaram…quase não vem me ver, alguns nem ligação, sempre procurei não me me meter na vida deles, dou conselhos que não prejudiquem e que faça o bem, mas com o passar do tempo os filhos foram se afastando, minha saúde não é boa e por cima tenho depressão, oque piora com a falta de eles dar um telefonema…ou vir me visitar, percebo que a cada dia, estão se afastando mais e mais A dor na minha alma aumenta a cada dia, meus filhos que são meu mundo minha razão de viver não sinto que eles me amam mais, acho que me esqueceram! dor horrível na alma e que piora meu quadro de saúde.

          Responder
      • 07/08/2019 às 01:01
        Permalink

        Flávia, eu passo atualmente exatamente isso com minha filha, tem 15 anos, crio e cuido sozinha porque me separei com 2 anos, mas ela prefere ao pai, do que a mim que faço de um tudo, não entendo porque disso, mas vejo cada vez mais se afastando, sinto muita tristeza por isso, mas vejo q logo irá embora e não se importará comigo

        Responder
        • 20/08/2019 às 00:44
          Permalink

          Vivo um caso muito parecido, tenho 1 filha de 11 anos, me divorciei quando ela tinha 3 anos, a criei sozinha, como muitas de vocês, abdiquei de muitas coisas pela minha filha. Ela não gosta de mim, não me respeita, não tem um pingo de consideração e amor. Sei que quando ela puder vai embora morar com a família do pai. Família essa que nunca teve consideração por ela.

          Responder
          • 26/07/2020 às 22:09
            Permalink

            Passo por uma situação parecida, mas no caso foi morar com minha mãe por discussão com o meu esposo que é padrasto, combinamos dela vir pelo menos de final de semana para casa, já se passaram 1 mês e meio e ela não veio nenhum final de semana. Fico tão mal, coração dói, perco até a vontade de viver.

      • 10/10/2019 às 20:14
        Permalink

        Estoupassa do pir isso e o filho nem na doe ça ele apareceu
        Choro um chôro doido demais q me tira a vontade de viver
        Como vc tá conseguindo superar
        Gostaria de me esquecer q tive este filho q amei ta to cuidei e q agora nem responder uma pergunta
        Ñ acredito q ele tá.fazendo.isso comigo com o pai e o irmão

        Responder
      • 16/10/2019 às 03:47
        Permalink

        O que está acontecendo comigo! Minha filha tem 15 anos … e as coisas está piorando.. ela não tem um pingo de dó de mim, não se preocupa comigo, fala que a minha mãe podia ser a mãe dela… eu sinto que ela não gosta de mim! Minha irmã diz que é pq eu não sei criar.. dou de tudo pra ela, levo ela pra baixo e pra cima de carro.. compro de tudo .. tem o melhor iPhone, as melhores roupas… a partir de hoje vou mudar… não vou buscar mais ela na escola, parei de ficar comprando coisas para ela, não arrumo mais a cama dela… vou ser bem seca com ela.. se eu faço de tudo por ela, e ela não da valor as coisas vai mudar…

        Responder
        • 18/11/2019 às 02:46
          Permalink

          Pare de fazer tudo pela sua filha.
          Um dia qdo ela tiver a família dela ,vai pensar melhor,e se vier a ter,pq nesse temperamento em não valorizar as pessoas ,pode acabar sozinha.Não adianta ela vir perder,pra dar valor.
          Filhos hoje está muito difícil nos entender…pais.
          Eles só pensam neles,a maioria,querem baladas,dinheiro,o melhor celular,festas,bebidas,esquecem dos deveres, só querem o que acham que é direito.
          A geração de hoje nunca vai ter responsabilidade,pq muitos pais apoiam os erros dos filhos pra terem por perto,pq estão sem tempo pra eles.Assim como a tecnologia tirou os bons costumes antigamente

          Responder
      • 21/10/2019 às 20:27
        Permalink

        EU TENHO 55 ANOS MINHA FILHA 29 NAO SUPORTA NEM OLHAR PRA MIM DESDE SEMPRE, NEM ABRAÇO, NEM CARINHO, NEM FOTO JUNTAS, NEM BOM DIA, NEM BOA TARDE, QUER SABER ? QUE SE DANE. CANSEI. FIZ MINHA PARTE.ELA TEM UMA FILHA DE 8 ANOS JÁ ESTÁ BEM GRANDINHA.

        Responder
      • 22/12/2019 às 12:30
        Permalink

        oi Flavia, sou padrasto de um que me odeia, só que eu aprendi a despreza-lo também. sinto repudia por ele, sinto nojo de olhar na cara dele, mas minha esposa sofre com isso. E sinto que esse jeito dele, esta matando o nosso casamento, POR QUE: Vejo coisas erradas e não posso falar nada que ela logo se doi. Um dia estava passando a novela amor de mãe e passou uma cena da mãe pedindo a uma pessoa na rua para comprar óculos do filho, ela daria um dinheiro para pessoa que fizesse isso. comprasse um óculos para o filho que saiu da cadeia e foi vender óculos na rua. ai eu comentei que não se deve dar o peixe e sim o anzol para pescar. nossa foi a gota d´água. até hoje estamos brigados e ele se diverte.

        Responder
        • 15/01/2020 às 13:00
          Permalink

          No meu caso sou madrasta, cuido faço tudo por ela tem 9 anos , a mãe e uma pessoa ruim fica aqui em casa 3 vezes por semana, levo no pediatra, psicóloga, estudo pras provas e so mente para mim e para o pai dela, quando quer ir a casa dos avos paternos pq pode fazer oque bem quer la e não deixamos ela diz que nos odeia , fico pensando até a onde vai parar. E sim afeta meu casamento e meu bebe ela judia dele se eu não ficar de olho

          Responder
      • 25/02/2020 às 17:53
        Permalink

        Amiga, , hoje é uma situação por demais comum. Essa desamor de filhos para com os pais, que por vezes deixaram de viver com conforto para atender as necessidades do filho, acontecem SIM. É uma dor que dói lá na alma, especialmente quando o filho é único e você ás vezes não tem ninguém, foi adotado, querendo ter uma família… então aquele filho por si gerado, no seu coração considera uma dádiva: e fala para si mesma —- agora não estarei mais ´só, ele vai ser meu amigo, minha família. Muitas expectativas sobre aquele filho!!!!A vida passa, tu te desdobras e de repente, percebes que estás redondamente enganada!!!!! Aquele filho cresce e se torna indiferente a ti…aquela mãezona, fica invisível. Daí a grande decepção!!!! Eu considero a maior dor. Traição de marido, divórcio, não dói tanto, quanto a dor do DESAMOR causado por um filho. Para mim é a maior dor que existe. Aquele filho intocável, que não podemos nos aproximar, ter uma conversa…ele não deixa.

        Mas amiga, eu te falo , não te deixa abater ,procura desviar do FOCO.. Muda de canal. Procura algo na tua mente que te faz feliz e procura fazer, te dedica a isso, e assim tenho certeza que vai melhorar. Quando ele precisar de ti faz com AMOR, no entanto não anda a correr atrás dele.
        Uma prece diária por ele vai aliviar tua alma e contribuir para limpar tua alma dessa decepção — projeto que não deu certo— TER NO FILHO, TEU MAIOR AMIGO…..
        Deus que tudo vê está atento e sabe de tudo.. Outra coisa ::TUDO TEM SEU TEMPO.

        Responder
        • 11/04/2020 às 22:22
          Permalink

          Nossa ! Entrei aqui porque tbem me sinto muito triste com a situação do meu filho, ele renega a familia , e todos sofrem, aprendi que devemos procurar auxiliar pessoas carentes que não tem mãe, em algum trabalho voluntário. Jesus não disse que nossa familia é universal?
          Então todos são nossos filhos e mães e pais e irmãos. Vamos ao socorro do aflito que seremos de alguma forma aliviados em nossas dores, com a nossa mão na mão da Mãe Santissima e do Mestre Jesus. Força coragem e fé

          Responder
      • 02/03/2020 às 18:34
        Permalink

        Eu também tenho 53 anos e uma filha de 29 ela desde os 12 não ela gritava que me odiava eu tentei de todas as formas fiquei muito tempo fazendo tudo que ela queria perdia minhas folgas pra ir ajudar ela numas costura que ela queria aprender ela escolhe o presente que tenho que dá pro meu neto como se eu tivesse que pagar pra ter esse neto quando eu mais precisei ela ajudou mais ficava jogando na cara até que deixei pra ela o dinheiro que eu tinha emprestado que ela deveria pagar deixei pra pagar uma ajuda que ela me deu porque eu estava doente no final do ano depois de ter comprado um tênis de marca pro meu neto ela me humilhou em público num estacionamento ,daí pra cá eu decidi cortar tudo ela aprendeu costurar mais vendeu a maquina que eu ajudei comprar e jogava todas as reformas de roupas dela pra mim fazer nas folgas eu não descansava agora isso mudou ela né humilha me chama de louca quer que eu faça tratamento psicológico ,eu trabalho pago minhas contas não dependo dela ,vou viver minha vida e deixar ela pra lá já é adulta vou tentar viver porque com ela me humilhando é difícil

        Responder
      • 26/05/2020 às 13:33
        Permalink

        EU SOFRO ISSO TMB. TENHO 1 CASAL DE FILHOS QUE CRIEI SOZINHA . HJ OS 2 ME DESPREZAM, MORO SOZINHA TENHO 58 ANOS, MAS JA ESTOU ACOSTUMANDO COM A SITUAÇAO, PRETENDO APOSENTAR ME E IR PARA OUTRO ESTADO, POIS QUEM VIVE SOZINHA VIVE EM QUALQUER LUGAR E QUEM SABE ENCONTRO UM AMOR POR LA?? A VIDA QUE SEGUE JA SAO ADULTOS E NAO PRECISAM MAIS DOS MEUS CUIDADOS, SOMENTO EU ORO PARA Q
        UE A COLHEITA DELES NAO SEJA TAO AMARGA POIS SE EU COLHO HJ AMANHA ELES COLHERAM TMB

        Responder
      • 04/10/2020 às 11:09
        Permalink

        Que pena… como está agora? Só conheço uma saida: orar! Podemos conversar pelo zap se quiser minha querida. Eu senti sua tristeza muito forte. Fica com Deus!!!

        Responder
    • 05/08/2019 às 00:48
      Permalink

      Estou passando pela.mesma coisa que vc , só que o meu disse que eu e o pai somos cânceres em.sua vida, e i namorado estava esperando ele.la fora , foi embora foi parar na casa da minha sogra e não fala.mais conosco.

      Responder
    • 16/08/2019 às 12:59
      Permalink

      Bom dia , também vivo um dilema parecido com o seu e sei como é triste. Se quiser qualquer dia podemos nos falar.

      Responder
    • 22/08/2019 às 11:40
      Permalink

      Estou arrasada ! Minha mãe saiu da casa dos pais dela com 12 anos, do sertão para morar e trabalhar em casa de família aqui em SP, só Deus sabe o que ela deve ter passado … Por isso eu perdoou pelo fato de na minha infância ela ter por muitas vezes me colocado pra baixo, ter feito algumas coisas pelas quais ficaram muitas marcas … Meu pai trabalhava a noite e ela vamos dizer que não era lá um modelo de fidelidade e quando eu dizia que ia contar pra ele, ela me colocava pra dormir no banheiro, no chão frio … Lembro que chorava e jurava que ia me vingar, fui crescendo e logo comecei trabalhar pois ela me negava emprestar um secador de cabelo. Mas aí na adolescência nos tornamos muito próximas e aí engravidei da minha filha, com 17 anos, ela se tornou minha maior aliada, cuidou da minha filha, fazia tudo pra mim e pra ela, mas minha filha ainda bebê eu notava que ela tomava minha frente de tudo. Eu não tinha discernimento, portanto o fato da minha mãe não deixar eu cuidar da minha filha pra mim aos 18 anos era bom, claro que na época eu achava ótimo poder viver, viajar e sair com as amigas da minha idade. Sobre o pai dela, ainda na gravidez nós terminamos, o que foi ótimo pois ele já na época era uma pessoa que não pensava em futuro, não tinha responsabilidade nenhuma com o fato de ser pai, então pelo bem da minha filha eu optei por criar ela sózinha com ajuda dos meus pais. Ainda tão nova não deixava faltar nada pra ela, absolutamente, minha mãe não trabalhava, meu pai uma aposentadoria … Cheguei a vender minhas roupas, meus tênis… A ponto de não ter um calçado no inverno, pra não deixar faltar as fraldas, o leite e as coisinhas. Nunca tive relacionamentos bons, e a maior parte da minha vida fui solteira, mas sempre fui uma mãe presente . Sempre … Mas a minha mãe como eu havia dito, sempre tomava a minha frente, discutimos várias vezes por isso, mas aos poucos eu fui me convencendo que era um ciúmes bobo da minha parte. Só que agora faltando uma semana pra ela fazer 15 anos, depois de tanto tempo me sentindo desprezada por ela, pois com a vó é carinhos, abraço. Comigo é bom dia e tchau . Eu fui ficando triste, cada vez mais triste … Pois ela se tornou uma estranha, fria … Parece que sente nojo de mim, nesses últimos meses eu praticamente me abdiquei de tudo. Só saio pra trabalhar, pra ficar perto dela, mas ela não consegue ficar 10 minutos do meu lado, chamo pra sair nunca quer ir, até mesmo pra comprar um presente que ela tanto quer, a quase um mês atrás eu pensei comigo “vou fazer um teste”, não vou pedir um só beijo ou abraço. E venho caindo na real, parece que eu não existo. Ontem de manhã falei pra minha mãe que estava muito chateada e ela me disse que minha filha contou pra ela que não consegue gostar de mim, que já tentou mas não consegue. Eu percebi que ela não me quer por perto, mas se eu sair de casa e deixar ela com a minha mãe não tenho condições de bancar duas casas, já que aqui sou eu que pago as contas desde que meu pai foi embora. Pago um ótimo convênio médico pra ela, ontem chamei ela no meu quarto e dei um dinheiro bom para que ela fosse com as amigas no dia do aniversário em um restaurante famoso. Disse pra ela que que nunca deixarei as minhas obrigações de mãe, que tudo que ela precisar ou querer ela pode me pedir sem problemas nenhum, mas que não vou mais tentar me aproximar dela, pois todos os dias que eu tento é uma frustração e um sentimento de rejeição a mais e de certa forma eu sinto que acaba estressando ela … Ela ficou olhando pra minha cara, segurando o dinheiro com um tom de ironia, e aí pedi educadamente “agora por favor se retire do meu quarto”. Minha mãe seguirei tratando bem, e vou me esforçar pra perdoar mais essa também, pois ela tem parte nisso. Sempre senti que todas as falhas que ela teve comigo ela quis corrigir criando minha filha, mas ela nunca deixou eu ser a mãe de verdade, meu erro foi ter sido ingênua de não ter notado isso a tempo. Agora vou cuidar de mim, fazer as minhas coisas, tenho trauma de pensar em ter outro filho e passar de novo por isso. Minha filha já até por muitas vezes já me falou “mãe tenha outro filho pra você cuidar, beijar e abraçar, comigo não rola …”
      Penso que se tivesse outro filho não deixaria no colo da .minha mãe por mais de cinco minutos.
      Mas vida que segue, um dia talvez ela enxerga tudo isso … Eu sempre estarei esperando pois ela é a pessoa que mais amo no mundo. Hoje vou na reunião da escola dela, amanhã pagar o dentista e assim vou indo fazendo minha obrigação.

      Responder
      • 03/09/2019 às 22:33
        Permalink

        Quem me dera ter uma mãe com vc, a sua filha deve ter um problema ´só deve.
        Minha vó pegou eu para criar com 11 anos pois meu padrasto brigava com eu e minha irmã que é especia e tinha 14 anos, então minha vó vendo aquela situação direto não se aguentou e pego e minha irmã pra criar , e falou Rose se vc não termina com ele e arrumar sua vida as meninas vai ficar comigo é então eu tenho 16 anos já e ainda morou com minha vó pois minha mãe não arrumou a vida dela e ainda tá com aquele cara, que eu odeio muito e ultimamente eu tenho pensado saber esse carinho que eu tenho por minha é pra que? se ela não se importou de cuida de nos duas só se importar com traste o marido e o filhinho que ela tem um de 8 anos, então eu parece de me importa com ela de fica ligando, e minha vó já percebeu isso ela reclamou comigo por causa disso ,mais eu não suporto mais de fica sabendo que minha mãe é uma mulher que não tomar decisão de sua vida eu estou preste pra entra em uma depreção triste e dolorosa , pois até a minha tia que eu considerava como mãe não ligar mais pra me , ela chegou chamar eu de cobra em um certo dia que eu estava rebelde sendo que a cobra que mãe dela tá criando ajudava ela nas coisas da faculdade já ficou acordada fazendo relatorios pra ela pois ela trabalhava e chegava em casa cansada, é triste isso tudo e el pensar que eu esqueci isso que ela me falou , palavras machucar e muito .
        A eu tenho um pai sim, mais ele não se importa com eu,e eu parece de se importa com ele porque ele nunca deu ligança pra me , e eu não tenho amigos sério eu ainda não sei por tô NESSE MUNDO INFELIZ. Me desculpa ai eu acabei desabafando com isso tudo,

        Responder
      • 16/09/2019 às 03:56
        Permalink

        Queria q VC fosse minha mãe, n pelos presentes, dinheiro ou mimos, sabe eu tenho 22 anos, hj fui na casa da minha mãe, moro sozinho, meu gás acabou e fui comer almoçar lá, quando cheguei tava ela e minhas 3 irmãs, sou o mais velho, minha irmã mora com o marido dela na casa da minha irmã, tinha um cara lá tomando cerveja e logo DPS chegou o marido da minha irmã, minha mãe falou q n tinha MTA coisa pra comer, mais eu fui lá e me virei, fiquei me sentido mal pq tava um clima bem descontraído e eu tava Me sentido um intruso, isso MSM, na CAsa da minha mãe eu tava sentido q n era bem vindo. Ela me abandonou quando eu tinha 3 anos, cresci com meu avô, aos 15 vim pro rio pra conhecer minha mãe, sendo q as minhas irmãs ela mesma criou, ela chegou a me espulsar da casa dela e eu voltava até o dia q n voltei mais, as vezes vou na casa dela mais nem sinto q ela é minha mãe, ela é nova tem 39 anos, eu fui o primeiro da família a passar para a faculdade, pasmem universidade federal, minha irmã de 20 anos nem terminou o ensino médio mais minha mãe larga elogios a ela, ela tem 2 filhos com o marido dela e ambos moram na minha mãe como já falei, a outra tem 18 e a mais nova 8. Fico chateado pq quando ela ta no meio de pessoas adora se gabar q o filho dela, prazer eu, está na faculdade, pra mostrar q tem orgulho e tal, mas eu sou o único filho homem q ela tem, sabe eu queria q ela olhasse mais pra mim, pelo fato de ser o único filho homem q ela tem, ela n vai ter nora ou genra sei lá o nome certo pra isso, eu sou o único q vou dar a ela.

        Responder
        • 19/10/2019 às 18:08
          Permalink

          Quando você terminar a faculdade ela te procura pra você não deixar suas irmãs por ela no asilo! O mundo não gira ele capota! Não que você torça pra isso, mas o que planta colhe!! E você foque em você, não deixando de ama la, por que a gente não deixa de amar quando quer, mas quando é preciso!!!

          Responder
      • 04/10/2019 às 00:23
        Permalink

        Sinto sua dor, receba minha solidariedade. Olha, li todos os relatos. Sou mãe, tenho um filho de 05 anos. Ele só ama o pai, já falou várias grosserias, é nítido que ele não me ama. Vejo que ele até tenta, mas não é natural como para o pai. Sabe, acho que é espiritual, de outras vidas, eu acredito realmente nisso. Porque, olha meu exemplo: sou dona de casa, cuido do meu filho integralmente, eu dou banho, comida, levo pra escola, consultas, tudo eu…. qualquer criança só quer a mamãe, mas ele não. Eu não tive uma mãe para tomar a frente dos cuidados como você descreve, e ainda assim passo por essa tristeza. Acho que tenho um amor a ser construído com ele. E talvez vocÊ com sua filha, nosso esforço é para Deus, não podemos esperar gratidão, mas sim dói muito, claro que dói! Minha vizinha aqui do prédio quando me vê vem correndo pra me abraçar e me contar as atividades da escola dela, ela me adora, fico pensando que se tivesse uma outra filho(a) poderia receber esse amor, mas tb tenho trauma de me imaginar sem amor novamente. Enfim, se não recebemos carinho e amor, temos que ter paz de espírito ao nos deitarmos no travesseiro e fazer nossa parte. Deus sabe de todas as coisas.

        Responder
        • 24/01/2020 às 22:14
          Permalink

          Carolina, sou avó de um menino de 4 anos.. ele é louco pelo meu esposo que nem avô dele é.. comecei a deixar o ciumes de lado e observei que é o papel de homem que nossos maridos fazem pros filhos… nos somos cuidadosas e amamos ..mas isso não quer dizer que a criança não nos ama.. fiz um teste .. disse a ele (meu neto) que eu estava pensando em pegar uma criança da idade dele para criar e me amar e chamar de vó e me dar muitos beijos…e sabe qual a reação dele para minha surpresa? Ele gritou e disse não quero!!! Eu amo vc vovó, eu estava de trocando (enganando) kkklkkk
          Já com a mãe dele, não fui feliz, criei dei de tudo e ela resolveu passar os pés pelas mãos e ter o filho que joga nas minhas costas e eu amo tanto a criança que aceito… Ela vive me tratando mal e já até tentou vir revidar uma tapa que dei outro dia… muito triste essa situação.. as vezes me pego chorando com uma dor no coração e me perguntando onde foi que errei.. lutei tanto por ela… e hoje olha o que recebo…. lendo esses depoimentos chorei aqui me imaginando ….

          Responder
      • 18/10/2019 às 20:08
        Permalink

        queria uma mãe como voce o meu pai só reclama de tudo é minha cabeça doí logo vou sair de casa e trabalha em algum lugar

        Responder
      • 06/12/2019 às 04:53
        Permalink

        Meu Deus!!!!CAROLINA,você não merece nada disso!!!!!!Meu Deus,você se doa tanto para essa família,e sua filha é assim?Acabe com isso,ela é sua filha e não sua inimiga,e não saia de casa por isso não,você é mãe,e precisa ser tratadA como MÃE!Diga para a sua filha que ela tem apenas 15 anos,e que se continuar assim vai se tonar uma pessoa sem futuro,ingrata é horrível,diga;até você viver pelo meu teto terá que me respeitar!Se você acha que pode não gostar da sua própria mãe,sendo que ela faria tudo por você,você vai se tornar uma pessoa horrível!Assuma seu papel,é você que paga as contas e da duro,não ela,nem sua mãe que também não parece fazer muito bem para a sua filha!sou filha,e tenho 13 ANOS,nunca imaginaria tratar a minha mãe assim,saiba que você precisa falar que isso não existe,sou sua mãe,te carreguei por 9 meses,dou duro,faço de tudo!

        Responder
        • 25/01/2020 às 20:21
          Permalink

          Não, Ñ diga nada disso, acredite, sou filha tenho 15 anos e uma relação péssima com a minha mãe parecida, e a última coisa q nós queremos ouvir é isso, só afasta, essa autoridade e superioridade em cima de nós é horrível, e é exatamente isso q minha mãe ñ entende, Ñ façam isso q ela disse, querem se aproximar das suas filhas!? Façam o seguinte, vou deixar mt claro q presentes e mimos é mt bom sim, mas eu trocaria tudo isso por COMPREENSÃO, uma mãe de vdd, Ñ uma máquina de fazer dinheiro, começa por aí, saber compreender é a melhor coisa q vcs vão poder fazer pros filhos de vcs, ñ deem broncas desnecessárias, tentem resolver as coisas em uma conversa ñ mt longa mas direto ao assunto, 15 minutos no máximo, Ñ briguem com seus filhos por besteiras, seus filhos estão em uma fase de adolescência q eu diria ser a melhor fase da vida, mts coisas acontecem nessa fase, e vcs tem q entender e compreender isso e principalmente estar lá quando eles precisarem, pq como eu disse mts coisas acontecem nessa fase, ent é mt necessário a sua compreensão mais do q nunca, outra coisa, Ñ sejam força, ñ forcem nada com seus filhos q eles ñ queiram, Ñ obriguem eles a fazer algo q ñ queiram, isso se torna mttt ruim, gera mt desgosto pelas mães, ngm gosta de ser obrigado a nada, outra coisa sejam liberais, ñ 100% é claro, mas tentem compreender q são adolescentes e precisam dessa liberdade, se é algo q ñ é perigoso, ñ tem nenhum compromisso no dia, todos os amiguinhos vão, ñ tem motivo pra ñ deixar, Ñ façam isso só de birra ou por preocupação excessiva, e principalmente se seu filho insistir ñ comece a gritar com ele dizendo q ñ vai e pronto, isso gera o afastamento e o nojo q vem com as broncas excessivas e sem motivo, Ñ sejam esse tipo de mãe pfvr, liberem, eu entendo a preocupação de vcs, são mães e na época de vcs ñ era assim, mas os tempos mudaram, tentem entender q seus filhos ñ vão ser iguais a vcs, eles são outras pessoas, tem outras características, outros amigos e outros gostos, Ñ os reprimam por isso, tentem entender o mundo de hj, ent acho q a palavra-chave q deve ser colocada aqui pra se construir uma boa relação com seus filhos é C O M P R E E N S Ã O, quando vc compreender q seu filho ñ é q nem vc e q o mundo ñ é mais como era antes, Vc vai conseguir construir uma relação com ele mt mais saudável e amigável do q antes, vai por mim, isso muda tudo, seus filhos vão querer e ter gosto de ficar perto de vcs, pq ñ vão lhe ver só como mãe, mas agr como amiga tbm, pq vcs acham q mts vezes eles só querem ir ao cinema com os amigos do q com vcs por exemplo?, pq a diversão se torna melhor com eles, pq tem uma compreensão, os amigos são todos mt parecidos, Ñ há brigas, seu amigo ñ vira pra vc e briga contigo pq vc falou um palavrão por exemplo, eles se entendem e se divertem com isso, pq sabem q ñ passa de uma brincadeira, tentem compreender o mundo de hj e a vida social de hj, e ñ brigar por bobagens q ñ eram cometidas na sua época, os tempos mudaram, entendam as necessidades e os gostos dos seus filhos sem se preocuparem demais com isso, procurem conhecer seus filhos antes de julgar qualquer coisa deles ou de ter qualquer preocupação exagerada, sou uma filha de 15 anos e se minha mãe fizesse tudo isso q eu citei eu era capaz de ama-la com todas as minhas forças, com todo o meu coração e com todo o amor do mundo e ñ de odia-la, ent vai por mim, eu entendo as suas filhas, tentem entender a gente, se seguirem meus conselhos podem ter crtz q vão conseguir a relação q sempre sonharam, e lembrem-se smp a palavra-chave é compreensão, espero q consigam de vdd, bj.

          Responder
          • 02/02/2020 às 18:30
            Permalink

            Sabe o que falta para os adolescentes de hoje? Responsabilidade, respeito e vergonha na cara. Os pais são pessoas com sentimentos também, a maioria das mães se desdobram pra satisfazer aos caprichos dos filhos, que em sua maioria são sem noção, se acham no direito de exigir tudo sem dar nada em troca. Vcs são adolescentes, desde que mundo é mundo existem, não são uma raça em extinção. Se querem respeito, respeitem primeiro. Se não estão feliz com seus pais, se virem e vão morar sozinho, pagar suas contas. Não usem pretextos para serem idiotas, com 15 anos eu ajudava em casa. Parem de ser parasitas sentimentais e se responsabilizem pela própria felicidade. Seus pais também cometem erros, mas isso não é motivo para serem massacrados pir filhos que se acham no direito de exigir tudo sem dar nada em troca. Acorda juventude.

      • 18/03/2020 às 05:12
        Permalink

        Li sua história , e me vi , tenho uma única filha de 11 anos , hoje passo mais ou menos pela mesma situação ….. sentimento de frustração e desprezo essa seria o encaixe perfeito em que eu Vivo hoje .

        Responder
    • 04/11/2019 às 18:03
      Permalink

      Estou passando pela mesma situação. Minha filha tem 17 anos e ñ consigo ver nela, o interesse de ter uma mãe. To cansada, fadigada, triste, etc.
      Abdiquei tudo por eles e crio sozinha

      Responder
    • 06/12/2019 às 04:42
      Permalink

      Maria,não pense que a culpa é sua por ele ser assim,mas acho que você deveria seguir sua vida,,você fez tudo que podia para ele se tornar uma pessoa melhor,e não merece implorar por atenção do seu próprio filho,você merece ser amada por dar tanta atenção à ele!Nao fique triste ou preocupada,ele vai se arrepender,e perceber quanta a falta você faz,e se isso não acontecer é porque o melhor pra você,é viver com alguém que te respeite,e te dê o amor que você merece!

      Responder
    • 18/12/2019 às 01:26
      Permalink

      so o fato dele ter um namorado ja diz tudo que este merda eh..um miseravel condenado ao inferno

      Responder
    • 31/12/2019 às 20:27
      Permalink

      Vc ainda cuida dele? Dá dinheiro? Lava roupas? Então vc não tem amor próprio. Se ame, depois o mundo vai te amar tb.

      Responder
    • 27/02/2020 às 03:51
      Permalink

      Oi eu também tenho um filho de 28 anos eu estou com 48 anos estou sofrendo muito sempre chorando fico doente não aceito a rejeição meu filho alugou um apartamento não posso entrar lá e ele só fala comigo escondido a namorada e a sogra dele diz pra ele não deixar eu ir no apartamento dele Ele também não me quer lá fica difícil nós moramos no mesmo prédio quando passo por eles fingem não me conhecer e depois ele me liga reclamando porquê tive que passar por eles tá muito chato

      Responder
      • 05/09/2020 às 22:48
        Permalink

        Que pena Geovane. E eu querendo que meus filhos tivessem um pouquinho desse carinho que vc tem pela sua mãe. Pois sou mais uma dessas tantas outras mães que li aqui, onde depois de ter feito tanto por eles, tanto material, emocional, ter dado todo carinho do mundo, sozinha, depois de um divórcio onde o pai nunca deu nada, nem sequer um carinho, uma mensagem de aniversário, ou uma presença numa reunião de pais da escola. Eu trabalhando prá dar o necessário prá eles, e meu tempo livre prá toda atenção que necessitaram. Nem quando o mais velho operou, nem uma mensagem do pai nem da família paterna. Hoje, eles com 22 e 21 anos, ficam meses sem nem me enviar uma mensagem. Só quando eu envio, porque de vez em quando ainda envio e digo que os amo e que eles podem contar comigo como mãe se precisarem. Por orientação psicológica não fico correndo atrás, só envio uma mensagem de tempos em tempos para me reafirmar meu amor de mãe que sempre terei. Eles procuram sim a família do pai, quem nunca nem perguntou por eles, se estavam bem ou não. Complicado prá entender. Embora fique uma ferida aberta no coração e não sendo fácil, tento seguir a vida. Te desejo muito sucesso na sua vida, mas sobretudo, o mais importante, muito amor. Que sejas ainda muito feliz nessa vida.

        Responder
      • 05/09/2020 às 22:56
        Permalink

        Força Tania, ame-se. E vamos continuar com esperança mesmo na dor. Entrei aqui e fiquei pasmada quando vi tantas e tantas mães passando pelo mesmo que eu, que vc.
        Também estou tentando continuar levando minha vida. Faltando um pedaço no coração, mas vivendo.
        Um abraço carinhoso e seja forte.

        Responder
    • 01/08/2020 às 12:44
      Permalink

      Sinto no seu comentario um certo rancor contra o seu filho.
      Talvez não aprovar o estilo de vida dele, ou algo que ele se sentiu desprezado ou desrespeitado em um ponto importante da sua vida, e você não esteve lá.
      Não desespere. Pense se realmente se quer se achegar a ele, tendo em conta que vai ter que aceitar coisas que talvez não goste. Mas quando você ama um filho, tem que amar com qualidades, mas tambem com defeitos.
      Se for para ir em frente, comece com gestos pequenos e com muita paciencia.
      Você não pode esperar que anos de erros possam ser concertados de um dia pars o outro.
      Você já viu que conversas e palavras nâo vão longe, porque para ele, esse tempo ja passou.
      Agora vai ter que mostrar a sua posição com gestos e ações mesmo.
      Um docinho aqui, e um docinho ali, E não me refiro a docinhos decomer, embora também os possa usar. Mostre que o entende e está do seu lado, e não contra ele. Vai demorar, mas a sua paciencia e leve dedicação – não puxe a barra – podem ser as armas derradeiras para reconstruir a sua relação com ele. Outra arma é tratar a pessoa mais importante para ele muito bem.
      Boa sorte.

      Responder
  • 04/05/2019 às 18:22
    Permalink

    Sei bem o que é isso, tenho um filho de 19 anos que adotei quando ele tinha 9 anos…ele tem um coração bom, mais nao aprendeu a lidar com as frustrações, então ele acha que sou obrigada a dar de tudo (material), para ele, e quando falo não, ele diz que sou a pior mãe que ele podia ter… depois ele do nada vem diz que me ama, mais é inevitável eu tentar aconselhar , isso já é o suficiente para as brigas começarem, para ele me agredir verbalmente, e dizer que só não foi embora pq ainda não tem condições de se manter.
    É bem difícil, pq sei que ele é um bom garoto, mais foi muito rejeitado, e acrefito que não saiba lidar com o amor… para ele eu só devia falar sim pra tudo que ele quer é na hora que ele quer.. tenho muito medo de ver ele sofrer na vida por ser assim…como é difícil ser mãe..

    Responder
    • 04/05/2019 às 21:20
      Permalink

      Você é um anjo por ter adotado. Deus sabe o que fez e seu mérito não precisa da compreensão dele. Fique feliz em seu esforço e doação linda.

      Responder
  • 12/05/2019 às 02:58
    Permalink

    Deus é muito maior e foi quem me segurou até aqui!!

    A infância e adolescência sendo humilhada, minha mae fazia de tudo para eu pensar que era menos que os outros!

    Nunca participou de nada na minha vida e continua sem querer participar! Nem na vida do neto está interessada!

    Dentro de mim surge um rancor e uma tristeza! Aí vem dizer que eu quero brigar! Não eu não quero brigar eu só queria um pouquinho mais de participação, de atenção na minha vida! As pessoas acham que eu não tenho família, além de meu pai não ter me assumido, tenho uma mãe que não faz e nunca fez o mínimo esforço para agradar a filha ou o neto, e pasme a única filha e o único neto! Choro de dor no meu coração, mendigando um amor!! Tento entender, ser resiliente e compreensiva, mas as vezes não consigo! Me ajuda meu Deus a não ser assim com o meu filho, meu único filho que eu adotei quando tinha 11 meses de vida e é o bem mais precioso que eu tenho!!

    Responder
    • 12/05/2019 às 08:50
      Permalink

      Você precisa largar essa dor. Deixa fluir. Já foi. Deixa sua mãe e seu pai carregar o peso do erro deles, você é inocente. Não foi nada pessoal. Não foi algo contra você. Simplesmente eles são seres ainda em evolução, travados, que não souberam viver seu dharma pessoal. Você precisa perdoar, largar e jogar fora esse lixo tóxico.

      Responder
      • 26/08/2019 às 19:24
        Permalink

        Exatamente! Quando desapegamos tudo fica melhor.

        Cuide de você. Estamos aqui no mundo para nos curar.

        Olhe por você.

        Responder
      • 20/09/2019 às 14:30
        Permalink

        Tenho um filho de 16 anos criei sozinha com a ajuda de minha mãe e meus irmãos na minha familia não tem ninguém bandido ou qualquer coisa do genero já meu filho está entrando para a vida errada queria até sair de casa para ir morar com pessoas de má índole já conversamos oferecemos ajuda de todas as formas hoje a minha vida é chorar a todo momento estou ao ponto de deixar ele partir .. ele está muito iludindo não sei o que falar o que fazer para segurar ele em casaa tristeza está mim consumindo

        Responder
    • 28/07/2019 às 16:04
      Permalink

      Gente, precisamos entender que, o outro(pai, mãe, filho…) tem suas dificuldades, decepções, frustrações….
      Então façamos nossa parte ajudando e servindo a todos sempre e agradeçamos a Deus pela possibilidade de poder ajudar e servir, sem esperar a recompensa no outro, só em Deus e este nos enviará a solução e remédio para tudo….
      A vida é assim linda e passageira com seus altos e baixos…
      Faça o outro feliz e será feliz, mas nunca espere recompensa.

      Responder
  • 12/05/2019 às 15:28
    Permalink

    Eu tenho um filho de 15 e acabei de ter uma filha(tem 11 meses). Eu sempre me esforcei para nao faltar nada em casa e sempre cobrei do meu filho que se esforçasse para q não passasse as dificuldades que tive (humilhações, desemprego, fome, etc). Ajudava nos estudos, nos treinos, em tudo. Desde o maternal eu que cuidava dos seus estudos, ia em reunioes de pais, fazia matriculas, de tudo. Minha esposa nunca ia em escolas, não resolvia nada de burocratico. E essas cobrancas de minha parte fez com que meu filho se afastasse de mim, ao ponto de me odiar, eu sinto isso. Eu choro, ele passa por mim e nada fala. Meu semblante so carrega tristeza. Me sinto desprezado. Com o nascimento de minha filha,o que era pra trazer alegria, meu relacionamento com minha esposa piorou. Ela me trata como criança me corrigindo o tempo todo e trata este filho de 15 anos tão bem que me dar inveja.

    Responder
    • 28/07/2019 às 16:10
      Permalink

      As mulheres têm uma vida difícil, pois desejam consertar o mundo e acham que tem o dever de corrigir o esposo também, melhor sentar com sua esposa e dizer como está se sentindo, afinal família tem dessas coisas. Procure entendê-la, pois estamos nesta vida para ajudar e ser ajudado.

      Responder
  • 17/05/2019 às 00:26
    Permalink

    Complicado minha filha hoje tem 24 anos sempre fui mãe amiga ela estudou se formou tinha .namorado super batalhador.do nada.se.apaixonou por .drogado e resolveu ir e ficar com ele.!! Largou o namorado que tinha quase matou a família por defender .cara de 32 anos que não trabalha e ainda ela que banca tudo !! Tentamos Mostar pra ela o quanto ele.nao.presta mais infelismente só ganhamos.ingratidao.!! Hoje faz dois meses que não a vejo !! Só peço a Deus que de sabedoria a ela pois cansa tentar mostrar o errado para um
    Filho e ele.nao.querer ver !!

    Responder
    • 17/05/2019 às 19:05
      Permalink

      Difícil mesmo. Perdem a noção. Tive uma amiga numa situação idêntica. A menina foi morar com um traficante. Mas depois retomou o juízo e está tudo bem agora.

      Responder
      • 26/02/2020 às 22:31
        Permalink

        Eu tenho um filho único .sempre trabalhei muito .deichei ele com minha mãe para trabalhar .na capital nunca deichei faltar nada para ele.fui doméstica passei por tanta humilhação. Para criar ele hoje .ele fala que não gosta de mim ele tem 38 anos .já não sei mais que fazer .hoje ele mora com migo . Não vejo um pingo de amor da parte dele com migo eu fui pai e mãe dele .sinto muito triste por isso .mais eu tenho uma grande tristeza .

        Responder
    • 10/10/2019 às 20:18
      Permalink

      Poderia criar um espaço pra paiz abadonados por filhos e de adolecentes solitários por sofrer preconceito de ser cristão

      Responder
  • 08/06/2019 às 00:35
    Permalink

    Sofri negligência emocional dos meus genitores a vida inteira. Nunca me abraçaram, nem perguntaram como eu estava, mesmo morando sob o mesmo teto. Vivia para estudar, chorar escondido e sonhar com um príncipe que iria me amar um dia. Era desqualificada por minha mãe o tempo todo, eu era o bode expiatório escolhido. Acabei me tornando uma pessoa muito impaciente.
    Quando, por motivos de trabalho, já adulta, fui morar em outra cidade, nunca me ligaram. Eu que os visitava para que não esquecessem de mim. Até entender tudo.
    Já há anos não sei mais deles. Optei pelo contato zero. Não precisei nem me esforçar.
    A negligência afetiva é marca para vida inteira, mesmo após uma década em terapia. Hoje sou para eles o que eles foram para mim: se precisar de cuidados na velhice, mandarei dinheiro porque a lei me obriga, assim como eles fizeram comigo. Não é vingança. É que estar longe e sem contato dói menos.
    Já na meia idade, apesar de ter amado muito, não encontrei o tal príncipe. Pelo contrário, os homens que conheci me trataram como meu pai fazia: desprezo. Foi o que aprendi e acabei atraindo. Então , desisti deles.
    Meu foco hoje é aprender a me amar, coisa que ninguém nunca fez por mim. É muito difícil. A grande frustração que levarei para o caixão é nunca ter sido amada. Mas, Deus sabe de tudo.

    Responder
  • 12/06/2019 às 04:13
    Permalink

    Eu tenho 24 anos, um pai de 55 anos. Fui praticamente criada por minha mae, que sozinha cuidava de mim e dos meus dois irmaos. Meu pai, trabalhava longe nunca nos deu atencao, pouco demonstrava afeto, ficava quase um ano fora, traìa muito minha mae, o casamento deles foi um fracassso. Cresci, ja tendo toda essa familia desistruturada, de muita briga, de traiçoes e de dificuldades. Se separaram quando ru tinha 15 anos, nada mudou. Ele continou ausente, sempre que havia um problema ele fugia, aparecia algumas vezes, ligava, mas nao foi participativo em nada.
    Com 22 perdi minha mae para o cancer, ele foi aparecer 4 meses depois. Hoje sou mae, gravida de 8 meses … Ele continua fazendo o mesmo, as vezes aparece, nao participa de nada, nao ajuda em nada mas nas redes sociais quer mostrar amor e preocupacao que nao tem na realidade. Me pergunto se serei injusta em nao querer esse “pai” perto da minha filha. Nao queria que ela se decepcionasse um dia com o avô assim como muito ja me decepcionei. Tentei relevar, tentei esquecer, impossivel. O meu amor ele nao resgatou, ele nao procurou recuperar e na vida adulta so sobraram magoas, rancor, vontade de querer longe.

    Responder
    • 12/06/2019 às 09:26
      Permalink

      Eu acho que você tem todo o direito de não querer ele por perto. Ao mesmo tempo, pode considerar que é melhor um pai (ou avô) quase zero do que pai (avô) nenhum.

      Responder
  • 17/06/2019 às 01:44
    Permalink

    Ser mãe é uma grande decepção. Dedicação exclusiva por 30 anos tanto carinho e amor.
    E aí chega com o namorado que conhece há 3 3 meses e os 30 anos de dedicação são ingratamente esquecidos. Neste momento a mãe não existe mais… triste passar por isto.,

    Responder
    • 28/11/2019 às 08:58
      Permalink

      Vc não está sozinha … é triste mas parece q virou moda ingratidão .

      Responder
  • 24/06/2019 às 02:15
    Permalink

    Olá.Nao sou pai,pelo menos nao biologico e nos últimos dias percebi q não sou tbm o pai de criação.Fui criado numa família completamente desestruturada,minha mãe adúltera saiu de casa e eu fiquei com meu pai que era o cara que me dava todo carinho atenção e amor q ele podia e q eu precisava,mas ele morreu quando eu fiz 11 anos e fui morar com minha avó materna.Nunca tive demonstrações de carinho onde fui criado,não havia afeto só aquele conceito de amor baseado na obrigação de fazer por vc o que tenho q fazer.Eu diferente de meu irmão ou primos que endureceram com as circunstâncias era muito carente de um abraço,de um carinho ou simplesmente um eu beijo na testa na hora de dormir,eu tinha isso com meu pai mas a família da minha mãe nunca soube demonstrar carinho uns pelos outros,são secos e rispidos do tipo:”Eu te amo sim,cala a boca e vai dormir.Deixa de ser fresco.”
    Eu cresci jurando pra mim mesmo q quando tivesse minha família,eu seria o melhor marido,o melhor pai,o melhor.Eu faria com q eles soubessem q eu os amo,q me importo e q isso nao e por que sou obrigado mas pq eu amo amar minha familia.Eu veria um filme com meu filho ou filha,ajudaria com a tarefa de casa sem q ele implicasse, eu perguntaria se precisa de ajuda,eu iria dizer sempre q possível EU TE AMO,eu faria cafuné pra ele ou ela dormir e depois levaria pra cama cobriria daria um beijo e diria outra vez q o amo.Eu iria brincar com meus filhos.Jogar,correr,gritar sorrir,faria por eles o que eu tanto queria e nunca tive,eu seria pra meus filhos o pai que Deus tirou de mim aos 11 anos.Mas Deus não permitiu,por alguma razão eu sou estéril.Mas me casei com uma mulher que tinha uma filhinha de 2 anos e fui pra ela o que eu sempre quis ser pra um filho.Fui pai dela,e apesar de nunca ter tido a pretensão e nem tenha tentado substituir o pai biológico dela uma vez q ela tinha contacto com ele eu fui o pai dela.
    Eu amei,dei o carinho q eu nunca recebi,a atenção os abraços, vi os filmes e joguei os jogos que ela queria,fui pra ela o que eu sonhava em ter quando criança.Hoje ela tem 13 anos e mal me da bom dia,não diz pra seus amiguinhos quem sou eu,e vive dizendo que gosta de mim sim mas q não quer que eu faça “tanta parte da vida dela mais”.Ela falando de mim “do meu lado” com um amigo se referiu a mim como “O OUTO AI”.Sei q ela tá crescendo mas não acho q isso seria motivo pra deixar de me amar,afinal eu nunca me meti nas coisas dela ou na privacidade dela,apenas estava sempre disponível,pra o q ela precisasse.Pra lavar e escovar o cabelo uma vez q a mãe não tinha paciência pra fazê-lo,fazer a sobrancelha pra ir a escola,Traz máscara de limpeza da barbearia pra fazer em mim está saindo espinhas no meu rosto!
    Claro minha filha,eu trago sim,ajudar com o dever de casa,estudar para as provas,fazer capa de seus trabalhos,em fim,meu tempo e força vital era dela e da mãe dela.E agora ela simplesmente diz q não me quer quer por perto,EU CRESCI ELA DIZ.Eu estou triste de uma maneira q tenho sentido pena de mim mesmo,e saber q eu não sou o pai dela agrava isso.Todos me diziam que quando ela crescrescesse iria me dizer isso.VC NAO E MEU PAI.E de fato ela disse,me disse isso ontem,eu estou sim arrasado,e por um só motivo,eu a amo,como se tivesse saído de mim,mesmo q ela não me veja como pai nem mesmo de criação e hoje eu tenha me transformado apenas no OUTRO AI,ela ainda é minha filha de coração e eu não consigo deixar de ama-lá.Ela não me quer por perto e eu não sei por que,perguntei junto com a mae dela o que eu fiz._Me diz pra q eu saiba e quem sabe possa corrigir o que te fez ficar com raiva de mim. Ela diz:NADA,EU SO NAO QUERO ESSA MELACAO .Mas pra isso ela resolveu me transformar NO OUTRO AÍ e me tratar com uma indiferença que doi nos meus ossos.Nao sei como devo proceder,estamos pensando em divórcio. Quando se é pai deve ser difícil, mas quando vc não é o pai e simplesmente assumiu essa posição e depois de anos percebe q vc sempre foi irrelevante,que todo carinho e atenção q vc dedicou a essa criança pra ela sempre foi só “melacao” e q em todos esses anos se dedicando a ela vc conseguiu chegar ao título de O OUTRO AI nada mais q isso,vc fica sem vontade de ser isso pra quem quer que seja,o mundo moderno não suporta mais gente sensível, amável e que demonstra carinho seja lá como for,ao menos é o que me parece nesse momento.Eu amo minha esposa,e amo minha filha,ou melhor, a filha dela.Mas não vejo outra saida que não sair da vida das duas.Pra tentar preservar a relação delas e tbm pra preservar a minha integridade emocional.Eu sempre fui emotivo de mais,carente de mais,em fim,sempre fui o que os jovens de hoje chamam de UM BOSTA.E agora resolvi que vou “feder” sozinho por aí sem enjoar mais ninguém com minha melacao.Em fim,a dica aqui seria:Não demonstre carinho por seus filhos ou enteados,eles odeiam isso.

    Responder
    • 25/06/2019 às 15:51
      Permalink

      Não fique triste. Sempre que depositamos nossa felicidade na ação dos outros, vamos nos decepcionar. Isso é uma ilusão. Foco na sua ação. Extraia felicidade em ter sido um bom pai, em ser um bom pai, apesar de qualquer provação. Fique feliz em sua ação.

      Responder
    • 18/10/2019 às 20:24
      Permalink

      queria uma pai como voce o meu pai só reclama de tudo é minha cabeça doí logo vou sair de casa e trabalha em algum lugar

      Responder
    • 23/10/2019 às 04:28
      Permalink

      Eu tenho 16 anos. Meu pai me ama muito, porém eu não consigo retribuir com mesma intensidade, com ele sou muito calado e faço pouco caso dele. Apesar de tudo ele me ama. Eu percebi que isso em mim não é normal e estou buscando mudar. O amor que ele dá merece ser retribuído. Eu vou dar o meu máximo até que todo sentimento ruim se esvair de mim e eu possa amar ele da mesma forma. Deus vai tirar tudo de ruim em mim, eu creio.

      *n se sei enviou

      Responder
    • 21/11/2019 às 14:48
      Permalink

      Estou vendo muitos comentário e uma coisa que ajuda MUITO é estudar constelação familiar. Sua filha tem 12 para 13 anos certo. Na adolescência é normal os filhos se afatarem dos pais em busca da sua independência, e no caso das meninas e meninos com o despertar dos hormônios há um afatamento natural dos pais até como uma forma de proteção. A Constelação Familiar, uma teoria filosofica terapuetica descoberta pelo alemão Bert Hellinger, explica que as meninas nessa idade começam a brigar e se afastar dos pais e o filhos das mães, até mesmo entrando em atritos sérios como uma forma insconsciente de para bloquear uma possível atração sexual (que se acontece gera os complexos de édipo – filho que se apaixona pela mãe – e eléctra – filhas que se apaixonam pelos pais).

      Essas “crises” entre pais e filhos se intensificam sobremaneira a partir da pré-adolescencia. TODA criança passa pelo afastamento e a procura do mundo, dos amigos, dos parceitos romanticos pois nessa idade é que começam a se ver como indivíduos em busca de sua identidade própria e NÃO de ser o que os pais querem que elas sejam. Não tem como evitar. Se não há o afastamento aí é que há algo errado.

      Filhos são criados para o mundo. Até a Biblia e outras vertentes religiosas falam que o homem e a mulher deixam seu pai e sua mãe para se juntarem um ao outro. Eles devem horá-los, mas não ficar pra semre debaixo de suas asas. E esse processo de sair do ninho começa da adolescência. Os pais precisam aceitar que, assim como eles se afastaram dos seus próprios pais, seu filhos farão o mesmo porque faz parte da VIDA e que cada criança é ÚNICA e que não vai ser o que eles planejaram, mas sim o que eles querem ser.

      Responder
  • 29/06/2019 às 04:01
    Permalink

    Quer ser minha mãe?minha mãe nem liga pra mim,eu imploro atenção,eu queria tanto ter uma mae como você,seu filho é um ingrato,vai um abraço meu aí pra você mãezinha carente,de uma filha carente!!!!forte abraço beijos em seu coração!

    Responder
  • 29/06/2019 às 13:03
    Permalink

    Olá ! Bom dia .. também sou mãe e vivo a mesma tristeza que muitas outras mães .. as vzs a dor é tão grande q minha vontade é desaparecer ..

    Responder
  • 02/07/2019 às 16:58
    Permalink

    tenho dis filhos, um de cada marido. a minha flha ea minha maior amiga ate passar em um concurso publico e encontrar o amor da vida dela,ela diz que a vida dela e mais leve sem a minha presenca, larguei tudo, marido,casa, por amor a ela ja que meu ex pai do meu filho usou de abuso com ela sem toque, e ela no momentode raiva dise que tinha pena de mim poismeu homem desejou ela, dei uns tapas na cara dela, e ela saiu de casa e ha 10 anos na fala comigo. MEU FILHO RESOLVEU COPIA LA, POREM NAO TEM ESTABILIDADE FINANCEIRA,MORA NUMA MEIA AGUA QUE E DA MINHA FAMILIA, MAS NAO FALA COMIGO E COM MEUS IRMAOS QUE SAO TIOS DELE.RESOLVI VIVER MINHA VIDA EM ORACAO POR MIM E POR ELE ESPERANDOO AGIR DE DEUS

    Responder
  • 05/07/2019 às 13:52
    Permalink

    Fui mãe aos 17 anos, aos 23 já tinha duas meninas e um menino, meu ex me deixou com eles todos pequenos, criei sozinha com ajuda de Deus e amigos, passei necessidades, tiver depressão profunda, que carrego até hoje com 50 anos, transtorno de ansiedade,formei dois filhos, duas casadas, mas há um ano minha filha do meio deixou de me procurar, mesmo sabendo que seu irmão é agressivo comigo, na formatura dela ele se recusou bater foto comigo, porque disse que estava feia, para ele família só a irmã, que é engenheira e ele também, vai casar e nem me convidou, a noiva nem anda na minha casa, minha primogênita se afastou de todos, nem um dos dois nunca andaram na casa dela, fiz de tudo para ter uma família unida, ensinei a Bíblia para eles desde do ventre, levava os três para reuniões bíblicas, mas infelizmente esqueceram tudo,só me resta lutar contra essa dor enorme, choro quase todos os dias, quando vejo tanta ingratidão de uma mãe que deu só AMOR INCONDICIONAL.

    Responder
    • 05/07/2019 às 14:31
      Permalink

      Se tivesse sido amor incondicional você não estaria agora reclamando da “condição atual”. Teria ficado feliz no ato de dar, de amar e entregue o resultado a Deus. Aí estaria hoje feliz e satisfeita em ter vencido tão enorme desafio.

      Responder
      • 26/11/2019 às 16:59
        Permalink

        Desculpe, mas discordo em parte do q disse, pois como pais sempre esperaremos ser amados. Amar incondicionalmente nesse caso seria não medir esforços. Amo os meus filhos e hoje ambos estão fora de casa, embora digam q me amam as atitudes dizem outra coisa. Como muitos relatos aqui, eu não queria eles o tempo todo comigo mas apenas um alô de vez enquando , uma demonstração de carinho, isso não é pedir demais.

        Responder
  • 06/07/2019 às 02:03
    Permalink

    Criei minha filha sozinha. Estudou nas melhores escolas que pude pagar. Fez faculdade, paga por mim. Engravidou, trouxe o pai de seu filho para minha casa, mesmo eu pedindo para esperar até i bebê nascer. Arquei com todas as despesas dele , dela, de hospital.
    Não foi dedicação apenas material… todo final de semana, quando ela era criança, eu fazia questão de estar com ela, apoiei em cada dificuldade, animei nos momentos tristes, ri com ela, disse sempre o quanto a amava. Hoje meu neto tem 1 ano e meio, e eu cuido dele. Durante o dia porque ela está trabalhando, â noite quando ela está em casa, se for preciso trocar uma fralda, ela traz pra mim.
    Mora na minha casa, nunca pagou uma conta de água . Eu limpo, lavo, passo, cozinho, cuido do bebê, pago todas as contas, remédios, e tenho tido a paciência de Jó…
    Mas tudo que tenho é grosseria, manipulação, falta de amor .
    Não respeita minha vontade dentro da minha própria casa. Trata- me comi se fosse ignorante ou fosse incapaz . Sou uma “ velha” que não entende que hoje vive- se diferente da minha “ época”.
    Tenho vivido sem mais sonhos, sem qualidade e nem amigos tenho mais.
    Se eu vender minha casa e for para o interior , vou ter mais paz? Como? De qualquer forma ela é única filha e tenho um neto . São minha única família. Mas tenho pensado muito em. Abandona- lá à própria sorte com i filhinho. Ou quem sabe se eu deixasse de viver em breve, ela seria mais feliz e uma pessoa melhor, não é? Porque às vezes acho que eu errei muito por dar muito de mim. Ou ela não enxergou que deveria ser grata, não a mim, mas à vida que sempre lhe sorriu e ela não percebeu….

    Responder
  • 11/07/2019 às 00:02
    Permalink

    Passo por isso tb . tenho 41 anos uma filha unica de 18 anos, td que esta ao meu alcanse sempre fiz por ela, mais sinto que ela nao tem um pingo de amor por mim, ate mesmo ela ja disse, me sinto muito triste por isso. Muitas quero me desabafar com alguém mais não tenho ninguém pra desabafar, entao respiro e choro ate passar essa angustia que sinto dentro de mim.
    Sei que ela so vai cair na real se um dia for mae tb e acontecer a mesma coisa com ela, somente sentindo na pele ela vai dar valor na mae que tem, e pode ser tarde demais, pq esse sentimento vai matando a gente aos poucos.
    Voce pode estar feliz por fora, mais por dentro so quem sente sabe o que é.
    Sempre as pessoas de fora sao melhores que os pais pra ela.
    O que eu queria na verdade é que ela fosse uma pessoa mais grata pela vida que tem, pelos pais , por todas as oportunidades que tem , mais que nao aproveita, pelo jeito grosso que ela me trata. Me sinto a pior mae do mundo.

    Responder
    • 17/07/2019 às 16:21
      Permalink

      Boa tarde,hoje estou muito triste.Tenho três filhos e,,um deles não tem nenhum amor por mim,nenhum cuidado,zelo, ao ponto de dizer que suas prioridades são as filhas e esposa.Nao que ache isso errado mas, ele falando assim me sinto um “nada”.Sempre o ajudei, aliais mais até que os outros.Ontem no trabalho eu estava muito mal,nada bem, daí pedi para ele me buscar,raramente peço é mais uma vez ele inventou desculpas,que não podia,sempre “não posso “.se fico chateada e falo,ele diz que não aguenta mais cobranças e que faço isso só porque ele mora em meu apartamento, aí diz que vai entregar,vem com chantagem emocional, porque ele sabe muito bem que pelas minhas netas jamais pediria o apartamento.Ja falei-lhe que quando peço algum favor dele é como um filho e penso que posso contar com ele porém o que ele não gosta é de ser incomodado.Ja chegou até me jogar na cara que tinha me levado no médico e foram “pouquíssimas vezes”.
      ,

      Responder
    • 11/09/2019 às 01:28
      Permalink

      Eu também me sinto assim. Tenho um filho que acabou de fazer 18 anos e que sinto ódio em seu olhar, sinto que não gosta de mim. Comecei a perceber isso na adolescência, imaginava que com o tempo amadureceria, mas ainda não vejo nenhuma melhora. Ele sempre foi amado, criado numa família feliz, mas está sempre mal humorado, faz sempre grosserias e se nega a participar das atividades familiares, reclama quando peço ajuda nas tarefas da casa.
      Estuda numa das melhores faculdades particulares da cidade, pago caro por isso com muito sacrifício, tem liberdade em casa para namorar, tem de tudo, mas está sempre insatisfeito. Parece até mesmo que eu e meu marido somos apenas os donos da pensão, ele fica aqui o mínimo possível, nossa companhia é um verdadeiro fardo…
      Já não sabemos mais como lidar com ele, não sabemos se devemos apertar e sermos mais rígidos, exigir que participe das tarefas e que tenha um bom desempenho na faculdade ou se devemos ignorá-lo…
      Mas a dor grande é ver ódio quando me olha…
      Faço muita oração por ele, mas realmente é muito difícil. É como se meu filho querido tenha partido e essa pessoa estranha o tenha substituído…

      Responder
    • 10/10/2019 às 01:52
      Permalink

      Nossas histórias são parecidas. Sinto q estou morrendo por dentro

      Responder
    • 26/11/2019 às 17:11
      Permalink

      Amiga eu não tinha noção de quantas mães e paus estão passando por esse tipo de situação com seus filhos. Vejo que precisamos confiar na educação e nos ensinamentos q passamos pra eles ( embora muitas vezes nos julguemos falhos). Acredito q cada um que deixou seu relato tentou fazer o melhor por seus filhos, digo isso por mim, não tive uma estória muito fácil, mas sempre desejei o melhor pros meus filhos e fiz o que pude em doação, concelhos e ensino, mas nada parece ter sido suficiente.
      Mas posso deitar minha cabeça no travesseiro e descansar sem culpa. Deus estava a todo tempo contemplando todas as coisas inclusive a intenção do coração. Tenha paz! Saiba q vc fez a sua parte, continue amando, ninguém erra por amar.
      Paz a todos!

      Responder
  • 15/07/2019 às 03:18
    Permalink

    mas minha neta tem 1 anos e 7 meses merece ouvir da mãe que ela irrita a mãe

    Responder
  • 17/07/2019 às 04:38
    Permalink

    Tenho 42 anos, 4 filhos de 2 casamentos. Nunca tive um bom relacionamento com a minha mãe, que sempre criticou tudo que eu faço, nunca quis ser minha amiga, eu cresci guardando para mim, todas as tristezas e alegrias que sentia, sem poder conversar com quem naturalmente deveria gostar de mim e torcer pela minha felicidade. Tudo que eu sempre quis, era ser diferente dela, e sempre tentei ser amiga dos meus filhos, mas não deu certo.
    Meus 2 filhos do primeiro casamento não quiseram ficar comigo após a separação do pai deles, não aceitavam a situação. E como meu ex- marido era alcoólatra e usuário de drogas, também não puderam ficar com ele. E eles foram moram com meus país(por insistência do meu pai, já que minha mãe não se conforma , com isso até hoje). Durante esse período de separação, conheci meu atual marido, e a situação com meus filhos só piorou. Sofri varias humilhações, por parte da minha mãe e meu ex- marido, que antes da separação já havia se tornado agressivo e não pensava 2 vezes antes de me agredir fisicamente e verbalmente.
    Se passaram 2 anos, eu engravidei da minha terceira filha, e após muitas dificuldades me casei com meu segundo marido. Hoje já se foram 9 anos, desde que meus filhos mais velhos foram morar longe de mim.
    Tenho 2 filhos pequenos de 6 e 4 anos. Meu ex marido faleceu, cinco anos atrás, e meus filhos mais velhos estão com 21 e 18 anos.
    Minha filha de 18 anos, é a que mais conversa comigo, passa algumas semanas na minha casa, já que me mudei de cidade, mas não aceita morar comigo e com o padrasto. Meu filho de 21 mau fala comigo, não gosta da presença dos irmãos pequenos e tem muita magoa, pela forma que tudo aconteceu e pela morte do pai.
    Já sofri demais com a rejeição deles, mas nunca deixei de ama-los , ainda doí muito, mas aceito que cada um tem sua vida , já estão crescidos e não querem minha companhia.

    Responder
  • 21/07/2019 às 20:02
    Permalink

    Bom eu tenho 23 e minha mãe tem 39 ,faço tudo por ela mais não consigo entender o porque que ela fala coisas á mim que me deixam tristes eu não consigo entende lá fui criada de uma maneira mais caseira hj na minha fase adulta e independente sinto sempre á necessidade de ficar no meu lar então as vezes por causa de minha natureza caseira e reservada prefiro ficar e direto para casa pois ela não aceita as coisas que não gosto não aceita um não meu e nem minha personalidade nem decisões,as algumas vezes sinto necessidade de ir direto pra minha casa é não ver ninguém nem falar ,mais ela não entende me ofende com palavras e diz que não quer me ver pq eu apenas quero ficar na minha ,o que tem de errado alguém me diz? Porque e errado ficar na sua casa ela diz que não ligo pra ela que a filha de fulana liga para a mae e eu não mais minha personalidade é essa difícil porque ela faz coisas que me afastam dela é tanto que evito ficar em sua presença e depois ela vem falando ,só que no meu haver eu não estou fazendo nada,gostaria de saber pois para mim é difícil lhe dar com ela

    Responder
    • 05/09/2019 às 06:40
      Permalink

      Você ama sua mãe? Demonstre! Já imaginou como seria se nunca mais pudesse vê-la e falar com ela? Um dia isso vai acontecer. Então releva as chatices e dá amor. Você vai ver que quando vc der amor a cobrança vai diminuir.

      Responder
  • 21/07/2019 às 21:10
    Permalink

    Tenho 51 anos tive duas filhas e sempre fomos amigas. Elas são adultas se casaram e este ano a mais velha se separou e voltou a morar comigo e o.pai.
    Ela optou por morar sozinha e eu apoiei.
    Tudo já bem até que adoeci com uma depressão terrível e tentei suidicício. Tenho uma história de abandono e vários abusos na infância. Mas não passei isso para elas.
    Fazem dois meses que tentei suidicício e fiquei muito mal e minhas filhas me abandonaram. Se não fosse meu esposo e não sei o que seria de mim. Nem banho eu conseguia tomar sozinha e ainda não consigo me alimentar direito.
    Elas dizem que querem cuidar da própria vida.
    Eu não entendo quem abandona a mãe na hora mais difícil. Eu cuidei delas a vida toda. Fui uma ótima mãe. Sempre trabalhei, provi o melhor estudo, elas estudaram em faculdade federal, se casaram com festa e tudo. Tiveram o que o pai e eu pudemos dar.
    Agora o abandono na pior hora da minha vida.
    A única pessoa que não me abandonou foi meu esposo enteado, minha nora e netos que mesmo não sendo do meu sangue sentem gratidão por mim.

    Responder
  • 28/07/2019 às 16:19
    Permalink

    Pense simplesmente que Deus está cuidando de você e graças a Deus você tem um esposo pra lhe ajuda. Suas filhas também tem os problemas delas e talvez estejam sem condições de lhe ajudar, quem sabe se elas também não são depressivas? Tente não julgar o outro, faça o que for possível por todos, mas não julgue o outro e reze por elas e tente entendê-las… a vida não é fácil para ninguém..

    Responder
  • 29/07/2019 às 00:36
    Permalink

    Eu crilhei dois sozinha e Deus meu filho parece que mim odeia nem liga pra mim .Fiquei viúva crilhei com todas forças que Deus mim deu. Hoje ele tem 30 anos arrumou uma mulher logo engravidou e nem olhar pra minha cara isso por calsa do meu filho. Tem duas filhas e fala todos os dias pra meninas que e pra gostar só d quem ela gosta.Vivi postando foto com a mãe dela e falando que a mãe dela e amelhor a vó do mundo e o pai dela é o melhor avó do mundo.Ja chorei muito quando vejo as fotos das minhas netas . já tive problema emocional que quase perdir meu braço hoje tomo remédio pra anciedade e fico muito angustiada quando faz festas e eu nem existo pra meu filho. Quando adoelheco ele nem tá ai pra mim mim enguinora só quem presta e a mãe e o pai dela. Sofro muito com a regeicao dele crilhei com tanto amor fez de tudo pra ser um grande homem .Mais fazer o que entregar nas mãos de Deus e pronto.

    Responder
  • 06/08/2019 às 05:23
    Permalink

    Minha mãe sempre me bateu, por qualquer coisa.. vivia muito estressada e trabalhava demais,nunca nos deixou faltar nada e a amava por isso. Mas dos 5 aos 11 anos de idade minha vida só piorou, sofri abusos de vizinhos e pessoas próximas da família,eu comecei a achar que aquilo era normal mesmo sabendo que era errado por me ameaçarem pra não contar a minha mãe. E assim eu fiz até hoje escondo dela, cresci tive dois filhos e a primeira gestação escondi dela,tinha muito medo dela. Ela não só batia, também não se preocupar com a minha estima e com a minha aparência, sempre tive muito cabelo e cacheado.. ela penteava com muita pressa e raiva. Uma vez peguei muito piolho e ela cortou meu cabelo bem curto, sofri bullying na escola, eu gostava muito de ir pra escola, lá saía do caos que era minha casa. Mas depois passei a me desinteressada, não conseguia prestar atenção, tinha dificuldade de aprender e sentia uma preguiça enorme, me achava inútil. Certo dia na escola já não estava mais aguentando e deitei sobre os braços na mesa, o professor questionou se eu estaria sendo explorada de alguma forma, e eu disse a ele que minha mãe me obrigava a limpar a casa e sempre reclamava, mesmo eu fazendo o melhor que podia me batia e me chamava de ingrata e preguiçosa. Então ele a convocou e eu fiquei com muito medo. Ele disse a ela que criança tem que estudar e não fazer tarefas domésticas, ela saiu de lá furiosa me culpando por perder tempo tendo que ir na escola escutar aquilo chegou em casa e disse que essa minha preguiça era falta do que fazer. Meus irmão são formados ,tem casa,carro e uma vida estável..já eu, não conseguia terminar nenhum curso que começava, qualquer obstáculo que aparecia me fazia desistir, não sei lidar com pessoas agressivas e notícias de violência ..ainda mais contra crianças,sofro de depressão e ansiedade,já tentei suicídio na frente da minha mãe e adivinhem? Ela me ridicularizou pra todo mundo, dizendo que sempre fui assim, sempre quis chamar atenção dela e sou uma ingrata pois nunca deixou faltar nada! Ela vive comprando coisas pra mim e pra minha primeira filha, o meu segundo ela não aceitou muito, pq eu moro com o pai dele. Já a minha filha eu tive enquanto ainda morava com ela e era de um namorado que eu tive na adolescência. Ela quer dar palpite e reclama de tudo o que eu faço,grita muito e ajuda mais os de fora que nos dá família. Sem contar os diversos amasios que ela teve, me deixava cuidando doru irmão mais novo pra ficar com homem dentro da nossa casa. Minha irmã que nasceu depois de mim faleceu ano passado, somos em cinco e eu sou a do meio. Minha mãe se aposentou faz dois anos e agora foi embora de SP para Natal RN onde encontrou um velho conhecido e começaram namorar e comprou uma casa para os dois morar. Me prometeu ajuda pra ter minha casa própria e fez isso. Agora sim eu sinto muito ódio dela, ele está com ela por interesse..mas ao mesmo tempo me sinto aliviada de não te-la por perto, uma mãe tóxica que me deixou marcas impossíveis de ser apagadas, sinto vontade de sumir só vim ao mundo pra sofrer. Não conto isso nem para o meu companheiro, ele não sabe dos abusos.. eu sofri a vida toda desde os 5 anos não sei o que é ser feliz, meu pai nunca veio atrás. Ela mandou ele embora quando eu tinha 1ano de idade e desde então sempre me disse que eu não precisava dele, mais se eu tivesse um pai ele não iria permitir que avisassem de mim e me protegeria. Só tenho Jesus e meus filhos pra me dar forças!

    Responder
    • 03/11/2019 às 16:01
      Permalink

      Janaína, a sua história de vida é bem pesada! Sugiro que procure ajuda profissional. Fazer uma boa terapia é libertador! Caso não tenha condições financeiras, muitas universidades oferecem o serviço de forma gratuita ou cobrando taxas simbólicas. Deus te proteja!

      Responder
  • 06/08/2019 às 17:14
    Permalink

    Eu tenho 29 anos e tenho um filho de um ano.
    Eu e minha mãe nunca nos damos certo.
    Já cheguei a pensar que sou a pior pessoa do mundo, pq é assim que me sinto quando estou perto dela. Desde criança ela me fazia me sentir assim. Eu cresci uma pessoa amargurada, nunca sorria, sempre triste.
    Comecei a beber com 13 anos . Cheguei a pensar que eu deveria viver alcoolizada pra nunca me lembrar da realidade.
    Minha mãe sempre me botou pra baixo, nunca me falou uma frase de incentivo.
    Se Eu usava short ou saia ela dizia que minhas pernas eram feias. Dizia que eu me parecia com minha tia e com meu pai , que eu era feia.
    Sempre puxou saco dos meus irmãos e me excluía.

    Eu não nasci uma pessoa ruim.
    Eu fui me tornando ruim de tanto levar pancada em casa.
    Por isso eu era uma adolescente q respondia, que brigava, mas no fundo era pura revolta .

    Eu não moro com minha mãe Pq sofri muito quando morava com ela.
    Mas hoje em dia ela vem muito na minha casa pq mora sozinha e não tem com quem ficar.

    Ela vem pra minha casa mas odeia vir aqui, só vem pra não ficar sozinha.

    Mas ela fica aqui botando defeito em tudo que eu faço.
    Querendo por até meu filho contra mim.
    Já conversei com ela mas ela n muda.

    Se Eu fico dois dias afastada ela começa a se fazer de vítima pra todo mundo.
    Diz que eu abandonei ela .

    Mas ela me faz mal.
    Ela humilha, me coloca pra baixo.
    Amo meu filho e não quero que ele presencie essas coisas ruins.
    Não quero que toda essa negatividade passe pra ele.
    Quero dar todo amor que eu n tive ao meu filho.
    Queria muito dar certo com minha mãe tbm.
    Mas ela quer competir comigo.
    Ela me trata como se eu fosse uma colega dela e não uma filha.
    Quando falo com ela parece que meu corpo tomou uma surra, foco muito fraca.
    Não sei oque fazer mais.

    Responder
  • 15/08/2019 às 16:44
    Permalink

    Temos que entender que somos pais, não amiguinhos dos filhos, criamos ele para que tenham asas e vier e sejam feliz, desculpa o que viu falar se sentirem se ofendidos, mas o filho quando pequeno procura pai pra brincar e o pais tem que trabalhar está sempre ocupados quando tem tempo querem descansa se dizem depois que o filho cresce que ele é ingrato por viver a vida dele, queira seu filho bem, trabalhando, viajando vencendo na vida e vá ocupar a cabeça fazer algo útil pra si ao invés de procuraram migalhas,como pais quando cumprimos nossa missão temos que ter paz de espírito, agora o que vejo são pais cobrando dos filhos que eles o olhem pq vc perdeu sua vida por eles, já estou vendo aqui puro interesse e egoísmo em um amor que devia ser livre, e como querer prender um pássaro na gaiola, se vc foi bom pai( mãe) fez sua parte deveria estar feliz, por seu filho estar vivendo a vida dele. E tudo que plantamos colhemos, vejo pais que reclamam de atenção dos filhos, análise suas atitudes pra ver o pq seu filho não tem tempo pra você, vejo também muitos pais em que os filhos fazem questão de estar com eles mesmo depois de grandes, tudo é como plantamos colhemos, eu criei meus filhos livres para vencerem e serem felizes, e hoje mesmo eles grande não deixam de me ver conversar, eu amo eles e quero vê-lo felizes, conheci muitos pais amados pelos filhos, tratados com carinho e amor, então creio que tudo é uma colheita, não queira colher morango se vc plantou chuchu. Reflitam, filhos não são propriedade, são empréstimos de Deus para mostrarmos o amor dele por nós e por todos, serenidade e reflexão a muitos.

    Responder
    • 04/09/2019 às 18:41
      Permalink

      Ser maltratado depois que vc cuidou a via inteira de um filho… ser desprezado, atacado, humilhado sem motivos? E ainda levar a culpa de tudo? (Seu filho te maltrata porque vc merece e deve ter feito algo de errado!). É o mesmo que dizer que uma mulher foi estuprada porque mereceu, estava usando saia curta na rua, pedino pra ser violentada. Ou dizer que se o bandido assalta e mata é por culpa da “sociedade” Que mentalidade desprezível e nojenta essa! Se esquecem que as pessoas fazem mal a outras por inveja, por despeito, por terem escolhido o mal. Alguns casos até por serem psicopatas, narcisistas perversas ou possuírem graves transtornos de personalidade (que são diferentes de transtornos cognitivos como esquizofrenia ou do humor, como bipolaridade). Pessoas portadoras de transtornos de personalidade não perdem a capacidade de pensamento e julgamento. Aliás, devem ter MAIS responsabilidades em relação a terceiros, pois fazem o mal e devem se controlar, se policiar, fazer tratamento até com medicações ou mesmo se afastarem para não prejudicar os outros. Existe filhos com traços psicopáticos ou com outros transtornos de personalidade (Esquizóides, borderlines, paranóides, passivo-agressivos, histriônicos, narcisistas perversos, antissociais – assassinos em série, psicopatas, delinquentes, etc) que nada têm a ver com o modo como os pais o educaram. Por que tantas mães problemáticas, algumas até alcoólatras, viciadas em drogas, transtornadas, prostitutas, criminosas, fracassadas etc têm o amor e atenção dos filhos e outras “normais” e honestas são tratadas como lixo? Como explicar esse “fenômeno”? NADA justifica a ingratidão, seja por parte de pais, seja por parte de filhos. MUITO MENOS ABUSOS psicológicos. Na sociedade há em curso uma espécie de lavagem cerebral e de engenharia comportamental transformando as novas gerações em verdeiros monstros de egoísmo, empáfia, rigidez e frigidez emocional e afetiva.São cobaias de experimentos sociais que desenvolvem transtornos incuráveis. Seja por influência midiática, seja por ensinamentos errôneos e propositais em escolas e universidades, ou mesmo o convívio em um meio social doente. O mundo ensina as pessoas a serem egoístas ao máximo, agressivas, competidoras, invejosas, sádicas e isso nada tem a ver com dharma ou karma. É simplesmente algo planejado para destruir as famílias e criar monstros sádicos e perversos. Eu mesma sou mãe de uma Borderline. Borderlines odeiam tudo, todos e a si mesmos. Há nela até mesmo alguns traços psicopáticos, é interesseira, egocêntrica e ao mesmo tempo fria e distante. Como explicar uma garotinha que era saudável e amável e que teve toda atenção possível e nunca lhe faltou nada, de repente, justamente quando começou a conviver com jovens delinquentes na escola, ter sido transformada em um monstro de egoísmo e agressividade? Vocês parecem que excluem o ambiente onde vivem as pessoas, e não falo de casa e sim de fora.

      Responder
      • 10/11/2019 às 20:16
        Permalink

        Parabéns querida! Vc realmente passa pelos que nós mães estamos retratando aqui: “ingratidão, desprezo, frieza, falta de amor” manifestados por filhos que foram amados e tiveram de nós, mães, toda nossa dedicação!
        Louvo a Deus por quem deu “pouco ou muito aos seus filhos” e têm deles amor e carinho….

        Agora, quem não têm, compreende exatamente o que o outro (pai ou mãe) está passando!

        Não trata-se de criar para mundo. Isso sabemos: filhos não são propriedade!
        Trata-se de, no mínimo, ser grata (o) por aquele (a) que tudo fez… tudo entregou, POR AMOR!

        Responder
      • 05/09/2020 às 23:25
        Permalink

        Falou tudo Patricia. Tenho 3 filhos, e tratei os 3 da mesma maneira. E graças a Deus pelo menos da minha filha recebo carinho e é incrível a gratidão dela por todo amor e carinho que recebeu. O orgulho e reconhecimento que ela demonstra por ter tido uma boa mãe que sempre demonstrou muito amor por eles. Ela tem a vida independente dela, faz faculdade, tem seus amigos, seus planos. Mas ela não me excluiu. Não vivemos colada na outra, mas assim como eu até hoje trato minha mãe bem e com carinho e uma cultivamos uma ótima relação, o mesmo recebo da minha filha. Quanto aos outros 2 filhos espero que um dia eles acordem prá reconhecer o valor de uma boa mãe. Enquanto isso eu vou vivendo, com um ferida no coração, porém feliz na medida do possível.
        Obrigada pelas suas palavras. E muito obrigada a o autor do post pela oportunidade de ler sobre tantas mães em situações tão similares.

        Responder
    • 23/09/2019 às 22:46
      Permalink

      Nossa até que enfim um comentário sensato em meio há um mar de RECLAMAÇÕES! As pessoas parecem que perderam a noção das coisas! Quando agente faz algo por alguém não tem que ficar esperando ABSOLUTAMENTE NADA em troca! E as pessoas tem que entender que agente não cria filhos pra gente, mais pra viverem suas próprias vidas! Se vc tem a consciência tranquila que vc fez o certo, vc tem paz! Vc não se preocupa com nada e nem fica reclamando! Não tem exemplo MELHOR pra ilustrar! Tudo que agente planta agente colhe!

      Responder
    • 15/10/2019 às 23:04
      Permalink

      Mas que mundo colorido vc vive…onde plantamos morango e colhemos morango!!!
      Concordo que, de fato, criamos os filhos para seguirem seu caminho e serem felizes, o que nao significa que eles precisem simplesmente virarem as costas para suas raízes e suas histórias e seguirem adiante., sem olhar para trás. Tive uma infância e adolescencia dificil com minha mãe, até hj nao temos uma grande conexão, mas a honro como a pessoa que fez o melhor que podia fazer, dentro do que ela sabia na época…hj ela é muito melhor como vó como foi como mãe e tudo faz parte da evolução. A questao discutida aqui é falta de amor entre pais e filhos, e isso desculpe, independe das dificuldades vivenciadas, vi muito gente plantando chuchu e cultivando lindos morangos e vice e versa.

      Responder
  • 23/08/2019 às 14:51
    Permalink

    Tenho 60 anos e 3 filhas 38, 34 e 20 anos, 03 netos 20, 16 e 07 anos. Cuido sozinha de minha mãe que vai fazer 96 anos, éramos 8 irmãos e todos partiram, minha única irmã partiu está com 10 dias hoje. Sou uma pessoa difícil, falo tudo na cara por isso sou chata, ajudo a todos, ajudo até desconhecidos. Minha filha a do meio de 34 anos eu sinto que ela não me suporta, talvez por eu ter sido muito mais dura com ela por ter me dado preocupações demais. Ela está separada do marido, tem um filho de 16 anos e ela tmb tem o temperamento muito.dificil como eu. Criei minhas 3 filhas sozinhas, sem pai e sem a ajuda financeira, sempre trabalhei e hoje estou aposentada. A minha filha mais velha, bem casada tem um filho de 20 anos e uma menina de 06 aninhos. A minha caçula 20 anos, mora comigo, faz Faculdade Federal e termina Bacharelado esse ano, essa é adotada desde o dia que nasceu. Mas minha filha do meio que mora em outro Estado, só fala comigo quando precisa, nem pelo ZAP ela pergunta como estou e isso me dói muito. Sinto falta dela. Toda foto que ela posta eu pronto e guardo na minha galeria. Sempre fui.uma mãe que acho que sou exemplar, mas será que soube ser mãe? Já fui muito ruim para essa minha filha do meio, mas isso é passado, nem a perdoou prq não há o que perdoar de tanto amor que sinto por elas e pelos meus netos. Só que eu tenho um jeito muito amoroso de ser, mas tmb o jeito rude. Sofro muito por essa filha não se importar comigo. Cheguei até a falar para a minha filha mais velha e para a caçula que não quero que essa minha filha do meio.tenha sentimento algum quando eu partir. Eu choro muito pelo desprezo dela comigo. Quando demora muito e vejo que ela não está nem aí, eu vou no ZAP e falo: Tudo bem com vc e com o meu neto? Como está no seu trabalho? Como está a sua vida? E ela só me responde assim: o dedo polegar dizendo legal ou então só isso: bem.
    Isso me dói muito
    Outro dia ela me passou um zap.e disse: e aí querida? Eu estranhei, claro. Em seguida ela me pediu para tirar um empréstimo em meu nome para ela e eu tirei, aí todo final de mês ela me manda a foto do depósito em minha conta. As vezes penso que pode ser pendências de outras vidas, será que existe isso? Ela demonstra claramente que nada sente por mim. O pai que nada fez por ela, ela manda mensagens em todas as datas e para mim só no meu aniversário que ela manda uma mensagem assim: Felicidades. Pronto. Só isso. Aí como doi. O que faço? Me ajudem. Obrigada. Bjs no coração

    Responder
  • 27/08/2019 às 01:34
    Permalink

    Uma pergunta… voce é pai?
    Mesmo que nao o seja, voce nao é mãe!
    Percebo que ao falar sobre o assunto o trata como uma coisa normal… gostar ou nao gostar… querer ficar junto porque é bom ou , não ficar porque é chato .
    Analizando este pequeno parágrafo ja da para perceber o filho que tu és!
    Falo nao como mãe, mas como ser humano!
    Talvez vc não compreenda o que significa
    Generosidade,bondade e caridade.
    Posam de professores terapeutas etc .
    Certa estou, que ficar sozinha e muito melhor do que ter um idiota na sua frente
    Desprovido de sentimento e olhando
    Para o proprio umbigo ..
    Egoismo puro ! Gente rasa nao tem medida
    Nem valores, sinto muito em dizer.

    A verdade é que muitas vezes damos a luz
    A serpentes que um dia’, mais cedo ou mais tarde vao mostrar a sua natureza!
    Portanto, acredito que nós, mães ,é que devemos e merecemos dizer;tenho ranço de voce e te quero bem longe, porque ….meu pseudo amigo, é melhor ficar só do que mal acompanhada’! Encontro esse amor e generosidade em.outras pessoas que nao
    sairam do meu ventre,nao espero nada de serpentes a nao ser sua picada em uma distração.a verdade acredito que tem filhos que mereciam nao ter nascido…..
    Mas isso a gente aprende tarde demais..

    Um conselho para as mães se é que posso dar… viva sua vida,prioririze voce,!
    Nao faça esforços desumanos porque tem alguem que chamamos de filho!

    Responder
    • 04/09/2019 às 18:51
      Permalink

      FALOU TUDO! Piedade filial é uma OBRIGAÇÃO de todo filho. Não uma coisa a ser dada se ele achar que o pai e mãe merecem ou não. Meus pais sempre me trataram como lixo. Ainda assim lhes dei uma casa própria, pois sabia que cedo ou tarde a irresponsabilidade dos dois ia me custar muito mais caro, pois jamais levantaram um dedo para fazer algo por si mesmos, muito menos por mim em termos de futuro.. Por piedade e compaixão, eu os ajudei e sendo velhos, e precisando de meu apoio não vou lhes virar as costas. Não nos damos bem, mas os trato com decência a amabilidade. Essas gerações novas e relativistas morais acham que abandonar um pai e mãe velhos e doentes não é nada de mais. Ou pior: fazem isso porque acham que os pais merecem sofrer. Isso é uma monstruosidade sem tamanho. É por essas e outras que acontece hoje o contrário: mães abandonam os filhos recém nascidos, ou abortam, matam. É esse tipo de monstros que vocês ajudam a criar com essa relativização do mal. Minha filha além de mau caráter é uma transtornada, têm algo entre transtorno Borderline e transtorno Narcisista. Uma quase psicopata. Só pelo fato de eu ter sentido as dores do parto, deveria ser tratada com um MÍNIMO de respeito e gratidão. Parir uma cobra pra depois ser picada e maltratada é o cúmulo da perversão humana. Relativizar isso é o mesmo que dar apoio e motivos para que um filho assassine a própria mãe ou pai.

      Responder
    • 11/09/2019 às 11:54
      Permalink

      Adoraria conversar com vc!
      Meu ZAP 021991559887

      Responder
    • 10/11/2019 às 20:24
      Permalink

      Parabéns querida! Vc realmente passa pelos que nós mães estamos retratando aqui: “ingratidão, desprezo, frieza, falta de amor” manifestados por filhos que foram amados e tiveram de nós, mães, toda nossa dedicação!
      Louvo a Deus por quem deu “pouco ou muito aos seus filhos” e têm deles amor e carinho….

      Agora, quem não têm, compreende exatamente o que o outro (pai ou mãe) está passando!

      Não trata-se de criar para mundo. Isso sabemos: filhos não são propriedade!
      Trata-se de, no mínimo, ser grata (o) por aquele (a) que tudo fez… tudo entregou, POR AMOR!

      Leila Tonelo faça contato comigo querida: shekinah.internegocios@gmail.com

      Responder
  • 03/09/2019 às 15:59
    Permalink

    As vezes os filhos não amam pois percebem que não são amados, meu caso.
    Cansei de dar amor e receber patada, gritos, e humilhações.
    Aprendi que não sou obrigada a amar quem não me ama.

    Responder
  • 03/09/2019 às 22:39
    Permalink

    Minha vó pegou eu para criar com 11 anos pois meu padrasto brigava com eu e minha irmã que é especial e tinha 14 anos, então minha vó vendo aquela situação direto não se aguentou e pego e minha irmã pra criar , e falou Rose se vc não termina com ele e arrumar sua vida as meninas vai ficar comigo é então eu tenho 16 anos já e ainda morou com minha vó pois minha mãe não arrumou a vida dela e ainda tá com aquele cara, que eu odeio muito e ultimamente eu tenho pensado saber esse carinho que eu tenho por minha é pra que? se ela não se importou de cuida de nos duas só se importar com traste o marido e o filhinho que ela tem um de 8 anos, então eu parece de me importa com ela de fica ligando, e minha vó já percebeu isso ela reclamou comigo por causa disso ,mais eu não suporto mais de fica sabendo que minha mãe é uma mulher que não tomar decisão de sua vida eu estou preste pra entra em uma depreção triste e dolorosa , pois até a minha tia que eu considerava como mãe não ligar mais pra me , ela chegou chamar eu de cobra em um certo dia que eu estava rebelde sendo que a cobra que mãe dela tá criando ajudava ela nas coisas da faculdade já ficou acordada fazendo relatorios pra ela pois ela trabalhava e chegava em casa cansada, é triste isso tudo e el pensar que eu esqueci isso que ela me falou , palavras machucar e muito .
    A eu tenho um pai sim, mais ele não se importa com eu,e eu parece de se importa com ele porque ele nunca deu ligança pra me , e eu não tenho amigos sério eu ainda não sei por tô NESSE MUNDO INFELIZ.

    Responder
  • 06/09/2019 às 21:33
    Permalink

    Passo por situação semelhante. Meu filho único hoje tem 25 anos e me rejeita bastante. Fiz o que pude para estarmos sempre juntos, mas me ignora, me rejeita e até insulta. Ele não trabalha nem estuda. Pago mesada até hoje e quando falei em cessar essa ajuda me ofendeu ainda mais. O que devo fazer? dutchie.ml1@gmail.com

    Responder
    • 13/09/2019 às 11:35
      Permalink

      Corte a mesada dele imediatamente! Deixe ele aprender a ter gratidão de forma dura.

      Responder
      • 13/09/2019 às 13:42
        Permalink

        Bom dia,
        Nao é facil, mas o correto é voce ir parando de ajudar e fazer ter responsabilidades. Eu dei tudo pra minha filha e hoje ela so me trata como se fosse qualquer uma, porem, párei com tudo. nao ajudo mais.
        A vida ira ensinar

        Responder
      • 16/09/2019 às 14:13
        Permalink

        ola o que devo fazer com o meu? Meu sobrinho que peguei pra criar com 10 anos qdo a mae o abandonou definitivamente, me responda no email: ledi_hta@hotmail.com
        Ele fez 28 anos essa semana , esta a quase 2 anos desempregado mora comigo, moro so com ele, faço todas as despesas, ele faz bicos e qdo tem dinheiro usa tudo pra gastar com amigos, chega bebado de madrugada e estou em tratamento pra depressão, a 2 semanas gritou comigo , sempre grita qdo reclamo da vida que leva com os amigos, não sai da minha casa, não se vira pra se manter sozinho e qdo fica em casa quer que eu cale sem reclamar de nada deixar ele ficar de boa fazendo o que quiser , saindo com quem quiser e voltando qdo quiser., diz que eu quero controlar e fico intrometendo na vida dela , mas so quero que trabalhe e pague as contas pq saindo com amigos faz divida. Estou pensando sinceramente em o mandar embora.

        Responder
        • 20/09/2019 às 12:42
          Permalink

          Eu sugiro que dê um aviso de despejo. Você não tem razão alguma para ficar aguentando isso. Para ele é pior também, deixando-o sem responsabilidade, sem vergonha. Coloque ele para fora ou se mude para outro local onde ele não poderá ir com você.

          Responder
          • 12/01/2020 às 08:43
            Permalink

            Minha filha de 23 anos sempre me faltou com respeito , me agridia com palavras que nenhuma mãe pensa em ouvir.ela tem ódio nos olhos. As criei sozinha trabalhando dia e noite. Ja chorei muito escondido. Um dia falei que iria deixar ela e a irmã de 24 aqui e iria alugar um cantinho pra mim antes de eu infartar. Ela saiu e chegou com uma chave de um apartamento debochando. No Whatsapp pergunto se ta bem. Ela diz que ta ótima e que ta oline porque ta falando com pessoas interessantes. E bloqueia. Quando morava comigo ela descobriu um pequeno nódulo na mama. Chamava pra ir no mastologista, ela me chama de velha e bicha enxirida, que deixasse de me meter que a unica doente aqui era eu. Soube por a amiga que ta com cancer de mama. E que nao me wuequer e canto nenhum com ela.. e ameaça as amigas se me falarem qualquer coisa.sente prazer em me torturar. Entreguei nas mãos de Deus. Pediu a irmã um dinheiro dizendo que era pra ir no hospital, emprestei. Gastou numa apresentação do balé. Se vou na casa dela , finge nao tá, ou dis que vai pra igreja. Vivi na igreja desde criança é ruim assim. Vendo a hora de perder uma filha por conta da arrogância dela. Disse que tava sabendo que ela ta doente e que até transfusão de sangue tomou e disse qie ia com ela pro hospital. Quem vai pra hospital? A doente é tu. Nao se inxira na minha vida. Quando eu quizer ir eu sei o caminho.. ja me senti culpada. Mas quem me conhece manda eu deixar de pensar assim. Pois sempre fui boa mae e pai. Zelosa e protetora. Cumpri bem meu papel. Não tenho culpa da ruindade dela.. minha outra filha me reclama por eu ser besta e ficar sofrendo.nem a irmã pode tocar no assunto que ela manda dá o lavra. Nao reconheço minha filha desde os 16.

  • 07/09/2019 às 14:08
    Permalink

    Olá a todos passo por situações parecida, vivo em um relacionamento abusivo estou com uma pessoa que so da os passos que a mae deixa, somos de nações diferentes e existe uma grade adversidade em nossas vidas mas quando estamos na paixao nao pensamos nas consequencias. Tenho dois filhos com essa pessoa 13 e 10 anos no fazer so o q a mae dele determina nao construimos nada hj me encontro dentro da casa da mae dele pois o escopo era esse as criancas estao sendo manipuladas continuamente contra mim, proprio eu que nao compartilho nenhuma forma de alienação parental se como essa pessoa vem de problemas com drogas eu sempre o fiz participar da vida de meus filhos mas o odio da mae contra mim ta prevalecendo na vida dele e estao “roubando” o amor dr meus filhos com historias mentiras e fatos que é assundo só de nos dois. Meus filhos eram meus amigos filhos parceiro etc isso sempre o deixava perplexo pois existe uma grande obcessao da parte dele de comprar os filhos e dizer que é melhor do que a mãe e assim as criancas mais o maior faz tudo o que eles pedem vigiando cada coisa que eu faço e conta pra eles e depois vira bullying em toda familia tudo o que limpo ele vai e suja pra me irritar eu mantenho a paciencia pois nao é culpa deles estou no país dele pois voltamos ha alguns meses e vcs podem imaginar sozinha sem apoio. Deixei trabalho excelente para seguir e parece que caí em uma grande armadilha. Criaram situações com os vizinhos com os comercios assim estao todos contra mim e eu nao fiz nada me defamaram tanto onde estamos que estou com problemas ate para arrumar emprego e me tiraram ate a dignidade de viver. Ganhar desprezo do proprio filho de graca nao é facil ate suicidio ja tentei pois nao por mais que sofro sozinha nao serei nunca capaz de abandona los me ajudem no que posso fazer nao sei mais a quem recorrer a situacao fica cada vez mais grave penso que eles ou querem realmente o fim da minha existencia ou que eu abandone meus filhos pra ter mais um peso contra mim. Obrigada aguardo uma palavra abençoada paz e luz a todas as mamaes que passam por isso

    Responder
  • 16/09/2019 às 14:25
    Permalink

    Bom dia.. tenho 47 anos e sou separada do meu ex marido a quase um ano… tenho uma filha de 24 ano e um filho de 14 com ele… meu filho optou em ficar com o pai, mas infelizmente ele está sendo influenciado de alguma forma… meu ex está namorando e eu tb… meu filho sempre gostou do meu atual namorado, mas agora ele vem com um discurso q não se sente bem ao lado dele… o fim de semana q meu filho deveria ficar comigo é somente programado para nós dois, mas mesmo assim ele não quer mais ficar comigo… ligo pra ele e muitas vezes não me atende… mando msg e não me responde… não conheço mais meu filho… sempre foi carinhoso, atencioso, sempre foi mais EU, mas mãe que pai… sinto q estou perdendo meu menino… como dó isso… estou perdida, não sei mais o que fazer… só choro… sem vontade de fazer as coisas… meu filho se tornou uma pedra de gelo… ela fala comigo exatamente como o pai dele falava… nunca vou desistir dele, mas não tenho mais recursos para trazê-lo para mim.. ele não da abertura para uma conversa… cansei de perguntar pq disso e ele não responde… como estou sofrendo….

    Responder
    • 26/09/2019 às 01:35
      Permalink

      Sua situação é muito parecida com a minha! Me sinto exatamente como vc. Acredito que meu ex marido tenha manipulado o meu filho que sempre foi tão carinhoso comigo. Essa dor não tem fim…

      Responder
  • 26/09/2019 às 01:31
    Permalink

    Adorei o artigo!
    Também passo por essa situação,tenho 36 anos e um filho de 17,me separei do pai dele quando ele tinha 11 anos e ele decidiu ficar com o pai. Mais adiante me relacionei com outra pessoa,no começo ele at3 gostou,resolveu passar 15 dias comigo e 15 com o pai. Aproveitamos bastante,passeamos,viajamos enfim. Resolvi ter outro filho e ele amou a idéia de ter um irmão! Ajudou e desde o início o amou. Porém de uns 3 anos pra cá,decidiu se afastar,só me avisava que ia pra casa da vó (minha mãe) e insistia para que fossemos pra lá. E assim passavamos os finais de semana em harmonia. Até que resolvi falar pra ele que não iria mais pra lá para poder vé-lo,que ele viesse me visitar e desde então ele optou por não visitar mais ninguém. Se fechou no mundinho dele! Se eu mandar mensagem ele responde,mas super displicente,outro dia perguntei o que esta acontecendo e ele simplesmente respondeu que não quer visitar ninguém. Então resolvi sair de mansinho de cena. Poxa,isso dói! Parece que ele sente prazer em me pisar! Tive ele aos 18 anos e abri mão de tanta coisa pra cuidar dele,passei horrores de trabalho e hoje ele me paga com ingratidão.

    Responder
  • 26/09/2019 às 02:37
    Permalink

    Tenho uma mãe que nao foi MÃE, ela me teve aos 17 anos, antes de eu fazer 1 ela arrumou um marido no qual teve mais e filhos, ela se separou quando eu tinha 5,6 anos, nos abandonou com a mãe do meu padrasto, que me criou até meus 12, quando voltei morar com ela é fiquei até meus 15, e nesse tempo ela foi negligente, irresponsável, nunca me tratou como filha, acabei engravidando aos 16,me casei e sou casada a 18 anos, e essa minha mãe apareceu em alguns desses meus momentos, mas sempre sumia e aparecia, teve problemas psicólogicos, tentei ajudar, acolhido na minha casa, mas não consegui, ela sumiu, andou um tempo pelas ruas, e hj vive me ligando e mandando mensagem querendo fazer parte da minha vida e dos meus filhos, ela me faz .muito mal, tenho pena dela, mas ao mesmo tempo quero distância, ela não transmite algo bom, zelo pelo bem estar dos meus filhos, faço tudo por eles, sei o que é ser mãe, mesmo tendo sido mãe tão nova e não tendo bons exemplos, mas eu me sinto uma pessoa ruim por não querer e não poder fazer nada por ela. Sofro muito, queria que ela me esquecesse de vez.

    Responder
  • 30/09/2019 às 07:22
    Permalink

    Eu acabei de olhar sua postagem, e agora são 01:55h dia 30/09/2019. Tenho 19 anos, e moro com meus pais e irmãs! Eu não me dou bem com meu pai, na verdade, agora eu nem consigo me imaginar tendo um relacionamento legal com ele. Sabe, meu pai é uma pessoa arrogante, bipolar (até demais), briguenta, insensível, uma pessoa que tem uma mente formada e não aceita opinião nem mesmo da própria esposa, acha que tudo o que diz e faz é certo, e dentre muitas outras coisas (…) mas é engraçado porque quando eu era criança, meu sonho era ser igual ele quando crescesse, e eu fazia questão de dizer pra ele sempre que podia. Ele era um pai incrível, pra mim era o melhor que alguém poderia ter… Mas um dia eu ainda criança presenciei e vi meu pai e minha mãe se desentendendo e brigando por “controle financeiro” (Espero que entendam), na minha frente junto com minhas duas irmãs (a mais nova, e a que é especial)… Sabe eu não consigo me esquecer desse dia, porque teve uma hora, que ele apontou o dedo pra mim pra minha mãe e na frente das minhas irmãs, que eu era um inútil e que eu não ia ser nada na vida. Falou varias outras coisas tbm mas, o que mais me traumatizou foi isso! E bem recente eles brigaram de novo, com essa até perdi as contas, meu pai sempre foi do tipo explosivo que fala alto mesmo, e quem estiver por perto ele não tá nem ai e fala mesmo, sabe? enfim, ele xingou ela de muitas coisas e ela o mesmo tbm… e no fim ele disse que ia embora, o que deixou todos felizes ali na hora, mas ai a briga uma hora parou, e momentos depois mais uma vez ele disse algo que eu não vou conseguir esquecer, ele disse que eu sou um filho inútil, que não o respeita, que eu nem sequer falo com ele, que eu vivo com raiva (por causa da minha cara fechada dentro de casa), e disse que um filho que não obedece e respeita seus pais, esse “tá com os dias contados” ele disse pra mim. E ontem quando eu chego em casa minha mãe disse que ele queria conversar comigo, e ele quando fui até e perguntei se ele queria conversar comigo, ele por ser orgulhoso fez apenas uma pergunta: “Tadeu, por que você é assim comigo? eu te fiz algo?” e eu não o respondi! Conclusão, ele não embora, porque é um homem sem atitude, e não teria onde cair morto. E mais cedo ou mais tarde vou ter que conversar com ele, e perdoar né, afinal é meu pai, fazer o que, mas sabe, como pessoa eu não o respeito, e pra mim ele é uma pessoa horrível, mas ele como pai, sou grato e o respeito! se eu amo? não sei responder…

    Responder
  • 02/10/2019 às 15:21
    Permalink

    Olá sou mãe minha filha não me fala porque eu não gosto gosto do namorado abusivo e violento é que já lhe bateu mas que continuam juntos e já têm uma menininha de 4 meses e que eu não posso ver agora qual foi o mal que fiz pra minha filha simplesmente não aprovo o relacionamento deles

    Responder
  • 05/10/2019 às 09:00
    Permalink

    Bom dia! Li tantos relatos e me idenrifico com alguns e outros não. Como o site diz, eu não sinto que meu filho não tem amor por mim. Percebo que ele tem dificuldades se mostrar o qie ele pode oferecer de melhor dele aos pais. Tenho um primeiro amor de 27 anos. Fui mãe aos 26 anos, passei horrores depois que me casei até haver a primeira separação com 7 anos de casada e ele 6 anos.
    Era uma vida que eu que era o homem e a mulher da casa. Me via numa reponsabilidade sem igual. Onde parcerias não existia em meu casamento. Namorei 4 anos e depois q fiquei grávida, casamos. Minha tranquilidade acabou, eu não via amor do meu marido, não via amor e carinho da familia dele comigo, minha casa só vivia cheia de amigos dele, parentes dele e sem saber como eu me sentia aquilo era uma rotina e ainda grávida. Tendo q trabalhar, fazer o enxoval para o bebê e para mim q precisava de roupas. E sempre sozinha para td. Meu filho amado nasceu depois de 6 meses de casada e minha vida ficou mais difícil pq ne via com uma criança onde td q eu fazia para cuidar dele era por extinto. Pq não tinha ninguém para pelo menos dizer….olha estou aqui pode contar comigo. Sei qa responsabilidade era minha pq o filho era meu….mas diante do muleque q dizia ser meu esposo. Nada fazia para ajudar se o filho…nasceu e ele e a mãe precidavam de ajuda.
    Passei por dificuldades financeira, pq td era comigo e eu não dava conta, trabalhava como doida, meu filho sempre foi mto difícil ao extremo, mas sempre dei o meu melhor para ele, ate chegar na adolescência. Se transformou numa pessoa introspectiva. Onde só vivia tracado no quarto, as notas escolares eram sempre….2, 3, 0 e isto me desesperava, pq eu não queria criar um homem q não fosse nada na vida. Sempre disse a ele sem estudo nada somos. O levei a psicóloga, a psicopedagoga e não idenricamos nada q pudesse nos dizer q era algo.
    Resolvi voltar para o pai dele, pq tinha medo de cria-lo sozinha. Até q qdo ele estava com 11 anos fiquei novamente grávida e entrei em depressão pq viveria td novamente. Mas Deus estava lá me amparando pq Ele me deu uma filha, q eu não tenho do q reclamar. Pq é amiga, estudiosa aos extremo. Ele ele a curtiu até com 1 ano de idade, depois ele entre os 13 até os 20 anos, por algum motivo q acho q era ciúme. Ignou a irmã, aos 19 anos como ele não sabia o q queria da vida, o forcei a prestar um concurso para Marinha Do Brasil, onde ele me odiou, mas fez, passou para Aprendiz, me escondeu q havia passado, qdo fiquei sabendo estava em cima para fazee as eliminatórias. Passou em todas, mas não queria ir de jeito algum. Orei, dobrei meu joelho e implorei a Deus q ele fosse, pq eu estava desempregada e não tinha como manter 2 filhos, pq o pai nem aí para nada. A responsabilidade dos filhos eram minhas, pq o pai só queria farra, e nada para casa. Ele me pediu para não ir, pq queria tentar outro concurso. Expliquei q teria q ir por eu não como manter os dois oelo desemprego.
    Daí q ele foi, se afastou de mim. Ficou no semi-ineternato….e “td”q ele precisou sempre estive ao lado dele. Ele nunca pôde dizee q não fiz nada por ele. Pois hj ele é casado, já vai a sargento, vai terminar agora em Dezembro a faculdade de psicologia, quer fazer mestrado e doutorado, é um homem super responsável, não bebe, não vive em farras, é super dedicado. Porém não é de procurar ninguém da família dele. Em nenhum momento procura saber como estamos. É onde eu me pergunto. Q tipo de mãe eu sou, eu fui para ele? Se eu não procurar ele não esta nem aí para saber como estou. Já tentei conversar com ele para saber o q aconteceu. Mas me ignora ateos dias de hj.

    Responder
  • 14/10/2019 às 20:14
    Permalink

    Tenho 41 anos, um filho de 18 e uma filha de 8. Tenho vivido um pesadelo desde o nascimento da mais nova, foi nessa época que descobrimos o ele tinha TOC, uma doença terrível e agoniante. Ele já tentou suicídio e hoje vive ameaçando eu e meu esposo, não podemos corrigí-lo que ele sempre fala que não o conhecemos e que não sabemos o que ele é capaz de fazer e que iremos nos arrepender pelas correções, ou seja, ameaças de suicídios constantes, quem aguenta viver assim?. Ele joga na cara que temos preferência pela mais nova e isso não é verdade. Nossa atenção é totalmente voltada pra ele, psiquiatras, orações, convívio social e etc. Ele quer ser o centro das atenções, sempre. Rebelde, não aceita ser corrigido, eu e meu esposo passamos vergonha sempre que nos reunimos em família, todos ficam espantados com tamanha falta de respeito e agressão conosco. Minhas forças estão acabando, já não tenho vontade de nada. Vivo pela minha pequena de 8 anos que sofre absurdamente com essa situação. Não quero mais nenhuma aproximação por parte dele, ele só me machuca. Deus tenha misericórdia da minha vida !

    Responder
  • 16/10/2019 às 00:24
    Permalink

    “TAMBÉM TENHO UMA HISTÓRIA”

    Muitas vezes vivemos num casulo, achamos que só nós mães temos problemas, mas tem muitos pais que enfrentam sérios problemas de relacionamento com filhos. E também filhos que infelizmente sofrem com pais que não ão certo, mas que não tomam atitudes pelo fator financeiro. conheço muitos casais que estão separados só de corpos, já têm outras companheiras e não se separam legalmente. Ainda ficam ligados pelos bens materiais. Não estou aqui para julgar, mas comigo não consegui, fica casada e aguentar outra mulher entre nossa família, Foi muito duro, pois eu havia perdido tudo numa enchente, perdi tudo de material que você podem imaginar, até o cachorro coitadinho. Fiquei com meus dois filhos na época muitos pequenos, eu sem casa, sem nada, se eu não prestasse meus irmãos com certeza jamais me ajudariam, com a separação, ele nunca quis pagar a pensão de acordo com a Lei, nunca e ajudou a criar os meninos. Tive 5 paradas cardíacas, 4 cateterismo, 1 ponte mamária, tudo consequência dos maus tratos, ansiedade e depressão grave. Coloquei meus filhos para fazerem cursos da prefeitura, fui trabalhar mesmo doente, Com certeza tinha discussões dentro de casa sim, um verdadeiro inferno, porque precisei da ajuda dos meus filhos, dividíamos as despesas, mas eu sempre pensando que não queria fazer a mesma coisa que meus pais fizeram comigo, quando eu era jovem., pegavam meu envelope de pagamento, tiravam o que precisavam e me deixava com só um pouquinho. Tive até que sair da faculdade na época pois não dava mais para continuar. Sempre trabalhei, ganhava pouco, mas consegui chegar aqui até hoje, agradeço a DEUS a sua misericórdia por eu ter passado tantos apuros, mas estou viva. Meu filho mais velho, hoje com 28 anos, foi morar com a namorada, se dão muito bem graças a DEUS, ficamos em casa eu e meu outro filho de 26 anos. Mas sempre muita discussão. Todo o sempre desde o inicio da separação, hoje já faz 17 anos que me separei, mas foram tantas batalhas, e os meus filhos sempre falando “Mãe desapega”, uma hora a senhora vai ficar sozinha. Sei que é difícil, mas necessário. Hoje mesmo, meu filho disse que estava triste, porque estava sentindo uma sensação muito ruim, perguntei porque, ele disse que não gosta de onde moramos, que vai mudar-se, mas que sozinho que precisa crescer, viver para aprender,. Realmente eu concordo com ele, porque os filhos não são nossos, DEUS só empresta para cuidarmos, educarmos, mas tem uma hora que tem que voar.
    Chorei um pouco, deitei na cama e comecei a penar, pedir para o universo para que meus filhos sejam felizes, que consigam evoluir, que tenham saúde, prosperidade com amigos, que tenham uma boa companheira, que não passem necessidade como passaram depois que perdemos tudo na água, porque tinha dia que eu falava pra eles: vocês vão na casa dos outros, mas falam que não gostam de coca e tenham educação.
    A gente dividia um ovo mesmo., aliás eu sempre deixava eles comerem se sobrasse pra mim tudo bem. E passamos muitas páscoa sem ovo e sem peixe. Mas estamos aqui cada um decidindo a própria vida. Porque que sempre fui uma mãe dedicada e sempre fiz os afazeres de casa como se nestes 17 anos eu tivesse marido. Mas foi é e sempre será a minha Fé, que nos levará pra frente até o dia que o Criador quiser, pra frente, avante, sem brigas, porque somente com amor e carinho que conseguiremos vencer as batalhas da vida. Hoje mesmo ainda quero voltar a trabalhar, meu filho pode ir sossegado, aqui terá uma amiga que sempre fui e serei. Somos todos borboletas num casulo esperando para nascer e voar. Beijos a todos que leram um pouco da minha vida. E mães, pais e filhos nunca percam a esperança de respeitar a escolha de cada um , mesmo que sofram, mas sei que tudo passa. Quando eu não tinha vínculo com a oração, acontecia muitas tragédias na minha vida, hoje tenho uma Fé, ainda acontecem algumas coisas que não aceito, mas já estou revestida do poder da Centelha Divina que está dentro de mim, de você, de todos se quiserem. Não importa a idade. É só querer. Tente e boa sorte para todos. Beijo de LUZ.

    Responder
  • 17/10/2019 às 00:35
    Permalink

    Sinto muito pela sua situação, no meu caso é o contrário, meu pai sempre foi muito violento, grosseiro e arrogante em casa mas nunca deixou nada faltar, sacrificou muito por mim e pela nossa família, coisa que ele sempre fica repetindo e se exaltando, hoje eu tenho 18 e não faz muito tempo que terminei a escola, ele não perdeu tempo, já está me empurrando pra caçar meu rumo, eu não o culpo , afinal ele está no direito dele, hoje em dia de vez em quando ele fala que eu não ligo pra ele, que quando ele chega perto eu vou em bora, paro o assunto, que sou frio com ele enfim, não é que eu ODEIO ele, mas simplesmente quero ir pra bem longe e ter o mínimo de contato possível, mas com toda a certeza quando estiver ganhado um bom dinheiro (se Deus quiser) vou sempre tentar enviar dinheiro pra ele (com tanto que não me faça falta), dar bens matérias, essas coisas. Coisas que ele se orgulha tanto… Mas amor? Jamais, isso ele nunca vai ter de mim, até pq ele nunca me deu isso, então acho que é justo

    Responder
    • 14/04/2020 às 20:14
      Permalink

      Erick Borges, vivo uma situação parecida com a sua. Meu pai é como o seu, do jeitinho que vc descreveu. Sou grata por ele me ajudar nos aspectos materiais, e espero um dia poder retribuir. Mas não supurto ficar na presença dele, porque ele me humilha muito e a todo momento me critica. Eu tenho 18 anos e estou me formando, sou uma das melhores alunas da classe, lavo minhas próprias roupas e meu quarto, não saio de casa e sou vou pra escola, mas mesmo assim meu pai ver defeito em tudo o que faço. Às vezes ele olha pra mim com um olhar de ódio, tenho medo dele me machucar. Quando ele está perto eu sinto náusias. Já o amei muito na infância, mas tudo o que quero é me distanciar.

      Responder
  • 20/10/2019 às 09:17
    Permalink

    Queria tanto saber se existe num grupo de apoio para pais que os filhos saíram de casa , vejo muito para filhos milhares de página de todo tipo de assunto mas para os pais nada a que chegou mais próximo do assunto foi essa página mesmo assim não tem um grupo pra nós pais e mães trocar experiência ajudar uns aos outros

    Responder
  • 24/10/2019 às 03:47
    Permalink

    Perdi três filhos de uma vez,primeiro a do meio,mudou número do celular,redes sociais,um dia nos encontramos numa fila e ela virou às costas e foi embora,faz um ano e três meses,morava com meu caçula,e de repente marcou casamento e não fui convidada,pensei que e
    Iria morrer,tanto era a dor emocional,e como não tinha de piorá,minha filha mais velha,eramos muito amigas e mudou totalmente comigo.não liga mais, só meu genro que mandar mensagens e sinto um luto muito grande,fiz tudo por eles para ter uma educação superior.me dediquei muito por eles,não sei o fazer,choro todos dias,minha vida daria um livro,tem detalhes pesados que fizeram comigo,só tristeza.

    Responder
  • 24/10/2019 às 10:58
    Permalink

    Nao existe isso… Eu tenho 34, minha mae 64 anos, e eu nao quero nenhum tipo de contato com ela. Maes sao maes, entretanto, sao seres humanos, sao capazes ou nao de amar. A minha me amou? Noa sei. Bater, trancar comida no quarto, defender namorados que batia nela ao inves da filha, me proibir de levar amigAs em casa qd eu era crianca, me chamar de suja, me proibir de deitar na cama com ela pq eu era suja… Eu nao gosto dela. Nao me sinto feliz de ter a presenca dela e hj honestamente, nao sinto falta. sinto falta de ter uma mae, mas nao essa mae. A reluidade eh dura, a sociedade imprime esse papel de que mae eh sagrada. Sagrado pra mim eh respeito… e isso tem que ser mutuo. As maes que reclamam dos seus filhos, da ausencia, analisem seu comportamento, como dito no texto, eh bom estar perto de quem te traz o bem, nao regalias, mas amor, companheirismo, entendimento na discordancia, respeito pela pessoa que nasceu, pelo individuo. Um filho, nao seu filho. Complexo.

    Responder
  • 24/10/2019 às 20:47
    Permalink

    Em dic Andra Maria Lupu, forma, Andorra la Vella. Després de dotze anys de matrimoni, jo i el meu marit hem estat en una disputa o l’altra fins que finalment em va deixar i es va mudar a Califòrnia per estar amb una altra dona. Vaig sentir que la meva vida s’acabava i els meus fills van pensar que mai no tornarien a veure el seu pare. He intentat ser fort només per als nens, però no he pogut controlar els dolors que turmenten el meu cor, el meu cor estava ple de dolors i dolors perquè estava molt enamorat del meu marit. Cada dia i nit penso en ell i sempre desitjo que tornés a mi, estava molest i necessitava ajuda, així que vaig buscar ajuda en línia i vaig trobar un lloc web que em va suggerir que el doctor Osagiede pot ajudar a tornar ràpidament. . Per tant, vaig sentir que l’hauria de provar. Vaig contactar amb ell i em va dir què fer i ho vaig fer, després va fer un encanteri d’amor. 48 hores després, el meu marit em va trucar realment i em va dir que ell trobava a faltar jo i els nens, així que és increïble. Així va ser com va tornar aquell mateix dia, amb molt d’amor i alegria, i va demanar disculpes pel seu error i pel dolor que va causar a mi i als nens. A partir d’aquell dia, el nostre matrimoni era ara més fort que com abans, tot gràcies al doctor Osagiede. és tan poderós i vaig decidir compartir la meva història a Internet que el doctor Osagiede real i poderós lletre d’encanteri que sempre pregaré per viure molt de temps per ajudar els seus fills en temps de problemes, si esteu aquí i necessiteu el vostre ex. de tornada o el teu marit es va mudar a una altra dona, no ploris més, contacta ara amb aquest potent ruixador d’encanteri. Aquí teniu el seu correu electrònic de contacte a: doctorosagiede75@gmail.com o whatsapp al +2349014523836
    o viber +2349014523836

    Responder
  • 25/10/2019 às 03:57
    Permalink

    Estou a sofrer mt e não sei ovque fazer a tanta dor tive meu filho aos 18 creio comctanto amor e deficuldade semore foi um menino meigo e meu amigo apartir dos seus 15canos conessou a mudar so tinha problemas por causa dele agora tem 19 comessou a fumar drogas eu descobri e tenho tido muitas discoções tinha um dinheiro guardado que venho a ajuntar a um tempo pois o mru proprio gilho rouboumo td e nesse mesmo dia saiu de casa e diz que não quer estar mais com os pais eu chorei e choro sinto saudades do meu filho e não aguento este desprezo dele prefiro morrer que viver assim.Obrigado

    Responder
  • 01/11/2019 às 18:40
    Permalink

    Sou mae tenho duas lindas meninas e um lindo menino e hoje eu sofro pois meu filho de 15anos decidiu sair de casa pra morar com minha irmã e hoje meu filho nem me querer ver nem se querer me fala. Nos maes e pais criamos nossos filhos e depois um dia acontece coisas destas..

    Responder
    • 12/12/2019 às 12:11
      Permalink

      as crianças, jovens sempre tem um motivo, Converso muito com meu filho de 22 anos (eu tenho 39, há uns 2 anos começou a namorar e foi se afastando de casa, de mim e de meu marido (2º casamento), até convidar o pai dele para festas em familia em fiz e faço para velo feliz.Reconheço que sou muita Critica exigente, brinquei pouco com ele quando criança, estava sempre ocupada trabalhando para dar o melhor a ele, e tive que ouvir até que ele não gostava de mim…
      Passei por depressao quando fiquei gravida aos 16 anos…… e isso me afastou… e sabem de uma coisa .. comportamento gera comportamento ….. Hoje não largo minha terapias por nada …..Tento sempre estar ao lado dele quando ele quer , parei de exigir, apesaar de sentir muito a falta do Afeto quem nem mesmo eu dei……
      Fui criada desta forma cokm um monte de irmas mais velhas que tudo o que eu fazia nada era cerrto, sempre tinha que melhorar….. nunca apoiava o que eu queria fazer…..tinha que fazer o que elas queriam e do jetio delas…..
      perdi a emoção do fazer …o prazer…porque não aprendi….. não me deixaram ….

      mas tudo tem um jeito …hoje faço varias terapias para ter minha vida de volta… e procuro não fazer com meu filho menor o que fiz com o grande….

      aprendi que tmos que enxergar as coisas de outro angulo se queremos que elas mudem

      tentem voceis vão conseguir!!

      Responder
  • 05/11/2019 às 11:44
    Permalink

    Hoje em dia está muito mais difícil, pois tudo é levado ao extremo, tudo é tóxico.. Mas e quando a mãe/pai não fez por merecer o desprezo e a indiferença do filho e mesmo assim ainda é tratado dessa forma? Que é o que vejo na família de meu marido. Pelo fato da mãe ser uma pessoa que aparentemente não tem nada pra oferecer, além do amor de mãe ( que pra mim já é o suficiente), ser tratado como se fosse um ser desprezível pelos próprios filhos que a vêem somente como a mulher que mal cuida de si e da casa?

    Responder
  • 05/11/2019 às 23:01
    Permalink

    Olá, gostei do seu texto. Atualmente tenho 23 anos e estou realizada financeira e emocionalmente, mas sofri demais com a rejeição da minha família, especialmente minha mãe e meu pai, fui criada por uma avó, que me fez acreditar que eu “devia tudo a ela” por ter feito o “favor” de me criar, sei que isso pode ser verdade. Porém eu tive que sofri a adolescência (até os 18) aguentando tortuta psicológica de todos os filhos dela que não gostavam de mim, na infância tive que passar por um abuso sexual, além do abuso mental que sofria em casa.
    Sinto falta de ter uma “mãe”, porque de verdade, não tive uma.
    Se alguém quiser conversar/desabafar comigo, aqui vai o meu e-mail.
    bethyduar90@gmail.com

    Responder
  • 07/11/2019 às 17:58
    Permalink

    Meu filho morou comigo até os 17 anos,eu estava passando por problemas financeiros e ele mesmo quiz ir morar com o pai que tem uma condição financeira boa.Desde então ele começou a ficar distante de mim.Um ano depois conheçeu uma moça 9 anos mais velha que ele. Ela por sua vez chama a madrasta do meu filho de sogra. Posta fotos no face e no instagram com a”sogra”sendo que comigo nunca postou. Agora com a chegada do meu neto se refere a ela como “vovó’,não tenho nada contra a madrasta mas acho uma total falta de respeito comigo,cancelei minha conta no face pra não ver mais as postagens ,sofro muito com isso,sei que tudo isso é culpa do meu filho que não tem amor por mim,respeito agente quando ama age diferente . Ele não me procura, eu também não vou atrás é muito humilhante. tenho certeza que fui uma boa mãe fiz o que pude, Sinto muita saudade dele e do meu neto mas não vou forçar a barra, não posso obriga-lo a gostar de mim .

    Responder
  • 07/11/2019 às 23:55
    Permalink

    Boa noite, tenho 42 anos e há vários anos cuido de minha mãe q hoje tem 70 anos., que mora comigo. Minha mãe teve dois casamentos, sou filho do primeiro, e um irmão, meu pai (falecido ) era extremamente agressivo, alcoólico, cresci num ambiente de sofrimento, apesar de nunca ter feito nada de ruim, meu pai não gostava de mim, e de todas as agressões, a psicológica era a pior. Quando eu tinha 20 anos, motivei minha mãe para se separar, foi o que fez. Sempre tive depressão, fiz muitos anos de terapia. Minha mãe se casou novamente, ñ deu certo e separou novamente. Há 4 anos, a trouxe p morar comigo, diabética, hipertensa, c depressão, desenvolveu uma doença neurodegerativa, antes mesmo de vir morar comigo. Eu trabalho muito, moro de aluguel, eu e ela. Apesar de ter dois filhos, meu irmão nunca a procura, estou numa fase de esgotamento físico e mental, bem cansado. Vou ao médico c ela, muitos, exames, sempre que posso estou em casa. Ñ posso dizer que é falta de amor entre nós, mas minha mãe ñ se cuida, ñ se alimenta direito, até p os banhos preciso cobrar, ñ tenho ninguém p me ajudar e quando a contrário, ouço coisas como: Eu sei que você quer se livrar de mim. O fato é que é claro que precisa de cuidados, mas eu estou cada vez mais cansado, e muito desanimado c minha vida. Ñ sei muito o que fazer e ñ tenho tempo p mim, preciso de ajuda.

    Responder
    • 08/11/2019 às 20:55
      Permalink

      Olá! Entendo perfeitamente a sua queixa! É muito angustiante cuidar de uma mãe nessa situação, pq na verdade torna-se um desgaste sem nenhum retorno positivo, uma vez que ela mesma não tem interesse.A sua parte está ok, mas tome muito cuidado pq isso contagia e nos adoece! Procure um momento SEU, faça algo por VOCÊ. Cuide-se! Vc precisa de algo prazeroso: caminhar, academia, terapia, cinema, ler..
      Foque na sua existência, no seu bem estar. Deus o abençoe e ilumine por melhores dias! ⭐

      Responder
  • 08/11/2019 às 18:14
    Permalink

    Observo tantas pessoas expondo suas tristezas por causa de filhos, nem sei se teremos resposta do responsável do site, eu pelo menos gostaria muito de obter uma resposta para quem esta fora da situação.
    Eu tive meu filho aos 26 anos, mas de uma relação mto conturba. Casei e td fui mto difícil em todos os aspectos. Onde fui mto sozinha, o primeiro filho, primeiro neto de ambos os lados e em momento algum tive uma mão amiga por parte dos avós paternos. Minha mãe faleceu qdo eu tinha 15 anos, meu pai foi um problema na minha vida e na vida da minha outra irmã, pq se envolveu com uma das melhores amiga da minha mãe. Então por aqui vcs podem ver o qto foi díficil enfrentar tudo e sozinha, pq meu ex-esposo era mto ausente. Eu, com uma criança que não dormia, não comia nada de comida de sal e, eu tinha que trabalhar para não nos faltar nada, pq o pai não tinha responsabilidade. E eu me via e vivia um desespero.
    Meu filho se tornou uma criança, mto levada, onde eu não podia viver batendo nele, mas sempre brigando, ensinando, impondo limites e o que eu sempre julguei correto eu o fazia a fazer. Eu ficava mto mas mto triste, pq as pessoas falavam mal dele, e qual mãe gosta de ouvir isso.
    Hoje ele esta com 27 anos, esta se formando em psicologia, é primeiro sargento da marinha.
    Mas qdo entrou na adolescência, ficou aos extremo se isolando da família, sempre procurei conversar e dizer o qto era importante a convivência em família, mas ele sempre se negava a isto. Não sei se ele ficou assim com o nascimento da irmã, que tem uma diferença de 11 anos. Sei que não sou perfeita, mas fiz o meu melhor, nunca me achei perfeita. Td o q fiz foi pensando em acertar. Cheguei até na época coloca-lo na terapia, mas não vimos resultados e saiu. Teve “n” notas baixas nesta fase da vida, não queria estudar, as notas eram as mais baixas possíveis. Qdo ia para as provas finais, as notas eram as melhores. Então as vezes eu o via como se quisesse me desafiar sempre. Aquilo me preocupa e eu sempre falando para ensina-lo, hora irritava, outra eu chorava, pq não tinha ninguém para me ouvir e ajudar. Até q o intimei a prestar o concurso militar e dizendo q se passasse, poderia fazer um pé de meia, e depois partiria para algo do seu agrado.
    Foi aí q ele passou, foi, e se afastou de todos os familiares e hoje já casado ficou chateado comigo, me disse coisas q eu fiquei magoada, pq tive umas trocas de mensagens no zap com a esposa, ela entendeu mal o q eu quis dizer, e não fala mais comigo já tem uns seis meses.
    Sofri muito mas entreguei a Deus e disse em minhas orações que talvez um dia qdo ele for pai. Mude a forma de ver e pensar. Pq eu fiz a minha parte tentando acertar e com um medo enorme de errar, pq eu não querida na família do pai dele. Ele era criticado por todos por ser levado e eu sofrendo por varias situações. Mas a vida taí para ser vivida, se acha q é assim q é o correto. A vida se encarregará de mostrar a verdade, pq somente Deus sabe o que passei para ele se tornar o homem que ele é hoje.
    Eu o vejo integro, honesto, responsável e um ótimo esposo. Então penso que quem sofre é ele, e isto somente ele pode mudar, começando a abrir o coração para colocar para fora aquilo q o perturba.

    Responder
    • 19/06/2020 às 10:09
      Permalink

      Norma, entendo o que sente.
      Meu filho não fala comigo há 9 anos. E eu não sei o que eu fiz.
      Sou mãe, não sou perfeita. Se não fiz o melhor, era o melhor que eu tinha.
      Meu menino é o mais velho de 3 filhos, hoje está com 28 anos.
      Me relaciono muito bem com minhas filhas mais novas, 24 e 26 anos e sempre tive um ótimo relacionamento com todos os 3. Pelo menos era o que eu pensava.
      Hoje meu filho mais velho me bloqueia no Facebook, no Whatsapp, não atende minhas ligações. Não permite que eu me aproxime, que eu veja uma foto dele, que eu ouça a sua voz e eu só queria ter a chance de pedir perdão, seja qual for o motivo.
      Meu amor pelos meus filhos é incondicional e sempre foi. Fiz o melhor que eu pude, amei, abracei, brinquei, conversei, cuidei. Eu era separada, sempre trabalhei, mas nos passeios da escola eu estava lá, dando tchau na janelinha do ônibus quando partia e estava lá, quando o ônibus chegava. Nas festinhas do dia das mães, eu estava lá e que se dane se eu chegasse serviço às 11 horas. Meus filhos sempre foram prioridade pra mim.
      Mas na adolescência, ele já dizia que sairia de casa quando completasse 18 anos. Eu não dava importância, mas falava para ele não dizer isso. Mas ele se foi. Quando completou 18 anos foi morar com o pai e nunca mais voltou, e nunca mais falou comigo, nunca mais atendeu minhas ligações. Saiu de casa e da minha vida.
      O pai dele poderia ter feito algo para mudar essa situação, mas nunca fez, achava que ele era maior de idade e que tinha suas escolhas (!!!). E já se passaram 9 anos. E eu não sei o que eu fiz.
      Eu morro todos os dias. Não tenho acesso nenhum ao meu filho. O máximo que consigo é mandar emails dizendo o quanto eu o amo, o quanto eu preciso ouvir sua voz, mas nem sei se ele lê.
      Me agarro em Deus para não perder o equilíbrio, para não me perder no meu desespero, tenho mais 2 filhas e por elas, preciso estar em pé.
      Meu filho se formou e eu não pude lhe dar um abraço. É determinado, tem um bom emprego, está morando e trabalhando em outra cidade, tem sua independência e um seu cãozinho. Nunca mais quis contato comigo, nunca mais me permitiu que eu o visse, que eu ouvisse a sua voz. Ele só vai na casa da minha mãe se souber que eu não estarei lá. E eu nunca soube porquê.
      Às vezes eu acho que nunca mais voltarei a ver meu filho, que devo me conformar, que gracas a Deus ele é saudável, inteligente, está conquistando suas coisas, e se ele está feliz, é o que importa. Mas me desespero com a idéia de nunca mais ver meu filho. De verdade? Eu nunca vou desistir dele. Nunca vou deixar de tentar um contato, de escrever meus emails, mesmo que ele não os leia, mesmo que ele.nunca volte pra mim. Mas desistir de um filho? Como é isso?
      Acreditar que um dia ele vai voltar pra mim, é o que me dá força, é o que me alimenta. Peço a Deus todos os dias que abrande o coração do meu filho, que traga ele de volta pra mim. Peço à N. Sra, que é Mãe, que o cubra, que o proteja, que o faça feliz.

      Responder
  • 12/11/2019 às 11:44
    Permalink

    Verdade. .
    Tudo que os pais quer ver seus filhos Feliz. .Quando eles encontram outra pessoa na vida deles..começar tudo dar errado…Até dia hoje..geração da Internet tomou conta da vida deles. .Eu olhei minha mãe 23 anos. .Separei. .Não me arrependo de deixar minha vida pra olha..Tenho dumas filhas..Tenho 64anos .hoje sofro não tenho lugar pra morar preciso de um canto para fica. Coloquei elas nas mãos de Deus. ..Já passei uns momento difícil. ..Olho por céu agradeço a vida que Deus me deu…Eu acho que os pais tinha que GOSTA dos filhos nem ama…sofremos menor. ..

    Responder
  • 16/11/2019 às 04:47
    Permalink

    Eu acredito que há um erro lá…lá atrás na cultura dasfamílias!
    Se não recebeu amor, não sabe doar amor!

    Responder
  • 19/11/2019 às 03:51
    Permalink

    Cobrar dos filhos, torna os pais pessoas insuportáveis? É errado cobrar dos filhos? Filhos querem viver sem regras. Dormir até tarde, nao cumprir horários, não colaborar com as tarefas dentro da casa. Isso é que filho gosta. É errado exigir que o filho ajude nas tarefas de casa, que cumpra os horários, que não durma até às 2 horas da tarde? Que tipo de adulto irresponsável vai ser um filho criado sem regras?

    Responder
  • 19/11/2019 às 12:13
    Permalink

    Amei esse texto ele relato algo que vivo minha vida com um pai tóxico, absivo,mentiroso, invasivo minha vida toda uma pessoa que nunca teve respeito nenhum por mim, me expoe emqualquer situacao, fala mal de mim, me atrapalha profissionalmente, invade minha vida pessoal, profissional como se ele tivesse o direito porque é pai, sempre com mtos gritos, e mtos abusos verbais, o pior de tudo é a exposicao de coisas intimas para qualquer pessoa ele conta tudo que acontece dentro de casa para todos, sem nenhum respeito, por eu ser filha e mulher, eu não o amo tenho nojo dele , aversao ao ser podre mentiroso que ele é , fico me perguntando como chegou nessa situacao ele é um doente e eu tenho vontade de ticar longe dele todos os dias, nunca fui feliz morando com ele , sempre fui um martirio pra mim morar com ele uma pessoa tao nojenta como ele.

    Responder
  • 21/11/2019 às 15:04
    Permalink

    Estou vendo muitos comentário e uma coisa que ajuda MUITO é estudar constelação familiar. Na adolescência é normal os filhos se afastarem dos pais em busca da sua independência, e no caso das meninas e meninos com o despertar dos hormônios há um afatamento natural dos pais até como uma forma de proteção. A Constelação Familiar, uma teoria filosofica terapuetica descoberta pelo alemão Bert Hellinger, explica que as meninas nessa idade começam a brigar e se afastar dos pais e o filhos se afastam das mães, até mesmo entrando em atritos sérios como uma forma insconsciente de para bloquear uma possível atração sexual (que se acontecer gera os complexos de édipo – filho que se apaixona pela mãe – e eléctra – filhas que se apaixonam pelos pais).

    Essas “crises” entre pais e filhos se intensificam sobremaneira a partir da pré-adolescencia. TODA criança passa pelo afastamento e a procura do mundo, dos amigos, dos parceitos romanticos pois nessa idade é que começam a se ver como indivíduos em busca de sua identidade própria e NÃO de ser o que os pais querem que elas sejam. Não tem como evitar. Se não há o afastamento aí é que há algo errado.

    Filhos são criados para o mundo. Até a Biblia e outras vertentes religiosas falam que o homem e a mulher deixam seu pai e sua mãe para se juntarem um ao outro. Eles devem horá-los, mas não ficar pra semre debaixo de suas asas. Os pais precisam aceitar que, assim como eles se afastaram dos seus próprios pais, seu filhos farão o mesmo porque faz parte da VIDA e que cada criança é ÚNICA e que não vai ser o que eles planejaram, mas sim o que eles querem ser.

    Tenho 26 anos e minha mãe 52. Nossa relação não é fácil. Vejo os discursos de vocês pais e vejo o que a minha mãe sempre fala. Vejo o discurso dos filhos e falo a mesma coisa. Há momentos que sufocam! Eu passei a vida inteira tendo que “brigar” com minha mãe para fazer as coisas que eu queria e que não são as que ela mais aprova. Em contrapartida eu também disse a ela coisas que doeram, que minha vó era mais mãe pra mim que ela, etc. Ela não entende a frustração que sinto por ter essa idade e ainda não ter minha independência. Não é questão de ingratidão, mas eu preciso ter o meu espaço e viver a minha vida. Ao mesmo tempo que ouço ela reclamar que não dou atenção, não valorizo, não compartilho as coisas, todas as vezes que tentei compartilhar algo ela me criticou. Se eu choro ela não me acolhe, diz que é uma frescura. E já teve coragem de dizer mais de uma vez que não vê sinceridade no meu abraço, que ele é “falso”, ou seja, ela quer a atenção, mas quando dou ela não aceita, eu quero poder compartilhar e ter uma mãe que apoia, mas ela só apoia o que concorda e não me deixa ser eu mesma…. Uma relação assim é insustentável. Ela reclama que faz tudo por mim e cobra, mas quando eu tento fazer algo por mim sozinha estou sendo egoísta e não aceitando ajuda. Eu não consigo entender. No final das contas nada nunca está bom. Uma vez ela chega chorando e dizendo “você não vai me abandonar quando eu ficar velha vai?” e no outro dia a gente briga e ela diz “Dá um jeito de sair de casa que não vou mais aguentar isso” e eu quero sim sair da casa, mas a condição não permite.

    E é horrível estar com quase 30 anos e ainda ter que seguir as regras dela, por estar morando aqui. E ser tratada como adolescente… Não existem famílias sem problemas. NÃO EXISTE. Até as chamadas “estruturadas” sempre vão ter conflitos entre pais e filhos porque é algo INEVITÁVEL.

    Pais o filhos não são SEUS, eles são temporários e quanto mais vocês quiserem os prender MAIS eles vão se afastar. Quando mais cobrarem retorno ou fazerem coisas por medo de perde o amor ou por querer o amor deles não vai funcionar. Eu amo minha mãe, mas odeio quando ela faz tudo por mim só pra “esfregar” na minha cara e cobrar uma gratidão que não vou ter quando ela faz algo sem eu pedir e que eu não quero!!! E eu sei que ela tá se esforçando MUITO para aceitar que a minha vida é minha e que não vou ser do jeito que ela sonhou.

    Ela fala que queria uma filha que fosse amiga dela, mas sempre que eu tentei ser amiga ela me dava lição ou desdenhava minhas dores, outra vez ela falou “eu queria que você falasse disso e disso comigo”, mas eu não sentia confiança pois eu não podia dizer o que eu queria falar por medo de crítica, sempre por medo do que ela ia criticar.

    Acabei me fechando e sempre ficando na defensiva. Eu queria mais carinho, mais beijinhos, mais cafuné, mais compreensão quando eu fosse dizer algo, mas ela disse que “não é esse tipo de mãe”, ou falava que já tinha tido minha idade e desconsiderava minhas dores. Ela não é quem eu queria que ela fosse e eu não sou quem ela queria que eu fosse e a vida segue assim, tendo dois lados SEMPRE.

    Isso não impede que nos amemos profundamente, é uma relação de amor e desavenças, mas é uma relação. O oposto do amor é a indiferença e quem AMA de verdade não espera retorno, quem espera retorno é carente e egoísta.

    Eu estou me esforçando para aceitar que ela me dá o melhor que pode sabendo que eu dou o melhor que posso e sem me cobrar tentar ir além do meu limite e parando de cobrar dela mais que o limite dela (ainda que ela me cobre ainda). Só posso mudar minha atitude, não a dela. Estamos evoluindo juntas, aos trancos e barrancos, com muitas palavras de amor seguidas de “tapas”, mas isso faz parte.

    Responder
  • 25/11/2019 às 10:09
    Permalink

    Os tempos mudaram, os filhos de hoje são muito dramáticos não gostam de ser reprendidos, eles não aceitam, e por mais que vc faça eles poucos reconhecem, fui criada a moda antiga meu pai não era carinhoso, mas me deu uma boa educação moral me me ensinou valores. Não sou revoltada com meus pais, pelo contrário sinto falta deles. Tenho irmãos que tinham raiva do meu pai, vái de filho para filho. Tenho 3 filhos minhas duas filhas nunca aceitaram ser empreendidas. Meu filho ja de um outro relacionamento é bem diferente somos amigos, fica chateado mas depois passa, pede desculpas, nos damos muito bem, sou separada do pai das minhas filhas isso tb atrapalhou na educação delas. Por mais que seja difícil e me doa, eu percebi que eu tenho que mudar, fiz o meu melhor. A mais velha gosta mais de ir na casa da sogra, a mais nova falou que não sabe se vai passar o natal comigo ou com a irmã. Ambas são casadas. Ja falam que a culpa é minha, fiquei chocada, mas hoje entendo as coisas acontecem porque permitimos, não é os outros que tem que mudar somos nós, estou procurando gostar mais de mim mesma fazer o que gosto e começar a viajar. Só lembram e vão lembrar de mim na hora difícil. Graças a Deus tenho um filho muito apegado a mim carinhoso, ele já viu a irmã brigar comigo por nada, e me deu a maior força. Tenho muito orgulho dos meus filhos, amo eles de montão. Faça o seu melhor mas não espere nada em troca não crie espectativas. Filhos são diferentes um do outro.

    Responder
  • 25/11/2019 às 10:20
    Permalink

    Os filhos falam que a gente pega no pé, que eles tem que o espaço deles etc. Só que fazemos isso porque amamos e queremos o melhor e sabemos que certas atitudes estão erradas, aos pais cabe educar ensinar.
    Depois que quebram a cara vem pedir ajuda, não era melhor ter evitado.
    Nem tudo tem concerto, não fazemos milagre.
    Podemos ser amigos de nossos filhos? Sim.
    Mais em primeiro lugar somos pais

    Responder
  • 26/11/2019 às 04:07
    Permalink

    Meu filho tem 16 e mora com a mãe. Ele me excluiu da sua vida. Continuo dando amor e buscando reatar o contato com ele. Nada. Ele nem atende os tels ou mensagens. Me sinto sem filho e percebo que ele, se sente sem pai. A mãe é castradora, arrogante. E ele, muito ansioso. Decidi estar longe.desse filho para reduzir sua ausência.

    Aproveito para agradecer a todos que deixaram os depoimentos. Foi importante ler cada um. Refleti sobre mim como pai e como filho, sobre meus pais. Estou deixando o tempo agir. Mas dói.

    Responder
  • 26/11/2019 às 04:10
    Permalink

    Sou um pai órfão de filho que cansou de buscar aproximação. Amo meu filho e isso, é imutável. Eu o vi nascer! Acredito que tudo a seu tempo. E não chegou para mim esse tempo ainda. Namaste.

    Responder
  • 27/11/2019 às 04:51
    Permalink

    Li cada relato e sofri com cada um, é muito triste ver que tantas pessoas estão sofrendo por falta de amor, palavra tão pequena mas q tem um efeito grandioso.
    Penso q estamos vivendo um tempo relatado na palavra de Deus, peço que leiam e reflitam, jamais se culpem por amar, quem ama não erra. Precisamos aprender a nos perdoar, esquecer o q se passou porq sim somos falhos mas se estamos vivos , podemos melhorar a cada dia. Abç a todos.

    “Lembre-se disto: Nos últimos dias haverá tempos difíceis. As pessoas serão egoístas, avarentas, orgulhosas e arrogantes. Elas falarão mal de Deus, desobedecerão aos pais, serão ingratas e não se incomodarão com as coisas de Deus. Elas não terão amor pelos outros, não perdoarão a ninguém, serão caluniadoras, não terão domínio próprio, serão cruéis e inimigas do bem. Elas também serão traidoras, atrevidas, estarão cheias de orgulho e amarão mais os prazeres do que a Deus. Elas farão de conta que são religiosas, mas rejeitarão o poder da religião. Afaste-se dessas pessoas!”
    ‭‭Segunda Carta a Timóteo‬ ‭3:1-5‬ ‭VFL‬‬
    https://www.bible.com/200/2ti.3.1-5.vfl

    Responder
  • 27/11/2019 às 10:19
    Permalink

    Também passo por situação parecida, como sou espírita imagino algo relativo à vidas passadas mas não posso deixar de cogitar um problema em seu psicológico causado pela separação dos pais, ou seja, minha e do pai, sendo que na época ela tinha sete anos.
    Minha filha que tem hj 19 anos me trata com frieza, indiferença, ano passado fui fazer carinho no cabelo dela ela tirou minha mão, segurando-a com as pontas dos dedos, como se fosse algo nojento a encostar na cabeça dela, e pôs para o lado, sem falar um único A, foi a última vez que fiz isso sem motivo, aliás mãe arruma motivo para querer fazer carinho no filho?
    Estou procurando tratamento psicológico para ela, as vezes me vem a ideia de ela tb ter uma personalidade sociopatica, ou seja, em grau mais leve que a psicopatia, até porque no dia em que fez 18 anos bebeu muito e disse que não amava ninguém no mundo, apesar de que para com o pai as demonstrações de afeto são intensas então o comentário dela sobre não amar também me confunde. Bom, o afeto dela por mim é zero, apenas quando quer algo de mim se mostra algo mais comunicativa, mas atendido seu desejo, que pode ser uma simples carona, volta a ser uma geladeira. Me humilha, me desqualifica, enfim, mas hoje mais que tudo me trata com indiferença, como se eu fosse um mal necessário na vida dela. Faço as coisas porque sou mãe, mas já perdi vontade de fazer muitas coisas com ela, na verdade só ficamos juntas quando há um interesse dela em algo, e infelizmente já não sei o que sinto por ela mais e me sinto culpada por isso também. Mas imagino algo como uma expiação, algo a remir por débitos passados, e também como prova. Deus que sabe.

    Responder
  • 28/11/2019 às 08:30
    Permalink

    Gostei muito do texto… tenho 33 anos e 2 filhos… faz mais d 5 anos q meu pai não me reconhece como filha pelo simples fato de eu ter casado com meu atual marido…. minha mãe até fala comigo mas sinto que é pela minha filha mais velha q é fruto de um ex relacionamento, meu filho mais novo ela não considera neto e nem quer saber do pequeno… eu nao faço questao de tentar aproximaçao com eles, me deram um bom colégio me ajudaram até o momento que decidi ir atras da minha felicidade e me casar com quem eu realmente amo…. pra eles isso foi um absurdo pois vivem de aparências… eu acredito que assim como existem filhos que nao amam os pais existem pais que nao amam os filhos…. Hoje em dia eu tenho respeito por eles, mas amor não tenho, e deixo bem claro para meus filhos os motivos que fizeram a gente se afastar… e se alguem se perguntar se meu marido em condiçao de padrasto é ruim p minha filha eu respondo…. nao, os 2 tem amor de pai e filha um pelo outro…

    Responder
  • 02/12/2019 às 16:56
    Permalink

    Pedi meu logo depois de nada E a 19 anos vivo cm meus irmão e meu padrasto e minha mãe….. Eu amo ela de mais Mas depois dos 15 anos as coisas foram mudando descobri q meu padrasto trai ela eu fui ficando meio revoltada pq independente do que acontece ela sempre fica do lado dele… Samos 5 irmão tirando a mais novinha inocente ainda foras os outra nós 4 n gostamos dele pelo oq ela faz cm ele já dissemos a ela oq ele faz e mesmo assim ela preferir ficar do lado dele…em outras situações a minha mãe gosta muito de fazer drama pra parente q chega aq em casa chora faz de tudo nos filhos as meninas no caso eu e mais uma, estamos sempre em casa ajudando no que pode e ela nunca e grata pelo oq fazemos mas no dia q vc deixar de fazer algo vc é a pior pessoa vc n ajuda vc n faz nada e a gente se sente magoado tbm as vezes acaba respondendo e eu sempre fui a mais afastada de todas pois já passei por situações aonde já fui quase estrupada e minha mãe preferiu acreditar no agressor do q em mim em geral n saiu de casa n converso cm essas pessoas q tentaram algo cmg comprimeto por educação…… Mas pode ser algo de errado em mim ou é a carência q sinto por nunca em algo q precisei da atenção de mãe amiga protetora e ele sempre foi proteger meu padrasto hj em dia n sou uma pessoa amável e carinhosa tô sempre estressada e irritada ouvir ele sempre me xingando cansou minha alma eu perde toda a vontade de viver por sentir inútil diante dos olhos dela meu único desejo e trabalhar e sair de casa e viver uma nova vida dedicar a sonhos q tenho….alguém me ajuda me dá um conselho posso estar errada tbm mas acima disse quero melhorar minha relação cm ela já perdi um pai n quero perde minha mãe para um cara q sinto q faz ela se virar contra mim Deus me ajude pq a forma q estamos não faz bem a ninguém eu sinto q eu qm mais perco com tudo isso.

    Responder
  • 03/12/2019 às 15:06
    Permalink

    Eu espero que para essas mães verdadeiras heroinas que fizeram tudo, emprestou seu corpo para poder nascer nesse mundo, que deu carinho e muito amor, alimentos, escolas e cursos e mais cursos caríssimos, que perderam até mesmo seus empregos devido a certas atitudes dos filhos, que perderam até mesmo a sua dignidade por estar desprovidas de bens materiais e imateriais sejam protegidas por Deus. E aquelas pessoas que fazem tanto para prejudicar sua vida, passem pelo mesmo. Seja nesta encarnação ou na próxima e experimentem oque é a dor.

    Responder
  • 06/12/2019 às 05:54
    Permalink

    Eu queria ler um relato de pelo menos uma pessoa dizendo….”…tá meu filho foi horrível comigo ..ingrato, hostil, ausente etc…mas depois de x tempo isso mudou e agora tá tudo bem….” Tenho a impressão que não sabemos criar nossos filhos e parece algo que não tem cura. Espero estar errada.
    Tenho fé.

    Responder
  • 13/12/2019 às 02:38
    Permalink

    “Mãe não tem limite, é tempo sem hora, é luz que não se apaga!”

    Saudades imensas da minha mãe. Minha mãe me escolheu, ela me quis ao me adotar. E no seu último suspiro eu estive ao lado, certo de que um dia, na realidade celeste iremos nos encontrar. Depois de anos estabeleci contato com quem me pariu. Jamais será a mesma coisa. Tenho profunda gratidão e respeito, por ter me proporcionado ter sido escolhido pela minha mãe. Quero adotar mães emocionalmente, lhes escrever, lhes ouvir, se sentirem o chamado no coração me escrevam. Segue contato: jeansantincwb@gmail.com. Deus as abençoe com ternura!

    Responder
  • 15/12/2019 às 02:13
    Permalink

    Sempre quando todos falam em amor , penso. Onde … o que é , esplique o amor .
    Acredito que em todo o planeta onde florestas , animais , alimentos saudaveis e familia socubem , para mim o mais sensato é trocar este nome tao inesplicavel e inesistente por justiça .
    Dentro deste padrao justo um para com o outro respeitando a individualidade absoluta dos fatos e separar-los de pessoas mesmo que a estes tenham o nome de filhos .
    Ha um padrão maior de existencia que todos os titulos .nada é igual dentro do estado de permanencia .
    Nunca pais deveriam sentir-se escravos ou empregados de seus filhos , se nao seria o proprio engano do desejo da cobrança ao repetir o Tudo que fiz por voçê , e mais tarde tornando -se refens do tempo de seus filhos .
    Tudo é natural quando buscamos a nos mesmos …nosso Eu , que sempre foi mas deichou -se esquecido para sermos chamados de pais , ou seja .Se reencontre não somos só pais .
    Ainda somos nos , sim Eu !
    Pais são projetos de curta duração .
    E não necessariamente a obrigação do tal amor , obrigações de devoluções de afazeres do passado .
    Talves tanta dor seja por não poder no momento estar se encontrando como a pessoa que realmente somos , mas sim como pais.
    FILHOS , nunca esquecerão suas memorias ; mas sem titulos ficamos todos iguais . Pais e filhos .

    Responder
  • 15/12/2019 às 15:40
    Permalink

    Nada mais justo, quem bate em crianças inocentes na infância, sofrerá a violência do desprezo e do silêncio na velhice. Uma porta fechada na cara, um telefonema jamais atendido, uma visita nunca feita servirá para lembrar ao pai ou a mãe que fora violenta o mau que causou.

    Responder
  • 17/12/2019 às 11:44
    Permalink

    Vou falar um pouco sobre mim como filha…
    sou a mais velha de 3 (sendo q os outros 2 são homens)… Minha mãe, não posso negar, sempre fez muito por mim e meus irmãos, ela trabalhava desde os 7 anos de idade, e por tudo que já fez, eu sempre a admirei e busquei ser batalhadora como ela. Tenho planos grandes na minha vida e sempre Coloquei meus pais no centro desses planos pq investiram muito em mim todo o tempo, então sempre sonhei em tudo que faria por eles. Na adolescência fui uma filha rebelde, mas depois q casei e hj sou MÃEdrasta de 3 meninas, fui vendo o valor da família, mesmo distante sempre procurei ligar, fazer planos de viagens juntos, de ir lá 1x por ano p ver todo mundo, enfim. Infelizmente eu e minha mãe brigamos pq depois de anos casada quis se separar do meu pai q está doente… E nosso relacionamento nunca foi de uma amizade entre mãe e filha, eu tinha muita admiração por ela e pelo fato de ela me dar o necessário para minha formação era muito grata, mas ela sempre amou mais o filho mais novo (não é ciumes). Eu era a única filha mulher q ela tinha e passei por tanta humilhação na casa dos outros p estudar fora, ia a pé p o colégio p economizar nos passes e poder ter algum lazer pois não queria pedir dinheiro a ela p essas coisas já q dava duro p eu ter um estudo de qualidade. Porém quando meu irmão mais novo foi morar comigo, percebi a diferença… Minha mãe passou a ir mais vezes lá no ano, deu um carro para ele ir p faculdade (porém como ela tinha me dado uma casa, até ali estava tudo bem)… com o tempo ela dava dinheiro para ele sair todo final de semana, quando eu brigava com ele para que ele fizesse algo dentro de casa ela dizia que eu era estressada e estava criando caso. Se eu quisesse uma casa limpa, eu teria q ser a empregada dentro de casa, pq ele n fazia nada e o carro dele nunca me serviu, mas morava na minha casa e aii de mim se eu pra me vingar deixasse ele na rua. Casei e fui embora de lá, ia 1x por mês apenas. Meu irmão se apossou de todas as minhas coisas, inclusive do meu quarto e cama, quando reclamei foi uma briga, e ela ficou do lado dele.Percebi q toda minha vida sempre foi assim, tinha q dar meu gás p ser reconhecida e valorizada, mas o meu irmão tinha tudo de mão beijada. O q eu fiz por minha mãe ficou lá no passado, depois q meu irmão ficou c essas obrigações, ela só o elogiava… Mas comigo não passava da minha obrigação. Depois q brigamos pq ela queria se separar, ela não fala mais comigo… a casa q ela me deu, meu irmão mora e se eu tira-lo de lá, serei taxada de péssima filha e irmã. Moro de aluguel. Minha mãe fala c meu marido, o trata como filho… Mas a mim não. Eu imagino q uma mãe q tem uma filha mulher deveria querer protege-la, deixá-la linda, até mimar mais ela do q os filhos homens. Mas não foi assim comigo. Pensei q c o tempo mudaria, mas não mudou e nunca mudará. O carinho e aconchego q ela deveria ter me dado, ela deu p meu irmão e depois dele, deu para uma menininha q ela meio q criou… Se eu disser algo, ela diria q é ciúmes da minha parte, mas não é, eu apenas percebo a diferença. De tudo que ela me deu, só me aproveitou a minha formação, pq até a “familia” ela quer destruir se separando.

    Responder
    • 22/12/2019 às 14:15
      Permalink

      Lendo aqui me vi em mtos relatos,estou tão triste magoada sabe Tenho 2 filhos Uma filha de 31 anos e um filho de 22 criei os dois igual com muito carinho amor sempre me deixei de lado pra dar a eles,minha filha se formou em Química hj casada feliz sempre educada comigo amável,mas o filho é diferente comigo,ele tb faz Química se forma em 2020 estudioso educado com todos mas comigo não,ajudo o em td qdo precisa corre a mim..depende de mim ora td,mas me humilha me ofende c palavras diz q me odeia diz q se eu morresse seria o dia mais feliz da vida dele,não consigo entender pq sempre fui presente na vida dele só dei amor tô tão triste nesse momento magoada sem falar c ele é ele sem falar comigo pq sexta feira ele me ofendeu demais..disse coisas q nem a pior pessoa na face da terra ouviu,sabe por nada..veio c ofensas,palavras ofensivas machuca mais q tapas..tô mto triste pensando onde errei e não consigo achar onde…sempre fui uma mãezona nunca faltei em uma reunião escolar mesmo ele já adulto faço td por ele sei lá…

      Responder
  • 20/12/2019 às 15:19
    Permalink

    Li alguns comentários dizendo que é ingratidão ou egoísmo, mas como filha não vejo por esse lado e acredito que cada caso é um caso, generalizar é burrice. Tenho afeto pelos meus pais sim, porém não demonstro, fui criada de forma a não demonstrar. Toda vez que beijava a minha mãe quando criança, ela pedia para parar pois ela não gostava e assim os anos se passaram e deixei de mostrar afeto.

    Meu pai há alguns anos atrás queixou-se com a minha mãe sobre isso, dizendo que me tornei uma pessoa fria, mas ele me ensinaram a ser assim, porquê me cobrar algo que sempre pediram para não fazer?

    Quando estamos em crescimento, nossa cabeça muda, tudo muda, até a percepção sobre o relacionamento dos nossos pais, antes achava que era tudo ok, se amavam e tal, mas um belo dia meu pai chegou e me disse que não gostava mais da minha mãe como mulher e isso na cabeça da única filha mulher da casa, foi um baque. Isso é uma das coisas que jamais devem ser ditas para os filhos, a imagem que temos da perfeição dos pais simplesmente desmorona e aí começam os “problemas”. Fiquei me questionando por que isso se tornou assim. A resposta: O tempo, o desgaste, a rotina. Hoje, sei que estão casados por conveniência e vivo no meio das brigas, tento ouvir os dois lados sem me meter, mas isso me faz mal. Me chateia, entristece, aborrece, pois é uma situação em que não posso me meter. A questão é a paciência, escuto e fico na minha, logo passa e eles se resolvem.

    Mas a cada dia que passa, quero me manter o mais distante possível, e essa necessidade passou para o lado físico. Não porque não os ame, mas sim para que eu precise respirar para não pirar diante de um casamento de 45 anos completamente falido que se sustenta apenas por conveniência, pois o respeito, acabou a muitos anos.

    Meus irmãos não participam, saíram cedo de casa, o mais velho por mais que diga que não, ele tem rancor do meu pai desde a época da adolescência, quando meu pai cobriu ele de pancada por estava usando drogas, sendo que o mais novo também estava e ele sequer encostou um dedo.

    Alguns pais tratam os filhos de formas diferentes sim, por mais que digam que não e isso é um dos motivos pelos quais os filhos se chateiam ou ficam com raiva, esses sentimos não são trabalhados da forma correta e logo o rancor aparece e se instala.

    Acredito que sentimentos mal trabalhos tendem a levar as relações de pais e filhos chegarem a tal ponto, principalmente de um matar o outro. Enquanto o orgulho falar mais alto, essas relações continuaram acontecendo. Hoje tenho uma família que não quer estar junta, principalmente em fim de ano, minha mãe ainda tenta unir, meu irmão mais velho faz a média pra fingir querer todo mundo perto dele e o do meio e eu não fazemos questão de estar na presença do mais velho.

    Poderia ter tudo sido resolvido se fôssemos abertos e conversássemos? Talvez, mas agora depois de velhos (temos 44, 41 e 31 respectivamente), não temos mais paciência um com o outro e preferimos nos manter afastados, não sentimos que temos espaço e somos respeitados do jeito que somos um pelo o outro e assim a vida segue para nós 3. Talvez meus pais tenham falhado no quesito união com a gente, mas sabemos que a culpa não é inteiramente deles.

    O sentimento de afastamento não vem porque não os amo, mas sim, por que preciso do meu espaço justamente para que o sentimento não se apague. Sei os sacrifícios que fizeram por mim e por meus irmãos, não se trata de ingratidão ou egoísmo e sim, deu ma paz que infelizmente, na casa deles, não encontro mais.

    Mas jamais, irei mal trata-los ou deixar desamparados, acima de tudo, são meus pais, com todos defeitos e qualidades, acertando ou errando, tentaram fazer o seu melhor.

    Responder
  • 29/12/2019 às 01:08
    Permalink

    Tenho 40 anos 1 filho de 20 anos! Sempre fui presente na vida dele e ainda continuo sempre,fazíamos programas juntos praia cinema viajem q ele mesmo escolhia claro dentro das nossas condições ,qd fez 15 anos tudo foi mudando meu filho já não era mais o mesmo amizades bebidas drogas foram sendo prioridades em sua vida! Tento conversa aconselhar mais não adianta ele logo grita o diálogo se torna difícil! Sua personalidade muda a todo tempo não quer nada com estudo nada com trabalho! Mais sinto nele que precisa de uma ajuda pisicologica aí com muito custo levei ao pisiquiatra mais o remédio q passou ele ficou pior levei na pisicologa ficou ainda pior difícil demais sem contar q não tem como fazer tratamento pq a bebida pra ele e algo q não pode faltar ! Não sei mais o q fazer tive síndrome do pânico e estou em tratamento, mais ele não tá nem ai faz tudo que dá na telha dele

    Responder
  • 02/01/2020 às 04:24
    Permalink

    Bom.. sou filha e tenho 22 anos. Na minha infância o casamento dos meus pais era completamente sem estrutura nenhuma, eles brigavam bastante na minha frente, de se bater mesmo e eu sempre ficava do lado da minha mãe e chegava a odiar o meu pai. Quando os dois se separaram, aí que piorou tudo eu já era adolescente e os dois ainda morando na mesma casa arrumaram outra pessoa. E enfim no dia que se separaram de casa no primeiro dia em que eu fui morar na nova casa com a minha mãe, ela já levou o namorado pra conviver conosco e detalhe o namorado dela tinha 19 anos, ela tinha 40 e eu 15 na época. Eu simplesmente não sabia lidar com aquilo, todos os meus amigos comentavam por trás e aquilo me matava, pq eu não queria ninguém falando mal da minha família. Enfim, hoje em dia minha mãe terminou com esse rapaz, porém vive focada na própria vida, tudo bem que eu já estou criada, mas ela tem uma adolescente de 14 que ainda precisa de atenção. O problema é que ela só pensa na vida dela, e os filhos são sempre a última opção. Arruma namorado todo dia, cada dia um diferente, sai praticamente todo dia, dorme fora (Não sei onde e nem com quem) não sei como lidar com isso. Me mata por dentro. Parece que ela é a filha e eu sou a mãe. E além de tudo nem pra ter um equilíbrio, meu pai é totalmente desequilibrado, onde vai arruma briga, não consegue conviver em sociedade. Arrumou uma esposa que só arruma confusão comigo e com a minha irmã. Atualmente estou sem falar com ela, por que quando ela e meu pai brigam ela me liga pra contar as coisas e depois vai lá e fala tudo o que eu disse pro meu pai e me põe no meio de situações que não são minhas. Eu sinceramente amo meus pais, faço de tudo por eles e muitas vezes guardo tudo pra mim sobre tudo q não concordo que eles façam, mas eles estão destruindo o meu psicólogo. Parece que há uma inversão de papéis, eles são totalmente imaturos, tem pensamento de adolescente e eu sou a adulta da família. A minha mãe nem de casa cuida, quem cuida sou eu.. faço TUDO. Até as roupas dela sou eu quem lavo, dela e da minha irmã de 14. A minha irmã de 14 me respeita mais do que ela, e eu acho isso péssimo pq ela que é a mãe. Enfim não sei mais o que fazer, preciso de um psicólogo pois as pessoas que eram pra ser a minha base, acabaram com meu psicológico.

    Responder
  • 12/01/2020 às 22:02
    Permalink

    Oi.
    Estou lendo alguns relatos, mas dói muito.
    Tenho uma filha de 14 anos que sempre foi minha amiga, mesmo depois que a mãe dela e eu nos separamos quando ela tinha 4 anos. Ela sempre me contou que a mãe falava mal de mim, inventava que eu batia, que traia e outras coisas ruins. Ela tinha apenas 4 anos, mas eu sempre puxava a memória dela, e ela realmente não tem lembranças de coisas que “jamais aconteceram”.
    Até um ano atrás mais ou menos, a gente era muito amigo, mas muita coisa coisa ruim aconteceu com ela e alguns padrastos, e ela começou a não vir mais me visitar nos finais de semana e não atendia meu telefone.
    Um dia ela brigou com a mãe e pediu pra morar comigo, mas não era mais meu bebê. Ela se irrita com facilidade, tem vergonha de andar de mãos dadas comigo, ou se quer ser vista perto de mim na rua. Começou a mentir exageradamente, e eu cobrava dela que voltasse a falar com a mãe, e brigamos muito por causa disso. Ela começou a visitar a mãe com normalidade e sem resistência. Mês passado ela foi visitar a mãe no fim de ano e não voltou mais pra casa, disse que a mãe se separou do padrasto e estava chorando muito e precisava dela.
    Então a mãe dela me ligou e disse que minha filha tentou se suicidar por minha culpa, que ela não queria mais falar comigo e que era pra eu me afastar. Eu corri pra casa dela pra vê-la e elas iam fugir de Uber para não me encontrar. Conversamos e e mãe dela sempre me acusando, e minha filha só confirmava com a cabeça. Agora ela não quer mais me ver, e nem responde minhas ligações. Diz que estou sufocando ela. Eu praticamente implorei para ela voltar a falar com a mãe, e brigamos. A mãe dela usou essas brigas pra afastar ela de mim, coisa que ela vinha tentando há 10 anos.
    Isso faz 3 dias, e eu perdi a minha vontade de seguir em frente.

    Responder
  • 13/01/2020 às 22:53
    Permalink

    O amo é incondicional. Eu descobri lendo a bíblia. Não é criação, é simplesmente falta de amor. Minha mãe me batia muito, mas nunca deixei de amá-la. Eu simplesmente, tentava entender, a razão, ela era uma mulher nervosa. Não se iluda que certos filhos vão te amar. É uma coisa sem explicação e não apele, as pessoas mais perigosas são os que dizem amigos e família. muitos país morrem ou filhos, porque querem forçar as pessoas gostarem de você. Qualquer pessoa inteligente sabem quando são amadas ou não. Qual o mistério, eu não sei. só quem sabe é Deus.

    Responder
  • 16/01/2020 às 17:21
    Permalink

    Meu relato e sobre meu marido e minha sogra! Sou casada a 14 anos tenho dois filhos sou de Santa Catarina meu esposo e do Rio de janeiro moramos em SC minha cidade a mãe dele ficou no rio morando sozinha separada do pai dele ele filho único ela estava trabalhando de doméstica passando necessidade então resolvemos trazê-la pra cá , isso faz 7 anos , abri minha casa para recebê-la e dês de então damos de tudo para ela vestimos acomodamos lhe demos celular tinta para cabelo pagamos salão de beleza compramos o que ela gosta de comer pois ela não come muitas coisas por ser adventista! Levamos e buscamos onde quer ela não é aposentada não tem nada , aí ela reclama que não tem dinheiro que queria poder comprar as coisas que tem vontade queria viajar para Bahia que sua cidade natal ver os irmãos , já pagamos passagem para ela ir uma vez somente mais quer ir sempre não é barato passagem de avião , enfim fazemos o possível não somos ricos pagamos aluguel não temos muitas condições ela só reclama e esses dias meu marido se explodiu a acabou jogando na cara dela que dá tudo pra ela e ela só reclama etc , ela fala mal de mim que me ajuda fazendo comida e a olhar os netos quando não estou que ajuda na casa , e eu não faço nem metade do que ela faz por mim porém ela esquece que eu aceitei ela morar na minha casa e ela mora aqui tem obrigação de ajudar ! Eu não reclamo não falo nada sou bem na minha mais tô ficando de saco cheio e meu marido respeita ela se preocupa mais não tem amor por ela ele sente que nasceu na família errada , faz por obrigação msmo mais estamos cansados queríamos nossa casa só para nós , mais é um fardo que temos que aguentar ela tem 64 anos se separou do pai dele quando ele tinha 15 anos e saiu de casa dizendo que não levaria nada do casamento nem ele , pai dele terminou de criar ele comendo ovo todos os dias e nunca deu carinho para ele nunca foi nas apresentações da escola do judô da fanfarra etc … Acho que é consequência disso que ele não sente amor por ela ! Ela fala que dava as coisas pra ele quando ele era pequeno mais é obrigação dos pais sustentar pois nenhuma criança pediu para nascer! Agora ela acha que por me ajudar aqui em casa merece um salário mais ela mora aqui não paga nada ! Tô ficando estressada parece que não estou mais na minha casa!

    Responder
    • 17/01/2020 às 19:31
      Permalink

      Olá! Li o seu relato e fiquei perplexa com tamanha falta de noção da sua sogra.Veio a minha mente aquela célebre frase: “Quem casa quer casa” Agora que vcs acolheram essa pessoa, vai ser muito difícil livrar-se desse peso. Sugiro que façam uma terapia de casal para ajudá-los a viver com o mínimo de paz e fortalecer a união do casal.Boa sorte!! 🙂

      Responder
  • 23/01/2020 às 18:16
    Permalink

    Lendo o texto notei uma ambiguidade.
    Primeiro, o autor cita em relação aos pais que lamentam a indiferença dos filhos: “você tem um papel nisso? Ou vai mesmo só culpar eles? Acha mesmo que seria natural alguém se afastar de uma pessoa que traz coisas positivas para sua vida, que traz alegria? Ou será que as pessoas se afastam daqueles que as machucam?”. Mais adiante, afirma que em hipótese alguma um filho não deve zelar pelos pais: “Os filhos que não zelam por seus pais, pelo bem-estar físico deles, aí realmente é vergonhoso. Pois não se trata de algo emocional, e sim um simples dever, um dharma, óbvio.”
    Separou então o nosso mundo racional, material do mundo espiritual.
    No entanto, neste mundo terreno é possível que uma conduta, manipulação, controle exacerbado venham a contribuir ou até determinar uma vida infeliz no futuro. Tudo porque aos pais é permitido regrar sobre as vidas dos filhos.
    Se os país são quase seres “supremos”, o que são os filhos? Em que categoria se enquadram? Afinal, os filhos são indivíduos dotados de sentimentos, livre arbítrio, escolhas e devem ser respeitados, apoiados neste sentido ou são apenas meros objetos de manipulação para exteriorizar as vontades dos pais e dar amparo na velhice?

    Responder
  • 01/02/2020 às 23:33
    Permalink

    Me formei e meus pais não quiseram ir na minha formatura , minha só me critica nem se quer me deu parabéns .

    Responder
  • 08/02/2020 às 02:30
    Permalink

    Hoje procurei algo que me respondesse aos meus questionamentos com o “eu mesma” e me deparei com teu vídeo e gostaria (já está errado – futuro do pretérito), mas no coloquial sempre utilizamos de forma que não se encaixa muito bem, pois indica algo que encontra-se condicionado a uma incerteza.
    Enfim, aos fatos. Eu não enxergo como obrigação, nem como uma dívida impagável o amor entre pais e filhos e filhos e pais.
    Nunca cobrei demais, não houve violência, não houve falta de atenção, nunca fui tóxica, não reclamo, então não houve desgaste. Minhas “neuras” são exatamente o oposto do que se observa por aí a fora.Eu fui criada com muita cobrança, violência psicológica e física, ausência de atenção e poderia (aqui o tempo futuro do pretérito indica bem meu sentimento), eu poderia ter sido uma mãe problemática em todos os aspectos, porque sempre me conheci com ausência de afetividade em meu núcleo familiar antecedente.
    Tomei conhecimento sobre quem eu era de fato entre os 49 anos e meio e 50 anos de idade. Soube quem havia sido minha mãe e descobri o passado de meu pai, tudo ao mesmo tempo. Meu pai foi um sobrevivente de Auschwitz e minha mãe descendente de teuto de uma família pródiga, abastada e que ela abandonou quando ela estava com 23 anos de idade. Logo, o que eu passei, sofri, senti, amarguei quando bebê, criança, adolescente, adulta eu compreendi que jamais poderia ser quando eu gerasse outro ser.
    Sou mãe de um casal, 29 e 25 anos.
    Descobri minha verdadeira identidade, no sentido de identificar-se como pessoa no mundo quase meio século depois de eu ter nascido, então nem mesmo o céu, nem a terra para explicar o porquê.
    “Amor é uma coisa do coração” e concordo com isso, mas não compreendo a razão de inexistir amor em um coração que parece ser de ferrode onde vem o desamor, o desapego, a ingratidão se não houve eventos que pudessem atrapalhar o bom crescimento intelectual, físico, moral, afetivo de meu filho.
    Eu penso que a rejeição é possível sim, porque eu vivo isso e não estou de mimimi. Apenas procuro compreender onde está o erro.

    Responder
  • 19/02/2020 às 17:04
    Permalink

    Tenho 48 anos. Sou pai de filha única de 19 anos. Eu a amo. É uma menina muito estudiosa. Nós nos damos bem. Abri mão de vários itens (carro novo, viagens, roupas etc) para investir meus salários nos estudos de minha filha, desde o ensino básico até o superior. Me orgulho dela. Meu problema é com “meu” “pai” que fez um terror na minha vida de adolescência e juventude. Sofri muito de tortura psicológica por palavras e comportamento dele. Fiquei doente e precisei de tratamento psicológico por 18 anos. Houve momentos bons com ele quando falávamos de futebol e cinema, mas o lado negativo dele sempre se sobrepôs. Ele mora em Portugal com outra família, após o falecimento de minha mãe (ele também fez ela sofrer bastante). Das minhas queridas cinco irmãs, três evitam falar com ele. Eu decidi me afastar dele, mas não lhe desejo mal. Não quero me aproximar dele, porque se o faço tenho pesadelos em que lutamos corpo a corpo, nos ferimos. A Bíblia, que é um livro criado pelos homens, se equivoca a ditar que devemos respeitar os pais a todo custo. Não a todo custo! O respeito deve ser recíproco. Tantos pais e mães que dia a dia violentam seus filhos física e emocionalmente deveriam repensar suas atitudes. Às vezes erro com minha filha, mas no mesmo dia ou noutro dia lhe peço desculpas e admito que errei. Tenho certeza que “meu pai” (não o considero como tal) se tivesse nova oportunidade agiria hoje da mesma forma cruel com que agiu comigo anos atrás. E nunca me pediu desculpas, nunca admitiu que errou. Que Deus o abençoe junto a sua nova família.

    Responder
  • 25/02/2020 às 14:30
    Permalink

    Hoje tenho 48 anos ,minha mãe 72 ,a vida toda ela teve personalidade muito forte e sempre só pensou nela ,aos 7 anos prendeu meu pai com uma mentira sei porque estava junto ,aos 8 foi me abandonando pra morar com estranhos até meus 17 anos me casei com o primeiro homem que me deu atenção.
    Minha mãe neste meios tempo sempre viajando e cuidando da vida dela ,quando ia me ver só levava roupas sujas pra mim lavar ,depois dos meus 17 anos tive dois filhos que criei sozinha minha mãe entrou em minha vida e me ajudou a me levantar e quando isto acontecia ela caia no mundo!!
    Hoje não consigo conversar com ela ,finge estar surda ,mas com os outros conversa de boa ,discutimos sempre que falamos dos meus irmãos ,e sempre que peço pra ela não se meter em encrencas adora uma polícia e tal
    Não sinto ódio ,sinto mágoas porque ela não me ouve ,não reflete que só quero o bem dela apesar de tudo que passei ,é teimosa e fingida o tempo todo!o que me dizem ,será que abandono e daí o que vai acontecer ??

    Responder
  • 28/02/2020 às 17:02
    Permalink

    Eu era como você pra minha filha única. Ela me roubou uma empresa (abri um hotelzinho para caes e coloquei no nome dela pq meu nome estava no SPC) em 2018, me pôs pra fora da minha casa (que estava alugada no nome dela porque o meu estava no SPC) e não está nem ai pro que me causou, por causa do que ela me fez, quase suicidei: 41 anos, desempregada e sem dinheiro (porque antes de me por na rua, ela praticamente zerou a minha conta bancária – ela usava meu cartão e tinha a senha). Por causa do que ela fez, tive que mudar de cidade, ficar longe da minha família, pois foi aonde eu consegui trabalho. Quase perdi meu apto, porque não tive dinheiro pra quitar uma dívida judicial (esperava pagar a dívida com dinheiro que estava ganhando na empresa)… ela não liga…
    SE EU PUDESSE VOLTAR NO TEMPO, NÃO TERIA FILHO NUNCA! Perdi meu tem

    Responder
    • 01/03/2020 às 18:00
      Permalink

      Olá,Fabiana!
      Eu entendo muito a sua decepção e desespero. Acho que tudo o que eu mais queria na vida era voltar no tempo e optar por JAMAIS ter filho. Infelizmente isso não é possível, portanto façamos cada segundo da nossa vida valer a pena e acredite a lei do retorno não falha! Cuide-se e fique com Deus.

      Responder
  • 02/03/2020 às 04:57
    Permalink

    Tô vendo q aqui são só os pais que são coitados. E só filhos que são ingratos. Ai ai viu. A casos e casos gente. Não vá medir a realidade de alguém pela a sua.

    Responder
  • 08/03/2020 às 03:50
    Permalink

    OLHA SÓ ANA, TENHO UM FILHO ASSIM TAMBÉM ELE NÃO ME SUPORTA, NO SEU CASO VOCÊ VÊ QUE PRA ONDE ELA QUER IR NÃO CABE ELA, NÃO SERVE PRA ELA, LÁ NINGUEM A AMA COMO VOCÊ, QUE O PAI É MAIS PELA ESPOSA DO QUE POR ELA. EM FIM NÓS MÃES VEMOS LÁ NA FRENTE SIMMMM SÓ QUE ELA ACHA QUE VOCÊ FALA ISSO PARA QUE ELA NÃO SAIA DE PERTO DE VOCÊ, CONCLUSÃO!!! ELA PRECISA VIVER ISSO TUDO PARA TIRAR AS CONCLUSÕES SE É ELA OU VOCÊ QUEM ESTÁ CERTA ENTENDE AMIGA? DEIXA ELA IR, OU A CASA DO PAI FICARÁ DO JEITO QUE ELA QUER, OU ELA SE ADAPTARÁ A CASA SIMPLES ASSIM MAS
    ENQUANTO ELA NÃO VIVER ESTA ESPERIENCIA ELA ACHA QUE ESTÁ CERTA. O TEMPO É QUEM VAI DIZER. BJS FICA EM PAZ

    Responder
  • 14/03/2020 às 07:13
    Permalink

    Tenho uma filha que parece concorrer comigo. Mas em que? Sou calma, mostro dedicação. Acho que ela não me ama. Geralmente me responde mal qualquer pergunta que faço. Sou professora e acho que a falha não é minha. Gosto de diplomacia e diálogo em tudo. Eu acredito em Deus. Ela não acredita na existência de Deus. Penso que o problema da minha filha seja espiritual. Entrego a Deus. Não vou me encabeçar por isso. Tenho 50 anos e ela 18. Sou magra ela gordinha linda. Eu amo minha filha, apesar do comportamento dela. Agente tem que entregar a Deus. A minha parte eu faço. Espero que ela mude. Oro por ela.

    Responder
  • 19/03/2020 às 12:28
    Permalink

    Li muito relatos e cada um tem seus problemas individuais, desde que nasci, cresci entendi as coisas, vejo minha sofrendo com meu pai bêbado, agressivo batendo nela e ameaçando os filhos.
    Hoje, eu com 39 anos, perdi minha mãe e no seu último suspiro ela ainda reclamou do meu pai.
    Conclusão hoje me vejo na obrigação de cuidar dele, pois ninguém quer fazer isso, ele me xinga, me expulsa de casa, me ameaça e pra piorar hoje ameaça minha filha.
    Não posso sair de.casa pois é considerado abandono de incapaz por ele ter 84 anos.
    Enfim, estou presa, não tenho amor por ele, não suporto olhar pra ele, mas faço a minha parte. Qdo morrer, morreu…. Não sentirei nada.

    Responder
  • 24/03/2020 às 18:10
    Permalink

    Desculpe mas para mim, o que todos voces falam não faz o menor sentido!
    O amor de uma mãe é incondicional, não existe essa coisa de ”eu já fiz de tudo e meu filho não têm gratidão pelo o que eu fiz”, lembre de quando voces eram crianças e muitas vezes já brigaram com seus pais aposto que eles não deixaram voces ” viverem a própria vida”.
    Você não é um pai pra ser amiguinho do seu filho você é um pai para dar bronca mesmo quando ele ou ela te desobedeçe. Então muitas vezes esse é o seu problema: em vez de você ser um pai você só quer saber de ser um amigo.
    E agora um pequeno recado para os filhos: nós só amamos porque Deus nos amou primeiro,isso está na Bíblia e esta frase me ajuda muita a levantar da cama todos os dias e continuar a amar o próximo, o meu inimigo,e até mesmo os meus pais.Eu sei que eles me amam e só querem o melhor para mim então agradeça a Deus, por que tudo que você é, você só é por causa Dele e foi Ele quem te deu os seus pais.
    AMAR É DIFÍCIL MAS SE VOCÊ TÊM JESUS TUDO FICA MAIS FÁCIL!!!!

    Responder
  • 29/03/2020 às 03:59
    Permalink

    Tenho 49 anos, um filho de 25 que é especial e uma filha de 23 que achou que casando-se aos 17anos conseguiria encontrar a felicidade longe de mim mas infelizmente o marido abandonou ela quando o segundo filho fez um ano e desde então ela insiste em dizer que eu nunca a amei como devia e que sou obrigada a ajudá-la sempre, mas crio os meus dois netos pois ela viveu com namorado assim que o marido saiu de casa e desde então ela só me dá tristeza e cobra de mim o que ela não oferece pros dois filhinhos dela , a ingratidão e falta de conhecimento dela por mim do amor que tenho por ela a afasta de mim. Tenho dó de meus netos de5 e de 3 anos, sem pai e com mãe ausente.

    Responder
  • 05/04/2020 às 08:22
    Permalink

    So pra dizer que ninguem colhe nada desta vida que não plantou antes.
    Muitos pais fazem tudo pelos filhos, exceto achegamento.
    Não basta só dar comida na mesa, cama para dormir, roupa lavada e um teto sobre a cabeça.
    Nem tampouco, asfixiar e não dar espaço.
    Pais que tem balanço, e que se achegam ao filho, entendem seus problemas e REMOVEM MONTANHAS COM ELES, geralmente têm mais sucesso. Não é remover montanhas por eles, ou fingir que a montanha não existe, ou que o jovem tem que se desenrascar sozinho. Contrário ao que geralmente se pensa, isso não o faz mais forte, mas gera ressentimento.
    Tentem se achegar a ele, fazendo-o saber que você esta por perto e que ele pode contar consigo, mas sem abafar. E que você o ama, e que pode ficar desapontado, mas nunca deixará de o amar e apoiar.
    Que está do seu lado e não contra ele.
    O pior para um filho é ter pais ausentes ou que não se importam. E isso começa na infancia. Plante bem, para colher melhor mais tarde. E em abundancia.

    Responder
  • 13/04/2020 às 16:08
    Permalink

    Eu tenho pais maravilhosos. Fui adotada ainda recém nascida e cresci em um ambiente com todo amor e conforto do mundo. Vi eles se desdobrando para me dar o melhor. Escola particular, faculdade, roupas, celulares e etc. Hoje, aos 34 anos e eles mais idosos, eu sei que os amo. Porém, tudo me irrita, qualquer coisa me irrita. Gosto de abraça-los, beija-los e dizer que os amo porém, por exemplo, quando minha mãe vem no meu quarto falar sobre assuntos aleatorios, ouo ficar me enchendo de perguntas, me sobe uma raiva que não sei explicar os porquês. Ela é um doce. Mas me sufoca, demais. Sempre, desde nova. Por ser filha única eles sempre tiveram um controle muito grande sobre a minha vida, mas quando fiquei adulta e independente, mesmo casada eles sempre quiseram se meter em tudo, saber de tudo, me ligando pra saber onde eu estava e se eu não atendia, eles brigavam comigo como se eu estivesse “me drogando”. Sempre fui uma filha estudiosa, nunca usei quaisquer tipo de droga, nunca nem sequer fui de baladas. Apenas agora depois de adulta que saio com minhas amigas, tenho minha independencia mas minha mãe insiste em me controlar e isso me gera frustração e muita raiva. Ja a vi mexendo em miinha bolsa, contando quanto tinha de dinheiro na carteira. Acho que essa soma de fatos tem se intensificado tanto que agora tudo me gera muita raiva, quero gritar, penso “cala a boca” mas jamais faltei o respeito. Passei 20 dias viajando e falava uma vez por dia pelo telefone, nesses 20 dias não senti saudade e nem vontade de ve-los pessoalmente, apenas chamada de video. Tenho orado e pedido a Deus para trabalhar essa raiva dentro de mim, pois, alem deles não merecerem meu “asco””, eu sei que quando eles vierem a falecer eu vou sentir muita falta. Me culpo todas as noites por me sentir assim. Por não ter vontade de visita-los, por me sentir bem longe e viajando. Me sinto mal por não ser recíproca. Por me irritar tanto ao ponto de sair do ambiente e fingir uma “dor de barriga” e ficar uns minutos no banheiro longe de todo esse “excesso de amor”. Eu não me lembro muito da minha infância, não sei se pode ser isso. Mas lembro o quanto fui sufocada e vivia em regime quase militar dentro de casa, talvez seja isso que hoje, independente, não consiga aceitar certos controles. Eles ainda me tratam como se eu estivesse dez anos, brigam com amigas minhas que intitulam não gostar, se metem demais na minha vida pessoal, ficam com raiva quando não compartilho algo. Enfim, só precisava desabafar porque isso tem me matado aos poucos. Não sei se isso é considerado falta de amor. Mas eu estou de saco cheio. Aquela sensação de “affe, la vem me encher o saco” é assim que me sinto e não queria. Obrigada pela reportagem, pelo espaço aberto para podermos desabafar e mesmo que não leia ou tenha resposta (pelo tempo que a reportagem foi publicada) eu me sinto mais leve em saber que existem casos assim.

    Responder
  • 20/04/2020 às 05:26
    Permalink

    Peço licença para contar minha história pois acho que foge do padrão do que li até agora. Me separei quando o bebe tinha 6 meses, pois era uma relação tóxica o pai um narcisista sabe tudo que me manobrava e me humilhava. Sai do relacionamento por que não queria que meu filho visse ele me tratando assim e me tratasse igual. Achei que a separação seria o suficiente. Mas tenho o coração mole e acreditava que era importante o relacionamento pai e filho. e ele Manobrou a cabeça da criança. Se fosse hoje faria tudo diferente eu teria sumido no mundo sem deixar endereço se eu soubesse o que me aguardava na adolescência. Hoje ele tem 19 anos e é uma fotocópia do pai.. o mesmo jeito de falar a mesma arrogância, conversar com ele me deixa exaurida, suga todas as minhas energias.. Amar um narcisista é como amar uma pedra.. o amor não consegue alcançar. Hoje em plena pandemia de proporções apocalípticas meu filho me bloqueou no whatsapp por que recomendei que seria bom parar de fumar nesse momento… e enviei alguns vídeos daqui do canal querendo abrir um pouco a mente o racional dele para a espiritualidade já que o emocional parece estar um pouco travado. Ele que se diz ateu ficou revoltoso comigo, discutimos e agora ele fechou esse canal de comunicação. Estou em outra cidade não tenho noticias da minha mãe que é idosa e o único telefone em caso de emergência seria o dele. Também sou grupo de risco tenho 49 anos então não é recomendável eu sair 200 km e me arriscar ir até SP… Estudei muito sobre narcisismo e sociopatia por que sou empata e meus relacionamentos acabaram se repetindo com pessoas tóxicas. De tanto estudar sei que os narcisistas não mudam.. quanto mais eu for atrás dele, quanto mais eu for carinhosa mais ele vai se achar certo e mais vai me culpar e me vitimizar.. e ele consegue o que pretende que é o suprimento emocional, narcisistas vivem dos sentimentos que eles causam nos outros eles se alimentam disso.. A única coisa que eles entendem é o silêncio é a ausência.. e mesmo assim ele não vai sentir a minha falta mas sim a falta das coisas que eu proporcionava para ele eles não sentem amor. ou compaixão. Eles tem inteligência emocional e empatia para perceber o que o outro está sentindo e jogam com o sentimento do outro.. mas não tem empatia. Penso onde foi que errei… Devia ter ficado calada, mas meu Dharma como mãe me pede que eu fale coisas.. que ele não deve fumar por exemplo.. Sofri muito e me culpei muito. Hoje entreguei para Deus com a consciência de que fiz e faço o meu melhor. Ainda pensando nos narcisistas que a unica coisa que entendem é o contato ZERO pensei em bloqueá-lo no face único canal de contato que ficou mas não vejo postagem nenhuma dele e acredito que nem ele as minhas… não tem interesse nenhum em mim.. só me vê como fonte de provisão e suprimento material e emocional Consultando uma psicóloga ela disse que eu não devia mandar mais dinheiro para ele. Mas me corta o coração.. Sei que ele foi manobrado pelo pai e que dentro tem um menino maravilhoso. Acredito que ele desenvolveu o que em psicologiia se chama síndrome de estocolmo que é ficar do lado do seu abusador para ter vantagens e de certa forma minimizar o sofrimento. Ele mesmo já reconheceu que tem alguma coisa estranha com ele.. mas não quer mexer na ferida.. já propus tratamento, constelação familiar, terapia, nada ele aceita. Só escuta o pai.. Estou em paz não tenho sofrimento emocional nesse momento.. só a impotência de não poder ajudar.. não por que não é possível, por que tenho fé. Mas por que ele não permite eu me aproximar… Pensei em cortar todos os laços definitivamente e entregar que minha missão de mãe nessa vida foi feita da melhor forma que pude.. Agradeço ter encontrado seu vídeo e conter o impulso e ao contrário vou manter todas as portas possíveis abertas sempre. Não vou perder a fé quem sabe daqui mais 10 anos quando a fase adulta chegar talvez ele ainda não me aceite como mãe mas talvez permita algum tipo de aproximação. As pessoas são muito cruéis ao julgar uma mãe que o filho não quer ter contato. por favor não julguem as pessoas.. ninguém sabe o que passa na alma humana só Deus. Gratidão;

    Responder
  • 24/04/2020 às 11:59
    Permalink

    Olá tenho 19 anos fui criada por meus avós ate os 13 anos quando completei 14 tive q vim morar cm meu pai e minha madrasta q cinserammete acho q não gosta de mim muitas coisas q fazia sem pensar nas consequências traziam tristeza a eles e me arrempedia só q começaram a falar de mim q eu falava por aí deles mas a maioria da vezes era verdade e outras não até q um dia minha madrasta me deu um tapa na cara e isso até hj não consigo perdoa meus avós q me criaram faleceram e nunca meu avô havia me batido daquela maneira apanhei muito de meu pai eu mas isso eu já estou superando e trabalhando o perdão até q um dia inventaram uma coisa minha na escola muito grave e eles acreditaram falaram que eu estava grávida e q meu pai me bateu tanto q peedir meu BB mas nada disso acontenceu fiquei sobre pressão várias dias queria me matar não relatei antes q por várias vezes tentei tirar minha vida por tristeza profunda mas continuando eu resolvi fugir cm o garoto q estou até hj passou um tempo fui na casa dele pedi perdão por tudo que havia feito mas não conseguir assumir meus erros pra eles com vergonha da reação de meu marido até q pedi pra Deus me ajudar passou um tempo voltei lá na casa deles e assumir todos os meu erros e eles disseram q haviam me perdoado só q há um porem eu não via o perdão deles nas vezes q nos convidaram para ir na casa deles mas então havia parado cm aquela coisa de ficar espalhando por aí falando mau deles até q um dia veio uma sobrinha dela q conversava muito pegou meu número mandou Oi normal dps de um tempinho começou a dar perguntas deles falando mau deles e eu muito tola cai novamente falei mau também só q eles descobriram e pedir perdão mas não querem me perdoa mas também eles sempre me viram como o dragão da família e nunca como uma pessoa q tivesse coração. Queria muito q ,eu pai tivesse o mesmo olhar q ele tem pelas minhas irmãs como filha dele me intristeceu muito cm isso o q faço para ter o perdão deles estou muito triste e arrependida do q fiz haa e q eu falei Mau deles foi que eles eram puxa saco de minhas família por q no meu aniversário é em todas as vezes q fui lá na casa deles eles nunca colocaram nada no status aí minha prima q foi passear lá com, eles tinha horrores de fotos aí vi q timham vergonha de mim

    Responder
  • 27/04/2020 às 23:52
    Permalink

    Eu tenho um filho de 5 anos, mas que nas atitudes parece que tem 10 anos. O meu marido sempre tira minha autoridade quando tento corrigir meu filho. Isso me doí muito. O meu filho não me respeita, parece que não sente amor por mim. Eu gerei ele com muito amor, sofri muito pra ele nascer, pra poder ouvir da boca do meu marido que eu nunca vou ter o amor do meu filho. Isso me doí em cada gesto e atitude. Eu me casei com alguém que me xinga, que me trata mal na frente do meu filho, e eu tenho lutado para que meu filho não seja como meu marido é. Luto, faço de tudo para que ele seja um homem que saiba respeitar e cuidar de uma mulher. O meu filho um dia desses me xingou .. e isso me doí ate hoje.. como tenho sofrido com isso! E o meu maior medo é morrer sem poder ouvir um eu te amo do meu filho.

    Responder
  • 10/05/2020 às 23:54
    Permalink

    Hoje é Dia das Mães e escrevo aqui com lágrimas nos olhos e um coraçao sangrando de tristeza. Como é ruim a dor da rejeição pelos próprios filhos! Trnho 2 filhas de 25 e 17. E elas não tem o menor sebtimento, respeuto ou consideração por mim. Eu sou uma boa filha para minha mae. Eu a amo e convivo bem com ela. A apoio em tudo. Incentivo e me alegro por tudo em sua vida. Mas minhas filhas não. Nem sequer uma ligação. Nem um abraço . nada. A desculpa é a Pandemia por Covid 19.. Mas eu sei a dura verdade. Elas simplesmente não gostam de mim. Não se importam comigo. Se eu morrer agora. É um favor que faço a elas.
    Não compartilham nada da vida delas., não se alegram por mim, mudei esta semana para um apartamento proprio. Uma conquista muito grande depois de uma vida de pobreza e de um divorcio humilhante que destruiu toda a estrutura da minha vida. Toda minha autocobfiança como mulher. Fiquei sem casa. Sem familia. Sem marido.Sem lugar para dormir. Sem dinheiro até para comer. Mas lutei e me reergui E estou.vencendo. mas elas.nao se importam. Não se interessam. Não participam. Como estranhas frias.e distantes. Como se eu fosse uma simples funcionária que trabalhou na casa onde elas foram criadas.
    Hoje na casa de.minha mãe. Com meus irmãos passando para deixar um.presente um beijo mesmo distante. Percebi que todos evitavam de perguntar.delas . Nem me deram Parabéns pelo dia de hoje. A unica flor que ganhei foi do condomínio onde moro.
    Não quero me vitimizar ou lamuriar. Estou açe3nas triste e precisando desabafar. Desta.verdade vergonhosa e humilhante. Minhas filhas não me amam.
    Por que ninguem nos prepara para isso? Por que todos os livros e cursos e videos e ninguem fala nada de.como lidar com issi. Com o abandono e a solidão depois de uma vida de amor e dedicação à familia. De ser.uma mãe amiga e amorosa e.receber.este gelo todo em retribuiçao. Eu sei que o Amor não é algo que pode ser retribuido. Que Amor de Mãe é algo solitario e unilateral.
    Mas eu gostaria que se falasse mais sobre isso para a gente se preparar. Não se apegar aos filhos. Maternidade tem que ter uma prazo de validade.
    Para a gente não se deducar tão totalmente a eles e se blindar para tosas essa ingratidão. Vejo que não importa se você foi uma mae boa e amorosa ou uma mãe ruim, egoista, narcisista. Quabdo eles nao gostam de voce. Não.gostam. nada a fazer a respeito. Não ligar. Só seguir em frente. Tocando sua vida, seus interesses. E sem se preocuçar com eles. Acho que meio como os insetos. Põe no mundo e eles que se virem..
    Esse é um grande assubto tabu. A gente envelhece. Adoece. Sofre. Por causa de toda a rejeiçao. Por causa de toda a enw3rgia que gastamos criando. Educando amando. Provendo uma vida boa e protegida..Dentro do maximo de nossas possibilidades e chega um ponto que somos um zw ninguem. Valemos tanto quanto qualquer estranho que eles acabaram de conhecer. Somos só uns serviçais . E ainda temos que ser submetidos às avaliações criticas deles e da sociedade sobre nosso pifio desempenho. Não fizemos mais que nossa obrigação. 20 anos desperdiçados.
    Acho que a psicologia e as terapias tem que quebrar esse tabu e lançar um olhar carinhoso para estas relações que nos magoam tanto

    Responder
  • 20/05/2020 às 03:47
    Permalink

    Eu Gosto Muito Dos Meus Pais Sendo que Eles Sempre Me Chamam de Inútil e dizem que Não presto pra nada,que Eu só Causo Problemas Pra Eles,Minha Mãe Não Confia em Mim pra fazer nada e meus pai diz que eu não Não faço nada direito,E eu não posso Responder nada que eles me mandam Calar a Boca

    Responder
  • 25/05/2020 às 05:43
    Permalink

    Oi. Tenho 47 anos e um filho de 28 anos. Qdo descobri que estava grávida o pai biológico não quis saber e me deixou. Tive uma gestação um pouco conturbada, eu morava com minha mãe já que meus pais eram separados. Mas mesmo assim, eu via meu pai todos os dias e várias vezes pois morávamos na mesma cidade e ele vinha me ver diariamente. Meu pai aceitou minha gravidez sem problemas, já minha mãe não aceitou no começo. Tive mto apoio do meu pai, minha mãe tinha problemas com a bebida então tdo o que acontecia a culpa era minha. Passei alguns perrengues com ela por conta disso. Antes do meu filho nascer tentei conversar com o pai , mas ele não quis saber mesmo. Após o nascimento também foi procurado por alguns amigos nossos em comum , mas não aceitou vir conhecer o bebê. Passaram uns meses como dizia meu pai pra mim, a vida segue. Conheci um rapa que sabia tdo da minha vida e eu nunca o tinha visto antes. Nesse tempo meu filho estava com 5 meses de vida. Namoramos, moicanos e estamos juntos até hoje. Ele aceito meu filho e o criou como se fosse seu. 6 anos depois após alguns acontecimentos, o pai biológico assumiu o filho , só no registro diga- se de passagem. Tdo correu bem até os 16 anos do nosso filho , onde se tornou rebelde, começou a matar aulas, enfim.
    Passou as não me respeitar mais bem só pai que o criou. Foi para o exército qdo atingiu a idade de servir, o que para nós era um orgulho. De repente após dar baixa transformou- se. Voltou a ser diferente comigo e o pai. Um dia após eu ir viajado com meu marido recebi uma mensagem dele dizendo que estava saindo de casa e mudando de estado. Levei um choque. Quando cheguei em casa abri a porta do quarto dele e chorei muito. Mudei de cidade para ficar mais próxima possível da cidade onde ele havia ido morar, mas de nada adiantou ele simplesmente afastou- se de nós. Conheceu uma moça, começou a namorar , ela engravidou e foram morar juntos. Até o dia em ele a trouxe em nossa casa , ela nada sabia de nós, me disse que quando perguntava à ele sobre os pais ele desconversava. Ficaram juntos por 2 anos e separaram e ele voltou para a cidade que morávamos antes. Devido problemas meus de saúde 1 ano depois voltamos tbém pois o atendimento é melhor. Hoje ele mora com minha mãe, eu vivo doente e ele nunca vem me ver , só se fica sabendo que fui levada ao hospital, passa e diz está tdo bem dona fulana e vai embora. Eu me culpo por isso todos os dias, minha mãe que tem 73 anos sai a pé da casa dela e vem me ver, ele que tem carro e moto as vezes passa meses sem nos dar notícias. Me culpou um dia em uma conversa que tivemos , que não sei irmãos a ele e que bati muito nele quando criança, coisa que foi negada por minha mãe na hora, ela disse se tu levou algumas chineladas foi porque mereceu, nem teu pai nem tua mãe te espancaram. Mesmo assim ele disse que me odeia. Já fiz de tudo para agrada- lo e nada tá bom . Hoje me chama pelo meu nome e não mais de mãe assim como o pai. O que devo fazer, sofro tanto, pois além de sofrer com minhas cirurgias e tratamentos renais, não tenho se quer o carinho do meu filho.

    Responder
  • 01/06/2020 às 23:18
    Permalink

    Eu acho que amor de mãe é sagrado.Somente nós mães sabemos o que é gerar um filho, dar à luz, amamentar, noites sem dormir, tanto cuidado e carinho.E a dedicação? Atenção com as notas e o aprendizado na escola, leva e busca na escola, na casa dos amigos, festas, cinemas, shoppings, festas, presentes, cuidado e amor, muito amor.
    É aí crescem e te esquecem.
    Minha mãe tem 86 anos de idade e sempre me disse uma frase muito interessante: criamos os filhos para o mundo, não para nós.E sabe do que mais? Eu e meus irmãos nunca a deixamos de lado, muito pelo contrário.
    Então eu acho que é bem isso, você faz a sua parte como mãe, educa, dá amor, carinho e atenção com total desprendimento.
    Eles nunca vão deixar você.
    Faz parte do ser humano ser assim, infelizmente…
    Um pouco de terapia vai bem
    Fiquem em paz!

    Responder
  • 17/07/2020 às 01:27
    Permalink

    Ontem dia 15/7 contei a história da nossa família
    Não coloquei o nome Luana Marinho do Nascimento ( filha) Entendi que não se deve chamar atenção do filho. Só temos obrigações e lhes pedi perdão. Na nossa época apanhávamos de chicote de ferro, palmatória etc
    Hoje vc tem que sustentar sua filha na Bélgica grávida de um rapaz que não aceita a criança . Mandar 3.000,00 euros e ela ameaça se não mandar ela esconde a criança,
    Não gostei da oração !

    Responder
  • 26/07/2020 às 22:11
    Permalink

    Quanta vitimização.

    Cadê os pais que pagam pensão alimentícia mas não querem nem saber da criança? Que acham que o dinheiro vai ser usado para a mulher comprar sapatos? Muitas vezes valores que nem dão para comprar comida…

    Cadê os pais que se separam, que “fogem de casa” sem preparar os filhos. Simplesmente aparecem anos depois como se nada tivesse acontecido

    Cadê os pais que chamam o filho de louco, esquizofrênico, inútil mas nunca incentivaram um tratamento, sendo que é deles a responsabilidade

    Cadê os pais que não ensinaram afeto e gratidão?

    Cadê os pais que descontam nos filhos as frustrações de um casamento/separação?

    Cadê os pais que não ensinaram o sentido do perdão? Se assim tivessem feito talvez não estariam assim.

    As pessoas seguem modelos, aprendem a conduta dos pais…
    Eu fui tão devastado psicologicamente e fodido pelos meus pais que decidi fazer uma vasectomia por medo de ser uma bosta de pai como foram comigo

    Responder
  • 29/07/2020 às 18:49
    Permalink

    Hare Krishna Gostaria de agradecer pelo texto Prabhu Giridhari. Eu passo muitas dificuldades com minha mãe e minha vida espiritual. Parece que ela não gosta quando eu estou num bom caminho, sempre me atrapalha no cantar da japa, na leitura dos livros e etc… e ri quando eu to estudando. Ela é super tóxica e possessiva cmg e isso sempre me deixa mau, pq eu cumpro meu dharma familiar com ela, e queria ao menos que ela aceitasse o meu caminho.

    Responder
    • 01/08/2020 às 09:48
      Permalink

      O jeito é se afastar dela tão logo puder. Você não deve aceitar isso em sua vida.

      Responder
  • 25/08/2020 às 05:21
    Permalink

    Estou comentando aqui pq preciso desabafar, e talvez nada seja real, mas é como me sinto. Tenho um filho de 14 anos, muito amado. Que até os 9 morou apenas comigo e a partir daí optamos pela guarda compartilhada. Mudei de casa e a escola era mais perto da casa do pai, então invertemos eu fico com ele de 15 em 15 dias, há cerca de 8 meses. Moro com minha namorada atualmente e ele se dá muito bem com ela. Também me dou bem com o pai dele.
    Acontece que a adolescência tem sido extremamente difícil, um abismo se criou entre nós e não consigo transpor ele. Sinto que meu filho não quer estar comigo. Quando busco ele,
    mal fala comigo, sempre no vídeo game (que sei ser da idade, ok), mas busco meios de me reaproximar e não consigo. Tento ao menos nas refeições ter um diálogo e muitas vezes funciona, sem interferência de nenhuma tecnologia, mas assim que acaba voltamos a rotina tecnológica, não só ele como eu também, não nego. Tento me entrosar nos assuntos que gosta, mas é um pouco difícil, cansativo e as vezes chato, assim como acho que são os meus assuntos pra ele.
    Tem vezes que é um alívio quando ele vai embora, pq o peso sai das minhas costas. As vezes da vontade de simplesmente desistir de ser mãe e deixar ele full time com o pai, e esperar pra ver se um dia ele me procura por conta própria, mas tenho medo que isso nunca aconteça e o abismo se instaure de vez. Sei que preciso melhorar as Formas como tento, as vezes sou melosa, as vezes quero que ele goste dos meus assuntos e não ligo pros dele. Muitas Imperfeições e processos pra aprender na prática, que são falhos. CANSA, muito!!! Mas desistir só vai abrir um buraco maior, então sigo tentando, levando, e esperando que seja a adolescência e que os valores estejam corretos pra que no futuro as coisas melhores.

    Responder
  • 23/09/2020 às 13:51
    Permalink

    Li aqui, e como filha vim dizer que não tenho piedade de nenhum comentário de nenhuma mãe, quando um filho nega amor a uma mãe algo severo ela fez. SIMPLES. Relações de mãe e filho são reflexos do que a mãe atribuiu ao próprio filho, ou seja, é tudo colhido uma hora ou outra. Enfim, quem planta uma hora colhe.

    Responder
  • 04/10/2020 às 11:18
    Permalink

    Noemi, Infelizmente a colheita deles não será Boa. Va para outro estado mesmo. Va pra longe! Troque o número do celular e mantenha apenas uma rede social pra vc falar deles quando eles te procurarem. Deixa eles sofrerem tua falta. Já sei o que vai acontecer! Quer saber? Quando a dor da saudade com ingratidão se misturar no peito deles, eles sofrerão tanta tristeza que procurarão uma igreja pra ouvir Deus falar. Se prepara flor. É assim mesmo! Quem não reconhece o valor da família pelo amor conhece pela dor. É fato! Aguardo boas notícias.

    Responder
  • 04/10/2020 às 11:27
    Permalink

    Nossa! Quanta ingratidão ne! Até que ponto vale a pena nos sacrificar pelos filhos?

    Eu os aconselho, se assim me permite, a procurar uma igreja pois sou Cristã e acredito se o melhor lugar onde se ensina os valores da FAMILIA tradicional que por sinal nada tem a ver com a familia moderna. Talvez o moderador não aceite minha postagem e eu não posso ficar chateada pois quando não se fala numa transmissão ao vivo nem sempre é compartilhado as postagens sobre esses valores. A Bíblia fala sobre a semeadura e a colheita. Façamos o bem e aguardemos o tempo de Deus que é justo em reconhecer toda nossa Boa obra. Um abraço bem apertado e caloroso! E orem sempre com gratidão!

    Responder
  • 11/10/2020 às 12:15
    Permalink

    https://blog.quadrante.com.br/como-e-uma-personalidade-imatura/

    Penso que é importante ter em conta o grau de maturidade das pessoas, porque é de lá que vem o reconhecimento, a gratidão, a responsabilidade, o olhar sobre o outro e mais importante ainda o olhar sobre si mesmo.
    Temos visto milhares de casos de mães e pais preocupados com a ausência de tudo isso nos seus filhos, qualidades tão necessárias ao desenvolvimento e sobrevivência das pessoas.
    Acho que muito disso se deve ao fato de nos apercebermos que finalmente não conseguimos ou não soubemos formar estas pessoas para a vida (sem esquecer de muitos casos que independem dos pais ou de qualquer outra influència).
    Acho que o maior erro desta geração de pais, que passam por esse tipo de problemas, e na qual eu me incluo, foi a de sempre se antecipar. De não querer que os filhos sofressem. De proteger, de dar o seu melhor. De dar o que tem e o que não tem. Sim, porque muitas vezes damos o que não temos, apenas no sentido de tentar promover a felicidade dos mesmos.
    Fui criada ouvindo como histórias todas as dificuldades e misérias que meus pais passaram ( e eles passaram muitassssss). Sempre tive muito respeito, admiração e empatia pelo que passaram, embora muitas coisas só conseguimos ver quando somos mais velhos e também pais. SIM!!! Muitas pessoas só conseguirão ver o valor de seus pais quando também forem pais e passarem por situações semelhantes, enquanto outras, por maior inteligência emocional, conseguem ver tudo isso sem terem necessariamente que passar por isso,
    A nossa geração não permitiu e nem contou aos seus filhos todos os perrengues que passaram, e estes filhos foram criados num mundo quase sem sofrimento (aparente), acreditando que tinham direito a tudo, e que não poderiam nunca, nunca conviverem com a tristeza e infelicidade.(só há crescimento quando há lugar para aceitar o sofrimento). Muitos se tornaram adultos egoístas e egocêntricos. Sim, por querer acertar muito, erramos demais. Nos escapou muita coisa, e acabamos falhando em muitos quesitos..
    Importante ter em conta que estou falando somente de filhos que tiveram amor, carinho, cuidados e proteção, e ainda assim se sentem vítimas da vida. Esta vida que não preenche e não corresponde às sua expectativas.
    Tenho pena, porque sei que há comportamentos horríveis tanto de um lado como de outro. Estamos aqui a falar de filhos imaturos, mas sabemos que existem pais horríveis, mas horríveis mesmo. Que maltratam, que desprezam seus filhos. Que negligenciaram de verdade.
    E o mais surpreendente de tudo isso, é que muitos destes filhos maltratados cuidam melhor dos seus pais do que muitos dos que foram protegidos. Ironia do destino. Tantos filhos que sonharam e dariam tudo para ter o amor dos pais, e de pais para terem o amor dos filhos.
    Acho que independente de tudo, o ser humano procura incessantemente o amor (não interpretem como reconhecimento e cobranças). O ser humano procura a troca de amor.
    Quando alguma mãe se diz surpresa pelo desprezo dos filhos, é porque ela sabe o que sentiu e fez para proteger este filho desde o nascimento, e embora o filho também estivesse lá presente, ele não tem lembranças de muitos períodos. Ele não é capaz de se lembrar da sua mãe a cuidar dele com todo o carinho e amor dia e noite. Do esforço que isso exigiu, Mas ela, por ser adulta e poder contar com esta memória, se lembra de todos estes momentos,
    Acho que quando os filhos passam pela mesma experiência, é lá que se deviam aperceber de todo o esforço, gentileza e doação de seus pais. Muitos não se aperceberão nunca, como muitos maus pais também não.
    Muitas vezes é necessário estar longe, para depois conseguir estar perto.
    Viver é errar e acertar, mas as coisas não dependem a 100% só de um lado. Temos de tudo. Temos também famílias grandes em que cada filho amadureceu de forma diferente (segundo seu temperamento e caráter), não dependendo exclusivamente do meio e nem dos atos e influência da família.
    Acho que o mais importante é as pessoas terem noção do tempo. O tempo passa rápido, e muitas vezes não temos tempo para corrigir, e quando alcançamos a consciência, pode ser tarde demais.
    Mudamos tanto ao longo da vida. Mudamos de opinião, de visão e de percepção. Mas nem sempre as pessoas estarão lá esperando pela nossa mudança.
    E tem uma coisa sobre a qual não temos e nem teremos nunca controle: A maneira como cada um interpretou o que recebeu na vida. Não conseguiremos nunca inserir gratidão e compreensão no coração e nem na mente de ninguém.
    Como no velho ditado: “Ah. .Se a juventude soubesse, e se a velhice pudesse”.
    Desejo a todos que encontrem paz para a sua dor, e esperança na vida.
    Sim. A vida muda a toda hora. Ela está sempre em movimento.

    Responder
  • 15/10/2020 às 02:51
    Permalink

    Li alguns comentários…
    No meu caso, eu sou a filha. Na minha adolescência dei um pouco de trabalho, normal devido a idade, cresci, hoje sou uma mulher e estou passando por dificuldades de me relacionar com os meus pais. A minha mãe é bipolar, é aquela pessoa que está tudo bem, você é maravilhosa e perfeita, passa 5 minutos ela está dando show e te chamando de demônio. Sou daquelas que procuro ajudar quem eu posso, sempre estive ao lado dela, ajudando no que eu podia, mas não pude mais aguentar essa bipolaridade e tanta agressão psicológica, isso acaba com a minha autoestima. Atualmente, resido com o meu pai e irmã que tem Síndrome de Down, e está muito difícil para mim, pois eu sou a empregada doméstica, só eu limpo, só eu arrumo, só eu lavo a louça,… e quanto mais eu falo para pelo menos cada um lavar a louça que suja e tentar manter a ordem da casa, menos eles fazem, mais eles sujam, isso é culpa do meu pai, é o exemplo que ele dá para a minha irmã, que eu tenho que ser a serviçal da família. Eu tenho que trabalhar, estudar, ainda aguentar agressão psicológica e ser a faxineira. Sabe, os filhos se afastam dos pais quando não aguentam mais, eu me olho no espelho e parece que envelheci uns 10 anos, de tão infeliz, desgastada e cansada que estou.

    Responder
  • 28/10/2020 às 19:18
    Permalink

    Muito bacana a colocação, meu filho fez 13 anos decidiu ir morar com o pai, desde então mal fala comigo, fala que não pareço a mae dele pq sou morena ele loiro igual ao pai.
    Quando mando msg perguntando se comeu e esta se cuidando me chama de chata e manda eu parar. Se pergunto se posso comprar uma passagem pra ele me ver pq o pai mpra em outro estado ele manda eu parar que ele vai ver.
    Em um ano la ele só me atendeu no telefone 3x tudo sou chata detalhe eu sou mais humilde o pai dele rico.
    Ele nao quer nem saber mais de mim. E quem criou ele sozinha fui eu. Ele aprendeu tudo comigo pq o pai o via uma x ao mês.
    E hoje ele nem liga mais pra mim e tenho ja 44 anos.
    Meu único filho. Não sei mais como lidar com tanta dor.

    Responder
    • 03/11/2020 às 09:56
      Permalink

      Cara Sra. Patrícia,
      Embora lhe custe muito, e custa mesmo, terá que ter a paciência necessária para esperar que o seu filho tome consciência da situação real.
      Ele viveu longe do pai, e deve ter criado uma imagem idílica do mesmo, que com o tempo se tornará a imagem real (com as qualidades e defeitos de cada um). Ele idealizou este pai, e agora está na presença dele.
      Tente mandar uma carta sincera para ele, sem cobranças e nem acusações. Apenas dizendo o que sente, e o quanto se sente triste com a distância física e emocional dele. Ou, se for possível, peça a intervenção de um familiar para falar com ele.
      Mas penso que é importante não cobrar e nem acusar, porque como ele não tem consciência plena dos seus atos, ficará na defesa e não se aproximará.
      O ideal era ele tomar consciência sozinho, mas isso pode levar tempo.
      Tenha fé que isto passa. Os rapazes podem ser muito rebeldes nesta idade.
      Não vale a pena ser insistente para provar seu amor e preocupação. Muitas vezes a distância, também da tua parte, poderá ajudá-lo a se conscientizar.
      Priorize escrever, porque escrevendo temos tempo de pensar melhor e corrigir. E quem lê, tem mais tempo para refletir antes de responder.
      Desejo que tudo corra bem.
      Abraço

      Responder
  • 03/11/2020 às 09:57
    Permalink

    Cara Sra. Patrícia,
    Embora lhe custe muito, e custa mesmo, terá que ter a paciência necessária para esperar que o seu filho tome consciência da situação real.
    Ele viveu longe do pai, e deve ter criado uma imagem idílica do mesmo, que com o tempo se tornará a imagem real (com as qualidades e defeitos de cada um). Ele idealizou este pai, e agora está na presença dele.
    Tente mandar uma carta sincera para ele, sem cobranças e nem acusações. Apenas dizendo o que sente, e o quanto se sente triste com a distância física e emocional dele. Ou, se for possível, peça a intervenção de um familiar para falar com ele.
    Mas penso que é importante não cobrar e nem acusar, porque como ele não tem consciência plena dos seus atos, ficará na defesa e não se aproximará.
    O ideal era ele tomar consciência sozinho, mas isso pode levar tempo.
    Tenha fé que isto passa. Os rapazes podem ser muito rebeldes nesta idade.
    Não vale a pena ser insistente para provar seu amor e preocupação. Muitas vezes a distância, também da tua parte, poderá ajudá-lo a se conscientizar.
    Priorize escrever, porque escrevendo temos tempo de pensar melhor e corrigir. E quem lê, tem mais tempo para refletir antes de responder.
    Desejo que tudo corra bem.
    Abraço

    Responder
  • 07/11/2020 às 09:11
    Permalink

    Não concordo, em tudo que diz.
    Parece, que tudo é a culpa dos pais!
    Por vezes, o filhos transformam-se em Narcisistas e nunca vão amar ninguém além deles próprios. Aqui o erro dos pais, só se for por amar demais!

    Responder

Deixe uma resposta para Solange Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *