FILHOS QUE NÃO AMAM OS PAIS

Um dos temas mais comuns de perguntas e comentários que recebo é de pessoas reclamando do tanto que sofrem com seus pais, e ocasionalmente de pais reclamando que seus filhos não os amam. Não era para filhos terem um amor natural por seus pais?

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

Tem gente me escrevendo falando que só de pensar na mãe, já sente dor nas costas. Outros relatam como a mãe os deixa sem paz. Uns dizem que em casa sofrem de abusos psicológicos. E há também pais escrevendo reclamando que seus filhos não querem saber deles. O que está acontecendo?

Afinal, nossos pais nos deram tudo! Nosso corpo, comida, casa, carinho, tempo, dinheiro… a lista não acaba. Quem tem filhos sabe muito bem. Naturalmente deveríamos amar nossos pais, mesmo com suas falhas.

É um ponto tão profundo que vemos isso nas tradições religiosas. Krishna diz que é uma obrigação cuidar e respeitar os pais. A Bíblia também decreta isso.

Parece uma tremenda e vergonhosa falta de gratidão não amar seus pais depois do tanto que fizeram por você.

Mas amor é do coração. Ter razão para amar, não significa que você vai sentir amor.

Então, vamos falar de forma franca. Dívidas, feitos do passado, etc. não mudam o fato que todo relacionamento tem que ser trabalhado. Tem que trazer um “saldo positivo” hoje.

Alguém pode ter movido montanhas para você, mas se lhe trata de forma irritante, fica cobrando, se metendo onde não deve… fica ruim. Fica impossível tolerar. Torna-se uma realidade psicológica insuportável e não há como dizer que nesta situação você vai ter “prazer” em ficar perto da pessoa. Que vai experimentar amor quando perto da pessoa.

Aí, naturalmente, há um afastamento necessário para preservar a paz interior, a saúde emocional. O fato que se trata de mãe ou pai não muda o fato que o afastamento é a única saída para preservar o bem-estar.

Se você é mãe ou pai e está chateado que seus filhos não lhe procuram, ou estão afastados, fica a pergunta óbvia: você tem um papel nisso? Ou vai mesmo só culpar eles? Acha mesmo que seria natural alguém se afastar de uma pessoa que traz coisas positivas para sua vida, que traz alegria? Ou será que as pessoas se afastam daqueles que as machucam?

Egoísmo existe. Ingratidão também. Mas ainda assim as pessoas naturalmente querem a companhia e contato com aqueles que lhe fazem sentir bem, que acrescentam coisas boas em suas vidas.

Sim, fica o amor no sentido de dever. Os filhos que não zelam por seus pais, pelo bem-estar físico deles, aí realmente é vergonhoso. Pois não se trata de algo emocional, e sim um simples dever, um dharma, óbvio. É uma reciprocidade gritante pelos cuidados que eles tiveram com você durante sua infância.

Diferente do que podemos fazer com outras pessoas, com os pais podemos nos afastar para preservar nosso bem-estar emocional, mas nunca ao ponto de deixar de cumprir nossos deveres de ajuda-los em termos práticos. Salvo, eu diria, em casos onde houve verdadeiro abuso físico e negligência. Nesses casos, a lei da reciprocidade diz que devemos deixa-los de tudo.

E se você quer ver seus filhos mais próximos novamente, então trabalhe o relacionamento. Não se sinta “no direito”. Conquiste o amor com carinho, paciência, serviço… como temos que fazer para qualquer relacionamento dar certo. Sabendo flexibilizar, ajustar e mudar para melhor fluir o relacionamento.

Desenterre seus traumas e limpe seu inconsciente. No livro “O Caminho 3T” (www.3T.org.br) um das seções principais é o tema de “Paz Interior”, onde apresentamos técnicas e fatos para lhe ajudar nesta importante tarefa para uma vida melhor.

 

 

Veja o que estão falando do livro “O Caminho 3T”: “Uma experiência profundamente enriquecedora.” – Chaitanya Charan Das

17 ideias sobre “FILHOS QUE NÃO AMAM OS PAIS

  • 01/04/2019 às 17:35
    Permalink

    Lindo o texto, mais já fiz de tudo pelo meu filho. Hoje tenho 51 e ele 23.
    Já o chamei várias vezes para conversarmos moramos juntos eu e ele somente, e muitas vezes passa dias fora sem mesmo me ligar para saber se estou bem. Aqui me sinto só uma empregada. A última vez que chamei para conversar, falei para ele que o que eu queria era só um pouco da atenção, um abraço, respeito , podemos almoçar um dia juntos. E sabe qual foi a resposta dele? Vai viver sua vida eu tenho meu namorado e tenho meus compromissos não tenho tempo para você.
    Minha última opção é ir embora e deixar elr

    Responder
    • 25/04/2019 às 21:23
      Permalink

      Como é triste, não é, tenho 41 e um filho de 22, que não gosta de mim. Como ele é filho único, me sinto bem triste, mas estou começando a aceitar esta realidade. Estive pensando, eu sofri tanto para criar este filho, abri mão de tantas coisas, passei tanto perrengue, fui humilhada e tudo mais, eu tinha esperança de quando ele crescesse fosse meu amigo, mas após fazer 15 anos foi piorando. Eu não corro mais atrás.

      Responder
      • 03/05/2019 às 14:33
        Permalink

        É… temos que aceitar o caminho dos outros. O seu amor, seu sacrifício… isso está gravado. É seu mérito. Deus sabe o que fez, mesmo que ninguém reconheça.

        Responder
      • 09/05/2019 às 13:04
        Permalink

        Ola td bem?? Sei bem o que o voce esta dizendo! Eu tenho 41, filha de 41 anos, uma rebeldia apos meu divorcio, saiu de casa pra morar com pai, nao deu certo foi na casa da minha mae, completando 18 anos, me agrediu e no inicio deste ano veio me pressionando pra eu sair da minha casa, ou que pagasse aluguel pra ela, e entaoo muita pressao psicologica, decidi nao mais discutir, ela foi morar com o namorado, e estamos ha praticamente 45 dias sem uma procurar a outra. Fiz tanto por ela e hoje vejo ingratidão, muito dificil pra gente que é mae, ter um filho unico, sofremos sim! Hoje me faço de forte, mas quem sofre sou e minha mãe, pois é facil pessoas falarem ate mesmo dos nossos erros, mas como sempre pensei. O Amor a gente nao obriga deles, mas sim o respeito, ne! Caso precisar conversar estarei aqui, anote meu e-mail rosaponci@yahoo.com.br

        Responder
        • 09/05/2019 às 13:42
          Permalink

          Difícil mesmo. Deixe os ânimos acalmarem depois tente conversar com ela com paciência e amor. E, enquanto isso, fique tranquilo, feliz em saber que fez seu dever, que cumpriu seu dharma de mãe. Entenda que fez isso para Deus, e não para sua filha, nem para si mesmo. Ato feito, ato entregue. E a vida segue.

          Responder
      • 12/05/2019 às 21:06
        Permalink

        Eu também abri e ainda abro mão de muita coisa por ele que tem 22 anos e eu 47. Coincidentemente após 15, 16 anos ele também foi piorando. Sempre fui amiga, filho único também. Toda vez que quer desabafar ele me chama. Mas quando chamo para ver um filme (uma vez por ano) ele diz que não é do interesse dele. Não quer fazer nada junto, nem de vez em quando. Até hoje ele não sabe o dia certo do meu aniversário!!! Me sinto muito triste.

        Responder
  • 04/05/2019 às 18:22
    Permalink

    Sei bem o que é isso, tenho um filho de 19 anos que adotei quando ele tinha 9 anos…ele tem um coração bom, mais nao aprendeu a lidar com as frustrações, então ele acha que sou obrigada a dar de tudo (material), para ele, e quando falo não, ele diz que sou a pior mãe que ele podia ter… depois ele do nada vem diz que me ama, mais é inevitável eu tentar aconselhar , isso já é o suficiente para as brigas começarem, para ele me agredir verbalmente, e dizer que só não foi embora pq ainda não tem condições de se manter.
    É bem difícil, pq sei que ele é um bom garoto, mais foi muito rejeitado, e acrefito que não saiba lidar com o amor… para ele eu só devia falar sim pra tudo que ele quer é na hora que ele quer.. tenho muito medo de ver ele sofrer na vida por ser assim…como é difícil ser mãe..

    Responder
    • 04/05/2019 às 21:20
      Permalink

      Você é um anjo por ter adotado. Deus sabe o que fez e seu mérito não precisa da compreensão dele. Fique feliz em seu esforço e doação linda.

      Responder
  • 12/05/2019 às 02:58
    Permalink

    Deus é muito maior e foi quem me segurou até aqui!!

    A infância e adolescência sendo humilhada, minha mae fazia de tudo para eu pensar que era menos que os outros!

    Nunca participou de nada na minha vida e continua sem querer participar! Nem na vida do neto está interessada!

    Dentro de mim surge um rancor e uma tristeza! Aí vem dizer que eu quero brigar! Não eu não quero brigar eu só queria um pouquinho mais de participação, de atenção na minha vida! As pessoas acham que eu não tenho família, além de meu pai não ter me assumido, tenho uma mãe que não faz e nunca fez o mínimo esforço para agradar a filha ou o neto, e pasme a única filha e o único neto! Choro de dor no meu coração, mendigando um amor!! Tento entender, ser resiliente e compreensiva, mas as vezes não consigo! Me ajuda meu Deus a não ser assim com o meu filho, meu único filho que eu adotei quando tinha 11 meses de vida e é o bem mais precioso que eu tenho!!

    Responder
    • 12/05/2019 às 08:50
      Permalink

      Você precisa largar essa dor. Deixa fluir. Já foi. Deixa sua mãe e seu pai carregar o peso do erro deles, você é inocente. Não foi nada pessoal. Não foi algo contra você. Simplesmente eles são seres ainda em evolução, travados, que não souberam viver seu dharma pessoal. Você precisa perdoar, largar e jogar fora esse lixo tóxico.

      Responder
  • 12/05/2019 às 15:28
    Permalink

    Eu tenho um filho de 15 e acabei de ter uma filha(tem 11 meses). Eu sempre me esforcei para nao faltar nada em casa e sempre cobrei do meu filho que se esforçasse para q não passasse as dificuldades que tive (humilhações, desemprego, fome, etc). Ajudava nos estudos, nos treinos, em tudo. Desde o maternal eu que cuidava dos seus estudos, ia em reunioes de pais, fazia matriculas, de tudo. Minha esposa nunca ia em escolas, não resolvia nada de burocratico. E essas cobrancas de minha parte fez com que meu filho se afastasse de mim, ao ponto de me odiar, eu sinto isso. Eu choro, ele passa por mim e nada fala. Meu semblante so carrega tristeza. Me sinto desprezado. Com o nascimento de minha filha,o que era pra trazer alegria, meu relacionamento com minha esposa piorou. Ela me trata como criança me corrigindo o tempo todo e trata este filho de 15 anos tão bem que me dar inveja.

    Responder
  • 17/05/2019 às 00:26
    Permalink

    Complicado minha filha hoje tem 24 anos sempre fui mãe amiga ela estudou se formou tinha .namorado super batalhador.do nada.se.apaixonou por .drogado e resolveu ir e ficar com ele.!! Largou o namorado que tinha quase matou a família por defender .cara de 32 anos que não trabalha e ainda ela que banca tudo !! Tentamos Mostar pra ela o quanto ele.nao.presta mais infelismente só ganhamos.ingratidao.!! Hoje faz dois meses que não a vejo !! Só peço a Deus que de sabedoria a ela pois cansa tentar mostrar o errado para um
    Filho e ele.nao.querer ver !!

    Responder
    • 17/05/2019 às 19:05
      Permalink

      Difícil mesmo. Perdem a noção. Tive uma amiga numa situação idêntica. A menina foi morar com um traficante. Mas depois retomou o juízo e está tudo bem agora.

      Responder
  • 08/06/2019 às 00:35
    Permalink

    Sofri negligência emocional dos meus genitores a vida inteira. Nunca me abraçaram, nem perguntaram como eu estava, mesmo morando sob o mesmo teto. Vivia para estudar, chorar escondido e sonhar com um príncipe que iria me amar um dia. Era desqualificada por minha mãe o tempo todo, eu era o bode expiatório escolhido. Acabei me tornando uma pessoa muito impaciente.
    Quando, por motivos de trabalho, já adulta, fui morar em outra cidade, nunca me ligaram. Eu que os visitava para que não esquecessem de mim. Até entender tudo.
    Já há anos não sei mais deles. Optei pelo contato zero. Não precisei nem me esforçar.
    A negligência afetiva é marca para vida inteira, mesmo após uma década em terapia. Hoje sou para eles o que eles foram para mim: se precisar de cuidados na velhice, mandarei dinheiro porque a lei me obriga, assim como eles fizeram comigo. Não é vingança. É que estar longe e sem contato dói menos.
    Já na meia idade, apesar de ter amado muito, não encontrei o tal príncipe. Pelo contrário, os homens que conheci me trataram como meu pai fazia: desprezo. Foi o que aprendi e acabei atraindo. Então , desisti deles.
    Meu foco hoje é aprender a me amar, coisa que ninguém nunca fez por mim. É muito difícil. A grande frustração que levarei para o caixão é nunca ter sido amada. Mas, Deus sabe de tudo.

    Responder
  • 12/06/2019 às 04:13
    Permalink

    Eu tenho 24 anos, um pai de 55 anos. Fui praticamente criada por minha mae, que sozinha cuidava de mim e dos meus dois irmaos. Meu pai, trabalhava longe nunca nos deu atencao, pouco demonstrava afeto, ficava quase um ano fora, traìa muito minha mae, o casamento deles foi um fracassso. Cresci, ja tendo toda essa familia desistruturada, de muita briga, de traiçoes e de dificuldades. Se separaram quando ru tinha 15 anos, nada mudou. Ele continou ausente, sempre que havia um problema ele fugia, aparecia algumas vezes, ligava, mas nao foi participativo em nada.
    Com 22 perdi minha mae para o cancer, ele foi aparecer 4 meses depois. Hoje sou mae, gravida de 8 meses … Ele continua fazendo o mesmo, as vezes aparece, nao participa de nada, nao ajuda em nada mas nas redes sociais quer mostrar amor e preocupacao que nao tem na realidade. Me pergunto se serei injusta em nao querer esse “pai” perto da minha filha. Nao queria que ela se decepcionasse um dia com o avô assim como muito ja me decepcionei. Tentei relevar, tentei esquecer, impossivel. O meu amor ele nao resgatou, ele nao procurou recuperar e na vida adulta so sobraram magoas, rancor, vontade de querer longe.

    Responder
    • 12/06/2019 às 09:26
      Permalink

      Eu acho que você tem todo o direito de não querer ele por perto. Ao mesmo tempo, pode considerar que é melhor um pai (ou avô) quase zero do que pai (avô) nenhum.

      Responder

Deixe uma resposta para Flavia Lima Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *