Como Nos Enganamos – Parte 1 – Viés de Focalismo, Ancoragem e Conformismo

É fascinante e muito importante entender como nosso cérebro nos engana. Nesta série vamos falar sobre os diferentes vieses cognitivos, ou seja, as diferentes maneiras como tomamos atalhos mentais de forma inconsciente que nos levam a uma visão errada da realidade. Nesta primeira parte vamos abordar três tipos: Focalismo, Ancoragem e Conformismo.

Veja aqui meu vídeo sobre este tema.

Um viés cognitivo é um erro que surge do cérebro querendo economizar energia e tempo na hora de compreender e processar a realidade. São tendências que temos embutidas na nossa fiação cerebral que nos levam ao erro, ou a irracionalidade.

Por que estudar isso? Porque entendendo como funciona o cérebro, podemos melhor utilizá-lo e evitar as armadilhas neurológicas mais comuns, evitando assim erros evitáveis, o que vai melhorar em muito a qualidade da nossa vida, ou até salvar nossa vida!

Aqui vamos falar de três destes vieses cognitivos, que estão ligados um ao outro: Focalismo, Ancoragem e Conformismo. Eles têm em comum a questão de como buscamos informações no mundo, como aceitamos ou não os fatos e como desenvolvemos novos aprendizados. Isso é fundamental pois determina nossa capacidade de entender o mundo claramente, livre de distorções.

Focalismo é dar atenção demasiada a uma informação ou ponto ao tentar entender uma coisa ou pessoa. Para não taxar muito o cérebro, deixamos de enxergar o todo, e focamos nossa mente em apenas um aspecto da situação em questão. Ao limitar nossa visão a um aspecto limitado de algo maior, ficamos cegos ao todo. Com isso, perdemos a capacidade de entender corretamente a questão e ficamos incapazes de tomar uma decisão ou fazer uma avaliação lúcida.

Ancoragem é parecido e anda junto com o conceito de focalismo, mas faz referência específica por ter o foco determinado por uma primeira informação. Ou seja, a primeira informação que recebeu sobre certo assunto ou pessoa cria uma âncora em sua mente, um parâmetro inicial, que vai influenciar como entende o assunto. Dali para frente você não muda sua maneira de entender o assunto, ou distorce sua visão do assunto, preso naquela primeira informação.

Conformismo significa que você avalia as informações com base naquilo que determinou no início, onde está focado. Ou seja, o viés cognitivo de conformismo faz com que você ignora outras informações que não vão de acordo com seu foco, sua âncora, original. Isso é muito forte e temos que ficar muito atentos a isso.

Você já deve ter percebido isso nos outros, eu tenho certeza. Você lá mostrando as coisas para alguém e a pessoa simplesmente ignorando as evidências, algumas vezes palpáveis, inegáveis, diante dela. Agora, a questão aqui é ver quando nós mesmos fazemos isso.

Aqui alguns exemplos para entender como estes três vieses cognitivos agem em nossa vida, em nossa sociedade.

  • A pessoa desenvolve a visão de uma figura pública, como um líder político ou religioso. A pessoa cria esta visão, ancorada, e fica focada nisso. Aí quando surgem fatos mostrando que tal pessoa não é nada daquilo que se mostrou, a pessoa ignora os fatos –conformismo–, e continua com sua visão original do líder ou figura pública. Mesmo diante de fatos, evidências concretas, julgamentos, testemunhas… a visão não muda, a pessoa não aceita a realidade.
  • Quando recebemos uma notícia ruim, como a perda de um emprego, término de um relacionamento, morte de um ente querido ou a perda de uma função ou parte do corpo – ficamos focados na sensação inicial do choque, de como isso é ruim, e não percebemos que a vida continua e que há muitos outros fatores que podem nos influenciar, que afetam nosso bem-estar. Vemos isso em pessoas que ficam presas ao acontecimento traumático (ancoradas, focadas) e ignoram, deixam de perceber (conformismo) as tantas outras maneiras como a vida continua, as tantas outras coisas que acontecem na vida, todos os dias, que não mudaram e que podem continuar a trazer alegria e significado para a vida.
  • Podemos ver como bloqueamos nosso aprendizado, baseado na primeira informação sobre um assunto que recebemos. Isso acontece muito na vida espiritual ou religiosa, onde a pessoa fica presa a um dogma, a uma religião, e não consegue enxergar ou assimilar novas informações. Fazemos também isso com coisas práticas do dia a dia, como a escolha do que comemos ou outros hábitos.
  • Com médicos já é estudado o problema de focarem numa ideia de qual a causa de sua doença e ignoram outras possibilidades, outras causas, deixando de tentar outros tratamentos, deixando de ver o problema real.

Isso são só alguns exemplos. Estes três vieses cognitivos afetam profundamente nossa forma de viver e podem ser um verdadeiro “atraso” de vida.

Como resolver então?

Bom, o mais importante é o primeiro passo de simplesmente saber que seu cérebro faz isso. Quando for escolher as coisas importantes da vida –como seu caminho religioso, quem vai aceitar como um líder religioso ou político, seus hábitos, sua visão sobre certas coisas no mundo–, pare e se questione: “estou vendo essa situação claramente ou estão sendo influenciado pelos vieses de focalismo, ancoragem e confirmação?”. Fique ligado. Faça o seguinte:

  1. Se questione.
  2. Ative sua razão, sua inteligência, deixando a preguiça de pensar de lado.
  3. Busque os fatos de forma objetiva.
  4. Escute empaticamente quem tem uma visão diferente da sua.

É incrível como a vida muda ao fazer isso e como você pode enxergar coisas que não enxergava, que estavam lá, bem em frente de você. Com cada vez mais clareza mental, você entende as coisas como elas realmente são. E ao entender as coisas como elas realmente são, você toma decisões melhores. E ao tomar decisões melhores, você vive melhor.

9 ideias sobre “Como Nos Enganamos – Parte 1 – Viés de Focalismo, Ancoragem e Conformismo

  • 18/08/2020 às 12:20
    Permalink

    Vc vai continuar com está série

    Responder
  • 19/08/2020 às 22:06
    Permalink

    Muito oportuno para o quadro político atual,precisamos enxergar as ações e poder mudar de opinião,sempre que a inteligência nos permitir em não nos tornarmos fanáticos e até burros.

    Responder
  • 29/08/2020 às 13:57
    Permalink

    Mestre Giridhari , seus estudos me proporcionaram um fortalecimento interno, com base na inteligência e coerência, isto realmente me afasta de ancoragens, focalismos e viés de confirmação, pois minha mente encontra-se muito mais aberta para sair das fantasias e caminhar para os campos reais. Gratidão.

    Responder
  • 01/09/2020 às 14:32
    Permalink

    Olá. Esta série pode também ajudar a entender o focalismo na questão das vacinas que estão anunciando. Se devemos confiar ou questionar se é um veneno ou vai nos proteger para ficarmos imunes. Eis a questão!

    Responder
    • 12/09/2020 às 09:07
      Permalink

      Podemos sim confiar. Existe um processo rigoroso de segurança e testes, sendo feitas no mundo inteiro. Vacinas salvam vidas e com a vacina contra o Covid isso será ainda mais relevante.

      Responder
  • 09/09/2020 às 09:41
    Permalink

    Sensacional, fez todo o sentido pra mim! Gratidão! Ótima reflexão, e muito necessária neste momento de massificação de ideias e conformismo cego! “Fechados com b..lixo” faz sentido, cabeça aberta é que não tá! Gratidão!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *