Brahma, Vishnu e Shiva: A Trindade Hindu?

Muitos perguntam se existe uma Trindade Hindu, formada por Brahma, Vishnu e Shiva. Quem são esses Deuses? Descubra aqui.

na esquerda, Brahma, no centro Vishnu e na direita, Shiva

Krishna é a Suprema Personalidade de Deus, a Verdade Absoluta, a fonte de tudo, a causa de todas as causas. Krishna se expande em ilimitadas formas, porém Ele mantém sempre Sua forma original como Krishna, no mundo espiritual. Todas Suas expansões são sac-cid-ananda, ou seja, são formas de eterna bem-aventurança e conhecimento, 100% espiritual. Todos seres vivos, no mundo espiritual e no mundo material, são uma energia Sua, são almas, ou jivas em Sânscrito.

Os jivas são eternamente parte e parcelas de Deus, de Krishna. São eternamente subordinados a Ele, servos amorosos dEle. Nesse mundo material alguns jivas, devido a seu acumulo de créditos piedosos (bom karma), recebem a posição de semideuses, ajudando Krishna a administrar a criação material, durante certo tempo. É claro que Krishna não precisa de ajuda alguma, mas para satisfazer o desejo desses jivas, Ele faz esses arranjos e os ocupa em Seu serviço dessa forma.

Os semideuses são, portanto, mortais e depois de morrer terão que aceitar um corpo mais baixo, tendo consumido seu crédito piedosos, a não ser que consigam se tornar devotos de Krishna e assim voltar ao lar, voltar ao Supremo. Vishnu é Deus, não é um semideus.

Entre os semideuses, os mais poderosos e importantes são Brahma e Shiva.

Existem três gunas: sattva, rajas e tamas. Esses gunas são os tijolos da energia material como um todo. Também são categorias de maneiras como a energia material influencia a mente e, consequentemente, a qualidade de sua vida. Os gunas afetam todo aspecto de sua vida, incluindo: sua felicidade, sua determinação, sua maneira de falar, suas escolhas alimentares, sua clareza mental, sua habilidade de discernir o bom do ruim, o certo do errado, no que você tem fé e até mesmo seu destino futuro caso você renasça. É essencial, portanto, cultivar cuidadosamente a influência dos gunas em sua vida. Dr. David Frawley, em seu ensaio “Os Três Gunas: Como Equilibrar Sua Consciência”, descreve muito bem, embora sucintamente, cada guna:

  1. Sattva: “Sattva é a qualidade da inteligência, da virtude e da bondade e cria harmonia, equilíbrio e estabilidade. É leve e luminoso por natureza. Possui movimentação para dentro e para fora e suscita o despertar da alma. Sattva provê felicidade e satisfação de uma natureza duradoura. É o princípio de clareza, amplidão e paz, a força do amor que une todas as coisas”.
  2. Rajas: “Rajas é a qualidade de mudança, atividade e turbulência. Produz um desequilíbrio que desconcerta um equilíbrio existente. Rajas é motivado em sua ação, sempre buscando uma meta ou um fim que lhe dê poder. Possui movimento para fora e causa ações de interesses pessoais que levam a fragmentações e desintegrações. Enquanto, a curto prazo, rajas é estimulante e confere prazer, rajas, devido à sua natureza desequilibrada, rapidamente resulta em dor e sofrimento. É a força da paixão que causa aflição e conflito”.
  3. Tamas: “Tamas é a qualidade de estagnação, escuridão e inércia, é pesado, encobridor e obstrutor em sua ação. Funciona como a força da gravidade que retarda coisas e as segura em formas limitadas específicas. Possui um movimento para baixo que causa decadência e desintegração. Tamas traz ignorância e ilusão na mente e promove insensibilidade, dono e perda de percepção. É o princípio da materialidade ou da inconsciência que faz a autopercepção ser encoberta”

Vishnu é o guna-avatara de Krishna, do modo da bondade. Vishnu é não diferente de Krishna, porém, é uma expansão Sua.

Brahma é um jiva como eu e você normalmente, porém as vezes, na falta de alguém qualificado, Krishna mesmo ocupa o posto em uma de Suas expansões. Brahma fica responsável por toda a criação material e depois permanece como que um gerente-geral do Universo, cuidando dos afazeres universais durante sua duração de 111 trilhões de anos. Brahma é a personificação de raja-guna, ou o guna-avatara deste modo da natureza material que é responsável pela ação e criação.

Shiva não é um jiva comum. Nas escrituras ele é descrito como sendo mais do que um jiva e menos do que Deus. A comparação que se faz é que da mesma forma que leite e iogurte são iguais, mas ao tempo diferentes, assim também é o caso de Deus e Shiva. Esse é um assunto um tanto técnico, porém o importante é compreender que Shiva não é igual a Krishna, mas sim Seu maior devoto do universo, constantemente meditando nEle e desejando Lhe servir. Shiva é a personificação de tamo-guna, ou o guna-avatara deste modo da natureza que é responsável pela entropia, a destruição de tudo.

Assim, no sentido destes três, Vishnu, Brahma e Shiva, serem os três representantes dos três modos da natureza, aí sim podemos falar em “trindade hindu”. Mas não há qualquer relação explícita entre eles e o conceito da Trindade Cristã.

 

4 ideias sobre “Brahma, Vishnu e Shiva: A Trindade Hindu?

  • 15/06/2020 às 23:17
    Permalink

    Muito obrigada! Clareou a minha compreensão sobre a Trindade

    Responder
  • 16/06/2020 às 00:11
    Permalink

    Muito obrigada! Clareou a minha compreensão sobre a Trindade Hindu.

    Responder
  • 01/07/2020 às 18:11
    Permalink

    Os semideuses são mortais assim como nós, porém eles não vivem em nosso planeta, não sendo assim humanos. Como eles podem nessa condição, tornaram-se devotos de Krishna e voltar ao lar se essa a prática a princípio somente seria possível em uma vida humana?

    Responder
  • 26/12/2020 às 02:25
    Permalink

    O pai, Cristo(o filho) e o Espírito Santo. Rá, Seth, e o Sol. Vishnu, Shiva e Bhrama. Isso nos mostra a extensão do conhecimento em partes, onde através dos tempos outras culturas do oriente para o ocidente contam a mesma historia, com personagens diferentes para ensinar às suas gerações como devemos nos portar para que não sejamos extintos. Na minha jornada, aprendi que pode ser que esse planeta tenha sido o refugio dos nossos antepassados, e historias foram contadas para que não façamos o mesmo que fizemos de onde viemos. Infelizmente, a natureza humana é o oposto do que a historia conta sobre como devemos ser. Continuarão morrendo inocentes, planetas serão devastados, e a humanidade continuará agindo assim, como um vírus. Primeiro encontramos o refugio, farto de recursos, depois nos mudamos pra lá, consumimos todos os recursos até que se acabem, matamos uns aos outros, e por fim nos mudamos pra outro lugar. É um circulo vicioso, não há como mudar isso, é, realmente o que nós somos. É realmente o que fazemos!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *